De pais, filhos e um mundo melhor

Padrão

Funny about loveAssisti um dia destes, com minha namorada Inês, ao filme As coisas engraçadas do amor (Funny about love), produzido em 1990 e dirigido por Leonard Nimoy. Protagonizado pelo escalafobético Gene Wilder (cuja incorporação de Willy Wonka, em A fantástica fábrica de chocolate, é um epifenômeno cinematográfico) e por Christine Lahti, é o que se pode enquadrar no estilo comédia romântica.

No entanto, muitas das coisas que se fazem hoje em dia sob o rótulo de comédia romântica são bobagens. Constroem seu humor sobre situações ridículas e de constrangimento, o que, na maioria dos casos, não considero humor. As coisas engraçadas do amor, no entanto, tem seu humor concentrado nos diálogos dos personagens, nas observações que estes fazem dos acontecimentos da trama. É uma comédia no sentido usado pelos gregos e romanos, ou seja, uma narrativa com final feliz, ou, como eu gosto de conceituar, uma história otimista.

Warning: Spoilers!

A história trata, no geral, do conflito entre executar um projeto de vida pessoal e criar um filho. Além disso, o casal protagonista passa boa parte do tempo tentando conceber uma criança, e com muita dificuldade acaba admitindo a possibilidade de se criar um filho adotado.

É muito forte o impulso de querer ter um filho gerado da própria

força fecundante
De [sua] brônzea trama neuronial

(Acho que foi da leitura de Augusto dos Anjos que veio o “neuronial” com “i” de minha Teia. Já a chamaram de “Teia Neuronal”, o que é mais comum, e até “Teia Neural” (!).)

Se as pessoas que querem ajudar uma consciência em estado físico pueril a se desenvolver se preocupassem mais com o bem-estar desse outro ser e com a possibilidade de dar ao mundo um cidadão melhor, pouco lhes importaria quem o pariu. A essa exigência pode subjazer egoísmo (pois muitas pessoa querem um filho que seja uma miniatura de si mesmas), espírito de clã (querem dar continuidade a uma linhagem) e até, em alguns casos, racismo (querem mais uma criança de “raça pura” no mundo).

Os egoístas se esquecem que aquela criança vai um dia ser um adulto, e provavelmente vai demandar para si sua própria identidade. Os que acreditam na linhagem perdem de vista a ancestralidade comum de todos os seres humanos. Os racistas, tristemente, ainda estão achando que alguns humanos são mais iguais do que outros, como os porcos que tomaram conta da fazenda em A Revolução dos Bichos, de George Orwell (cuja adaptação para o cinema é recomendada, embora o desfecho decepcione):

All animals are equal, but some animals are more equal than others.

Homo significa igual. Há muito tempo sabemos que não existe, atualmente, uma subespécie de Homo sapiens sapiens. As diferenças relevantes são individuais ou criadas social e culturalmente. E mesmo nas relações entre espécies distintas deve-se buscar aquilo que há em comum, para que possa haver convivência no universo. Afinal, a comunicação mais elementar exige um mínimo de alguma coisa comum. Nem que seja para que o outro entenda que o estou insultando.

Aprender e assumir uma atitude universalista é o mínimo que os adultos podem fazer por todas as crianças com quem entram em contato. Para muitas sociedades, há apenas um termo para designar os pais e parentes da mesma geração que estes, assim como um só termo para irmãos e primos. Se tomarmos para nós um pouquinho de responsabilidade perante qualquer criança, estas poderão, no mínimo, ter a mente suficientemente aberta para nunca deixar de aprender e evoluir.

3 comentários sobre “De pais, filhos e um mundo melhor

  1. Mr. T

    Sou suspeito p falar, comédia romântica não é meu gênero preferido.
    na verdade, sempre ô ví como "filme p assistir com a mina que se deseja pegar".
    XD

    pq nem com minha namorada eu assisto essas coisas.
    rsrsrsrs

  2. Muito bem. Certa resposta.

    1º baú: inscrição verdadeira: dardo envenenado;
    2º baú: inscrição falsa: livro mágico;
    3º Baú: inscrição verdadeira: rubi.

    Eu vou procurar o filme. Gosto muito do ator. Ontem comecei a ver "O pequeno príncipe".

    Abraços.

Deixe uma resposta