Coleção de sinapses 9

Padrão

Nesta semana vimos um glossário de palavras de origem africana e a Ciência e o Budismo buscando juntos a origem da felicidade. Para a felicidade de quem luta contra preconceitos, alguns mitos sobre os homossexuais foram desmentidos. Alguns computadores já conseguem desmentir o sarcasmo de textos, e com sarcasmo Green Jelly reconta Os Três Porquinhos.

Enquanto um concurso para escritores de contos é anunciado, o escritor Jean-Claude Carrière fala sobre a mudança e evolução dos livros, e olhamos a mudança de 30 anos nas caras de Lando e Han, enquanto homossexuais mostram as caras e protestam com bom humor contra a homofobia. Com bom humor uma história sobre a vida e a morte é contada, e com muito bom humor e criatividade uma empresa anuncia seus produtos.

Memória das Palavras

Sob o selo A Cor da Cultura, este miniglossário mostra que uma grande parte das palavras do falar português no Brasil tem origem africana, a maioria tendo sido absorvida por influência dos escravos negros. Até na língua somos mestiços.

The Dalai Lama & the Science of Happiness – The Daily Galaxy

Muitos empreendimentos que se baseiam numa “parceria entre Ciência e Religião” precisam ser tratados com cautela, pois há muitas tentativas de usar a Ciência para “provar” as crenças religiosas. No caso do convite do Dalai Lama a Richard Davidson para “descobrir as causas das qualidades humanas positivas, como felicidade e compaixão”, penso que é uma boa abordagem, tendo em vista que se busca entender como a meditação budista afeta o cérebro dos monges e como se pode otimizar o cultivo desses sentimentos sugeridos pelo Dalai Lama, sem qualquer pretensão de se provar a ligação entre meditação, sentimentos e realidades sobrenaturais. Toda a conclusão que vier será lucro para a humanidade.

Derrubando 5 mitos sobre os homossexuais – Bule Voador

Ainda hoje se escutam e veem manifestações medievalescas que condenam a homossexualidade como um perigo à “sociedade”. Portanto, nunca é demais discutir sobre as falácias dos preconceitos, sempre baseados na ignorância, e mostrar com dados factuais o que realmente é ou não mito quando se trata dos homossexuais, especialmente tendo em vista que a maioria desses mitos se baseia na ideia pré-concebida de que a homossexualidade é errada e condenável.

Computadores já conseguem captar o sarcasmo de textos – Veja

Será mais um avanço no desenvolvimento de inteligência artificial que simule o pensar humano? Talvez não, já que o computador em questão trabalha com algoritmos que não percebem sutilezas emotivas. Há casos em que, para deixar o programa mais eficaz, será necessário acrescentar exceções, o que me lembra um software que “lia” textos em voz alta, em inglês. Logicamente, não bastava informar ao programa que a terminação -ipe se pronuncia -aip (como nas palavras ripe e pipe) já que há excessões como recipe (réssipi), que o software precisava saber para, seguindo o padrão, não errar a pronúncia. Ainda estamos muito longe de cérebro positrônico…

Three Little Pigs (Green Jelly) – YouTube

Divertidíssimo. O Lobo Mau é um motoqueiro e cada porquinho representa um arquétipo da juventude contemporânea.

Prêmio Sesc de Literatura inscreve até o dia 30 de setembro – NoMinuto

Coloco esse link aqui mais com o intuito de divulgar o concurso para quem se interessar. Já tive muitas ideias para escrever romances e contos (tenho alguns destes escritos e não publicados). Quem sabe não tenho uma inspiração um dia ante s do prazo de inscrições?

Jean-Claude Carrière: “O e-book vai desaparecer” – Época

Achei bastante pertinente a pergunta feita por Carrière: “o que define um livro?” Certamente não é a encadernação. E talvez nem sequer consigamos imaginar as tecnologias para leitura que estarão popularizadas daqui a 100 anos.

Garoto de 7 anos envia desenho e ganha emprego em revista infantil – G1 Planeta Bizarro

Meninos-prodígios podem ser encontrados em qualquer lugar do mundo, é só procurar. Mas seria muito bom para a humanidade se todas as crianças mais estimuladas desde cedo a desenvolver e descobrir suas aptidões, já se preparando para planejar suas vocações e evitando escolhas que atrasam suas realizações profisisonais.

Lando Calrissian & Han Solo Reunited – TMZ

O que achei mais interessante foi analisar a linguagem corporal dos dois atores. Na primeira foto, vê-se uma euforia, talvez pelo entusiasmo das gravações, que deviam ser divertidas, com os corpos próximos e os braços entrelaçados, mas as cabeças distantes, o que denota que os atores não eram tão íntimos (ou talvez estivessem apenas esticando o pescoço para seus rostos saírem bem na foto), embora estivessem próximos devido ao projeto em comum. Na segunda foto, eles estão mais relaxados, sem a mesma proximidade física, mas sem a tensão nos pescoços. O que quase não mudou foi o sorriso de Ford.

Fuck You Homofobia – YouTube

Um vídeo de revolta bem-humorada contra a homofobia. Por um lado, tendo a considerar exagerada  a violência das palavras do refrão, mas entendo que, para muitas pessoas que insistem apaixonadamente a lutar contra os direitos de os homossexuais serem felizes, reações como a desse vídeo sejam uma forma necessária de essas pessoas entenderem o recado.

Always Look on the Bright Side of Life – Cadu Simões

Uma HQ bem-humorada estrelando a Morte (Thanatos, da mitologia grega), que tenta convencer um suicida a não estragar sua noite de folga. Com referências à mitologia grega, Douglas Adams, Monty Python, death metal, nota-se uma inspiração do estilo deNeil Gaiman, especialmente as histórias da série Sandman.

Campanhas da Hortifruti

Não adianta dizer muita coisa para quem ainda não viu essas campanhas. Deem uma olhada no link e vejam como essa empresa transforma frutas e verduras em garotos-propaganda, com criativíssimas chamadas, parodiando filmes, músicas e outras mídias.

5 comentários sobre “Coleção de sinapses 9

  1. Por mais democrata que seja, concordando com a máxima de que todos devem ser felizes encontrando seus próprios caminhos para tanto, já estou um bocado farto desta tal "luta dos homossexuais": não será forçando a barra com atos públicos que só têm graça para eles (como essas "paradas-showmícios" de orgulho de não sei o quê!) que eles conquistarão qualquer coisa de útil! Útil e razão de orgulho foi ver aquele travesti concurseiro alcançar o doutorado por esforço próprio – sem cotas ou blá,blá,blás!

    Mas, voltando ao "mundo normal" (ré, ré, quero ter o direito de brincar também: este mundo "politicamente correto" está ficando um pé no saco!), das notícias expostas, a mais "legal" ('coooolllll'!) foi ver o retorno da Força com estes veteranos e bacanas atores! Tanto que, aproveitando o saudosimo oitentista que reina nos Morcegos neste "Momento pré-despedida breve", coloquei lá na lateral como a imagem da semana!

    Abração!

  2. Por mais democrata que eu seja, concordando com a máxima de que todos devem ser felizes encontrando seus próprios caminhos para tanto, já estou um bocado farto desta tal “luta dos homossexuais”: não será forçando a barra com atos públicos que só têm graça para eles (como essas “paradas-showmícios” de orgulho de não sei o quê!) que eles conquistarão qualquer coisa de útil! Útil e razão de orgulho foi ver aquele travesti concurseiro alcançar o doutorado por esforço próprio – sem cotas ou blá,blá,blás!

    Mas, voltando ao “mundo normal” (ré, ré, quero ter o direito de brincar também: este mundo “politicamente correto” está ficando um pé no saco!), das notícias expostas, a mais “legal” (’coooolllll’!) foi ver o retorno da Força com estes veteranos e bacanas atores! Tanto que, aproveitando o saudosimo oitentista que reina nos Morcegos neste “Momento pré-despedida breve”, coloquei lá na lateral como a imagem da semana!

    Abração!

  3. Thiago,

    Pois é, nossa língua tem história e essa história também acabou moldando a nossa língua.
    Tem muita gente, até mesmo nos meios acadêmicos, que advogam um certo purismo do idioma e defendem a proteção da Língua Pátria contra as nocivas influências estrangeiras. Sou obrigado a concordar que em alguns casos existe um exagero no uso de palavras do Inglês para designar conceitos ou "objetos" que poderiam ser muito bem expressados em Português mesmo, mas há casos, e muitos, em que o bom e velho Português não dá conta de descrever uma nova idéia, conceito ou um novo "objeto" e a palavra estrangeira acaba servindo como uma luva, muitas vezes recebendo um significado distinto daquele usado pelos falantes originais.

    Não é o caso apenas do Português, mas de qualquer idioma vivo e este é mais um ponto, entre muitos outros, em que nós, humanos, somos mestiços, misturados, ligados uns aos outros por cruzamentos genéticos, culturais, religiosos e lingüísticos.

    E só pra comentar, o vídeo contra a Homofobia é realmente divertido.

  4. @Eduardo,

    Pois é, não há como manter qualquer tipo de "pureza" na língua, porque ela está sempre mudando, recebendo influências e se recriando.

    Concordo com a abordagem ponderada a respeito dos estrangeirismos. Quando há um "equivalente" (segundo Umberto Eco, nunca há uma equivalência absoluta entre dois idiomas, por isso as aspas) em nossa língua, para que complicar a comunicação? Mas quando existe a necessidade de ser bem específico no significado, e quando falta vocabulário, não vejo nenhum problema em emprestar (e quem sabe até incorporar) de um repertório estrangeiro.

    Sobre o vídeo, @Dilberto, concordo com Eduardo, é divertido. Especialmente porque me fez lembrar de um outro vídeo engraçado, o "Vai Tomar no Cu", de Cris Nicolotti.

    <object width="425" height="344"><param name="movie" value="http://www.youtube.com/v/hV76KXU1x6g&hl=pt_BR&fs=1&color1=0x234900&color2=0x4e9e00"></param><param name="allowFullScreen" value="true"></param><param name="allowscriptaccess" value="always"></param><embed src="http://www.youtube.com/v/hV76KXU1x6g&hl=pt_BR&fs=1&color1=0x234900&color2=0x4e9e00&quot; type="application/x-shockwave-flash" allowscriptaccess="always" allowfullscreen="true" width="425" height="344"></embed></object>

    Acho interessante a manifestação dos homossexuais, as paradas gays, as reações provocativas. Ainda existe um grande tabu em torno disso, muita gente não se sente à vontade olhando dois homens se beijando ou duas mulheres andando de mãos dadas, como se não fosse "natural". Assim, acho que, ao insistir em mostrar coisas que mexem com nossos pudores, os LGBTTs estão trazendo à tona algo que as outras pessoas precisam conhecer e ver até que se acostumem e até que não seja mais preciso fazer paradas gays.

Deixe uma resposta