Quilombo de Acauã conquista acesso à terra

Padrão

[Publicado originalmente na Carta Potiguar N.5 – Maio/2013]

Bolo feito pelos quilombolas de Acauã para comemorar o acesso a suas terras

Bolo feito pelos quilombolas de Acauã para comemorar o acesso a suas terras

O dia 23 de abril de 2013 foi de festa para os quilombolas da Comunidade de Acauã (também conhecida como Cunhã). Na ocasião, o INCRA se imitiu na posse das terras que, a partir do processo de titulação que ocorrerá em breve, serão propriedade definitiva da Comunidade, recuperando um território tradicionalmente ocupado e necessário à sobrevivência do grupo.

Desde décadas antes dos anos 1970, a Comunidade Quilombola de Acauã vivia em relativa paz na margem sul do rio Ceará-Mirim, município de Poço Branco, Rio Grande do Norte. Com a construção da Barragem de Poço Branco, os Negros da Cunhã (como também são conhecidos), perderam todas as suas casas e toda a terra que utilizavam para plantar e sobreviver. Num acordo bastante desfavorável para eles e sem qualquer indenização pela perda, os quilombolas passaram a morar ao norte do rio, longe do lugar a que tradicionalmente pertenciam, num pequeno lote de 4 hectares. As 16 famílias que para lá foram na época se multiplicaram e hoje são mais 60.

Em 2004, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA iniciou o processo de regularização do Território Quilombola de Acauã, dentro das ações do Programa Brasil Quilombola. Um relatório antropológico, realizado pelo professor Dr. Carlos Guilherme Octaviano do Valle, da UFRN, mostrou o histórico de ocupação da comunidade no território e apontou que sua origem remonta a ex-escravos, provavelmente fugidos do cativeiro ou retirantes do pós-Abolição.

Esse estudo justificou o reconhecimento de um território que não apenas abrange as terras anteriormente ocupadas pelos Negros da Cunhã, recuperando o que era seu, mas abarca outras terras necessárias a sua sustentabilidade e existência enquanto grupo étnico. Esse Reconhecimento do Território pelo INCRA ocorreu em 2008.

Porém, a história da Comunidade, do passado até o presente, é mais complexa e conflituosa do que pode parecer para quem leu este artigo até aqui e nunca ouvira falar sobre Acauã. Como grande parte das comunidades rurais negras espalhadas pelo Brasil, Acauã sempre foi marcada pela invisibilidade social. Uma dessas marcas se constata na pesquisa cartorial feita pelo INCRA para averiguar o histórico das propriedades particulares que incidem sobre o Território.

Nas certidões retiradas pelo INCRA, não há qualquer menção a uma comunidade negra ou rural no local onde os quilombolas costumavam morar, às margens do rio Ceará-Mirim. A cadeia dominial da Fazenda Maringá descreve os limites do imóvel, numa época anterior à construção da Barragem de Poço Branco, como abrangendo uma grande extensão de terras que ao norte chega até a margem sul do rio, como se não houvesse ninguém morando ali. Mas as fundações das casas dos quilombolas até hoje ainda podem ser vistas quando o rio está baixo, e a história oral contada pelos anciãos da Cunhã mantém viva a memória desses tempos.

O descaso não diminuiu quando a Comunidade perdeu suas terras para a Barragem, pois não receberam indenização e foram forçados a se espremer em um pequeno retângulo, sem terras boas para plantar, sendo obrigados a arrendar terras de fazendeiros vizinhos, numa situação que ecoa o status quo da Escravocracia.

Além disso, Acauã sempre foi ignorada pela administração municipal local. Numa atitude de extremo racismo institucional, a Prefeitura de Poço Branco não recolhe o lixo da Comunidade com regularidade, dificulta o acesso dos quilombolas ao sistema de saúde e desvia os recursos destinados à educação no Quilombo, recebidos do Governo Federal exclusivamente para cumprir o Programa Brasil Quilombola. Não houve sequer um representante da Prefeitura de Poço Branco na cerimônia de imissão de posse do INCRA.

Não bastassem todas as dificuldades, alguns proprietários cujas terras foram incluídas no território reconhecido tomaram atitudes retaliativas contra a Comunidade, principalmente ao impedir os quilombolas de usar seus imóveis para a agricultura. Um dos proprietários conseguiu se utilizar do desconhecimento de algumas instâncias da Justiça sobre a questão quilombola para anular a desapropriação de sua fazenda, onde justamente se encontram as ruínas da Cunhã Velha. Alguns juizes e desembargadores ainda pensam em quilombo como um conjunto de negros fugidos da escravidão, desconsiderando um conceito atual, usado pelos movimentos sociais e na Academia, que abrange diversas situações de resistência à opressão histórica.

Mas a Comunidade conseguiu se manter de pé até agora, e conquistou o direito de acessar seu território tradicional, com a possibilidade de em breve construir novas casas e articular projetos de beneficiamento para se integrar à economia regional e sair da penúria. A regularização do Território Quilombola de Acauã é uma inegável reparação histórica.

Dona Nazaré assina o mandado judicial de imissão de posse do INCRA no ´Território Quilombola, primeiro passo antes da titulação definitiva

Dona Nazaré assina como testemunha o mandado judicial de imissão de posse do INCRA no Território Quilombola, primeiro passo antes da titulação definitiva

Quem esteve presente na cerimônia de imissão de posse pôde testemunhar o contentamento nas músicas e poemas declamados pelos quilombolas, nas lágrimas dos idosos que vislumbram o retorno de uma vida melhor, na alegria de adultos que encaram novas perspectivas e nos sorrisos de crianças que, talvez sem entender bem do que se trata tudo isso, sentem que algo bom se avizinha.

Acauã é uma comunidade quilombola exemplar, pois representa grande parte dos problemas sofridos pelas diversos grupos rurais marginalizados Brasil afora. Mas é exemplar especialmente porque representa a atitude ideal de uma comunidade étnica racialmente discriminada, buscando seus direitos, transformando sua autoestima e planejando um futuro livre dos grilhões do racismo.

[Na imagem em destaque, Sr. Marino Catarino, um dos anciãos de Acauã, assina como testemunha o mandado de imissão de posse do INCRA no Território Quilombola.]

Uma foto em preto e branco

Padrão

Em 1983 e.c., o fotógrafo Luiz Morier flagrou uma cena que se tornaria célebre, embora retratasse uma situação muito constrangedora para os brasileiros. No meio do mato, à beira da estrada Grajaú-Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, policiais prendiam homens pobres, amarrando seus pescoços numa corda. A cena ecoava a época da escravidão no Brasil, pois os presos eram todos negros, enquanto o policial que apareceu na foto era branco.

Os ecos da escravidão ainda reverberam nos dias de hoje e deveriam ter há muito tempo sido superados pelos ideais modernos, mas ainda presenciamos as perseguições policiais que discriminam os suspeitos por seus traços físicos e a coação de populações rurais por fazendeiros abastados (com dinheiro e poder político).

A foto de Morier mostra a continuação histórica de uma relação social e econômica que, desde o Brasil escravista, não mudou significativamente. Os negros, que eram escravos no Brasil colônia, considerados inferiores tanto por sua condição quanto por sua “raça”, sofrem hoje um menosprezo residual muito forte, raramente conseguem realizar os sonhos de sucesso individualista de nossa sociedade e são um dos antimodelos de beleza, segundo uma estética que ainda tem como arquétipo o europeu branco e loiro.

No limite, os negros são forçados a se submeter à brutalidade. O ouvidor da polícia da Bahia Luiz Gonzaga Dantas, em matéria da Carta Capital, faz uma comparação pertinente:

Infelizmente, muitos policiais ainda se portam como verdadeiros capitães do mato dos tempos da escravidão. O negro, pobre e marginalizado, é sempre visto como suspeito e rotineiramente é vítima de abordagens truculentas.

Essa frase seria uma legenda perfeita para a foto de Morier.

Todos Negros

“Todos negros”, a cena captada por Morier

Racismo institucional

No campo, o racismo institucional se revela no desprezo às vidas de comunidades que tiram da terra sua subsistência. Pequenos agricultores são esmagados por latifundiários que se aproveitam de sua influência econômica e política para reivindicar a propriedade de imóveis que nunca ocuparam antes. E ai dos “pequenos” que ousarem desafiar os “grandes”.

No entanto, vivemos atualmente uma conjuntura sócio-política que, a meu ver, aponta para uma perspectiva mais otimista. A política de regularização de territórios quilombolas tem servido para contornar as dificuldades de se dar a populações rurais descendentes de escravos negros (seja daqueles que escaparam do cativeiro, seja dos que ficaram largados à própria sorte depois da Abolição) condições mínimas para viver dignamente.

Paradoxalmente, essa política tem trazido à tona a reação violenta dos grandes proprietários que ocupam as terras reivindicadas pelas comunidades (com o intermédio do INCRA). Essas terras normalmente compõem o território tradicionalmente ocupado pelos quilombos (e que foram esbulhadas) ou são terras necessárias para sua reprodução física, econômica, social e cultural.

As comunidades quilombolas são tão invisíveis que muitas vezes não se encontram registros documentais de sua existência, e só se pode valer de testemunhos orais para atestar a ocupação histórica de um determinado território por uma certa comunidade. Da parte dos latifundiários, por outro lado, documentos podem ser encomendados e servem para garantir a posse legal de tantas terras quantas puderem comprar (ou surrupiar).

Toda essa situação de violência, opressão e impunidade permaneceu velada por muitas décadas, e a “paz no campo” tem sido garantida por um descaso geral. Mas a política de regularização de territórios quilombolas assinala, como disse acima, um pouco de otimismo. Se, por um lado, as reivindicações das comunidades, que equivalem a desafiar o poder instituído, trazem as esperadas retaliações, por outro lado, a visibilidade que elas têm ganhado em toda a mídia pode servir como constrangimento para aqueles que oprimem. As ações destes também não deixam de ser amplamente denunciadas e nacionalmente veiculadas.

Alguns exemplos

Abaixo relaciono uns poucos exemplos (de um universo que abrange todo o Brasil) de situações de conflitos entre comunidades e “grandes” proprietários.

Em 2008, a comunidade quilombola de São Francisco do Paraguaçu, na Bahia, sofreu várias ameaças de fazendeiros descontentes com o processo de regularização do território da comunidade. Além de “visitarem” a comunidade com arma em punho e acompanhados de jagunços, os latifundiários conseguiram enviar policiais com uma intimação, autorizados a demolir roças.

O impacto emocional  foi tão grande que dois anciãos da comunidade, Maria das Dores de Jesus Correia, mais conhecida como Maria do Paraguaçu, e Altino da Cruz, faleceram alguns dias depois.

O exemplo da comunidade quilombola Família Silva, em Porto Alegre/RS, deixa bem explícito que muitos policiais ainda agem como guardiães da elite e de seus interesses. A comunidade negra urbana em questão é um incômodo para a sociedade branca no meio da qual vive, como diz essa matéria do Coletivo Catarse:

Negros e pobres, vivendo num bairro predominantemente de brancos e ricos, os quilombolas se dizem cansados de sofrer com as batidas policiais e denunciam a Brigada Militar por racismo institucional.

A agressão dos policiais nesta comunidade atingiu o ponto em que a privacidade e a integridade física dos quilombolas foram violadas. O repórter da matéria citada relata uma cena que parece saída de um drama fictício e que explicita as contradições de nossas representações de moral e justiça:

Enquanto produzíamos a reportagem, ouvimos o relato de uma conversa que aconteceu na noite do dia 25 de agosto. Apavorado com os homens armados dentro do quilombo, uma criança pede ao pai que chame a polícia para defendê-los. O pai responde que esses homens em sua casa são a polícia.

Um caso recentíssimo de ameaças causou polêmica em Sergipe. Não só os quilombolas foram ameaçados de morte por fazendeiros da elite, mas também o foi a deputada estadual Ana Lucia Menezes, do PT, que se pronunciou diante da OAB, de representantes do Sintese e da Igreja Católica. A deputada é conhecida por seu apoio às comunidades quilombolas, à Reforma Agrária e às questões ambientais.

Utopia

Um exemplo mais próximo de minha experiência são as ameaças sofridas pela comunidade quilombola de Boa Vista dos Negros, no município de Parelhas/RN. Cheguei a ouvir de um proprietário (conhecido por se apossar das terras da comunidade), muito idoso, que se ele tivesse mais dinheiro “tomava o resto das terras deles todinho e ainda mandava dar uma surra neles”. (Contei essa história no post Racismo no Rio Grande do Norte).

Ou seja, as coisas estão longe da situação utópica. A violência continua e a lei que teoricamente protege sem distinção a todos os cidadãos não alcança determinados âmbitos. Mas, com o tempo (talvez muito tempo ainda) e com mais visibilidade, é possível que o medo deixe de ser sentido pelos “pequenos” e contamine o coração dos “grandes”, que vão pensar duas vezes antes de reivindicar seus “direitos”.

Links

O preço do direito

Padrão

Desde que o Estado brasileiro aboliu o sistema econômico escravista com a Lei Áurea (uma lei de 2 artigos simplórios), a distribuição da propriedade da terra tem mantido um padrão: grandes e ricas propriedades concentradas em poucas mãos e uma grande massa de gente com pouca ou nenhuma terra, para morar nem de onde tirar sobrevivência.

A Reforma Agrária promovida pelo Estado foi um projeto que trouxe certa esperança de reverter esse quadro desumano. Parece muito justo repassar grandes montantes de terras ociosas para as enxadas de quem vive ruralmente e quer trabalhar e sobreviver. Mas há casos em que as populações despossuídas foram também desapossadas, perderam suas terras para quem pôde pagar pela lei, pois os direitos muitas vezes não são distribuídos de graça.

Má notícia

Trabalho no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, ou INCRA, como é mais conhecido. Se este é um órgão amplamente vilipendiado e incompreendido (ou mal compreendido, o que é bem diferente…) pela mídia hegemônica e por grande parte da elite ruralista do país, o serviço em que estou lotado é ainda mais obscuro e marginalizado: Regularização de Territórios Quilombolas.

Há algum tempo recebi a notícia de que o processo administrativo sob meus cuidados, referente à regularização do território da comunidade quilombola de Acauã, localizada no município de Poço Branco/RN, foi alvo de uma ação judicial movida por um dos opulentos proprietários cuja terra é visada pelo INCRA para desapropriação em favor do quilombo de Acauã, e que o Tribunal Regional Federal da 5ª Região lançou uma liminar impedindo qualquer atividade do INCRA nesse imóvel até o julgamento da ação. Deveríamos continuar com a desapropriação apenas de outros 5 imóveis.

O processo de regularização do território de Acauã foi aberto em setembro de 2004, mas o acompanho desde setembro de 2006, quando assumi meu cargo no INCRA. Desde então venho assistindo de perto a uma história de resistência, opressão e sacrifício.

O legado de Zé Acauã

Numa pesquisa feita pelo antropólogo Carlos Guilherme Octaviano do Valle, da UFRN, constatou-se que a história oral transmitida pelas antigas gerações de Acauã mostram que sua origem remonta a uma figura mítica chamada José Acauã ou Zé Acauã, a que os acauanenses se referem como um escravo que fugiu do cativeiro. Há outros relatos que explicam como as famílias foram se formando, mas toda essa história demonstra que a origem desse grupo remonta a escravos negros que construíram uma comunidade que hoje em dia conta com 57 núcleos familiares.

A vida da comunidade de Acauã, ou Cunhã, como eles também chamam, ia bem desde o século XIX. Muitas casas foram erigidas nas duas margens do Rio Ceará-Mirim, a terra era farta e fértil. Apesar das dificuldades de infraestrutura, a terra era deles e, mais importante, eles eram donos das próprias vidas.

Mas a construção da Barragem de Poço Branco no Rio Ceará-Mirim, na década de 1960, é lembrada com pesar pelos anciãos que acordaram à noite com a água ensopando suas camas e redes e viram o dia amanhecer sobre suas casas e pertences totalmente submersos.

As autoridades locais e os responsáveis pela Barragem não apresentaram nenhuma compensação pela perda, nenhuma indenização pelo enorme prejuízo material e simbólico sofrido pelos negros de Acauã. Tudo o que lhes foi oferecido em troca de seu desamparo foram míseros 4 hectares, onde foram erguidas 16 casas. Estas se reproduziram nas últimas décadas, e formam um conjunto de mais de 50 famílias.

Acauã deixou de ser uma comunidade livre para viver confinada num pequeno terreno que pode chamar de seu e que nem é suficiente para sua subsistência. Se antes eles trabalhavam para si, hoje eles são obrigados a plantar em terras alheias e pagar uma corveia atávica. A Cunhã Velha é hoje uma Atlântida perdida sob as águas do Ceará-Mirim.

Remanescentes das comunidades dos quilombos

A Constituição Federal Brasileira  de 1988 trouxe o seguinte artigo no seu Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT):

Art. 68 – Aos remanescentes das comunidades dos quilombos que estejam ocupando suas terras é reconhecida a propriedade definitiva, devendo o Estado emitir-lhes os títulos respectivos.

A legislação que regulamenta o Art. 68 do ADCT – CF/1988 (Decreto Nº 4.887/2003 e Instrução Normativa INCRA Nº 57/2009) foge do antigo conceito colonial de quilombo e prevê a desapropriação como forma de recompor o território étnico da comunidade quilombola:

Art. 2o Consideram-se remanescentes das comunidades dos quilombos, para os fins deste Decreto, os grupos étnico-raciais, segundo critérios de auto-atribuição, com trajetória histórica própria, dotados de relações territoriais específicas, com presunção de ancestralidade negra relacionada com a resistência à opressão histórica sofrida.

§ 1o Para os fins deste Decreto, a caracterização dos remanescentes das comunidades dos quilombos será atestada mediante autodefinição da própria comunidade.

§ 2o São terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos as utilizadas para a garantia de sua reprodução física, social, econômica e cultural.

§ 3o Para a medição e demarcação das terras, serão levados em consideração critérios de territorialidade indicados pelos remanescentes das comunidades dos quilombos, sendo facultado à comunidade interessada apresentar as peças técnicas para a instrução procedimental.

A estratégia de se ampliar o conceito de quilombo para os diversos casos de descendentes de escravos que ficaram marginalizados e despossuídos na sociedade e economia brasileiras foi um meio de atender a uma demanda fundiária muito maior do que a dos descendentes daqueles que escaparam do cativeiro. Muito do contingente da população rural miserável não é sem-terra, ou seja, não vive sem um chão para chamar de lar. Os quilombos representam as comunidades que têm chão e têm teto, mas não o suficiente para viver com dignidade, e muitas vezes a terra que consideram sua por direito, por ter pertencido a seus tataravós, está hoje esbulhada e usurpada por quem tem dinheiro para comprar direito.

A Política de Regularização de Territórios Quilombolas representou uma chance de os quilombolas de Acauã receberem a indenização que nunca tiveram. Ao se reconhecerem como remanescentes das comunidades dos quilombos, o Estado pôde atender a uma demanda por um direito que de outra forma eles não conseguiriam adquirir.

Também foi o início de um fervilhar de conflitos latentes sob a aparente harmonia social na qual Acauã está inserida. Por exemplo, alguns dos proprietários que  costumavam arrendar terras aos quilombolas (e cujos imóveis foram visados pelo INCRA para beneficiar a comunidade) impediram o uso de suas terras pelos trabalhadores acauanenses.

Um dos episódios mais traumáticos começou com um boato de que o MST pretendia ocupar a Fazenda Gamellare, vizinha do pequeno terreno onde moram os quilombolas. Com medo de que a referida fazenda fosse perdida para os sem-terra, alguns moradores de Acauã acamparam lá. No dia seguinte, um indivíduo que se identificou como advogado do proprietário chegou ao local acompanhado de homens armados. Atearam fogo no acampamento e ameaçaram passar um trator por cima.

Má notícia (continuação)

A ação movida na Justiça, que impediu o INCRA de desapropriar um dos imóveis levou o advogado da comunidade de Acauã, Luciano Ribeiro Falcão, a tentar conversar com o desembargador responsável pelo caso, em Recife. Ele foi ao INCRA e conseguimos um carro para a viagem. Dois representantes da comunidade foram conosco, Aleandro e Júnior. E praticamente não fomos atendidos, pois o desembargador só admitiu falar com o advogado e com um dos quilombolas. E mesmo assim só admitiu 5 minutos de audiência.

Dois quilombolas e um antropólogo do INCRA batendo na porta da Lei

Júnior e Aleandro, dois quilombolas, e um antropólogo do INCRA batendo na porta da Lei. Notem a imensidão do lugar e como ele faz qualquer um se sentir minúsculo

Recentemente recebi uma informação da procuradora-chefe do INCRA do RN de que todo o processo administrativo em questão deveria ficar suspenso atá o julgamento da supracitada ação… neste dia eu fiquei um pouco abatido e triste.

A decisão de se impedir o andamento da desapropriação da Fazenda Maringá foi baseada numa interpretação literal do marco legal que fundamenta toda a política de regularização de territórios quilombolas, o Art. 68 do ADCT. Ou seja, o juiz pretendeu ignorar qualquer coisa que fosse além da interpretação de que quilombo é apenas o reduto de escravos fugidos e que a regularização de seus territórios poderia prever a desapropriação com vistas à autonomia dessas comunidades.

Grandes controvérsias giram em torno dos fundamentos (tanto jurídicos quanto antropológicos) da política de regularização fundiária voltada para remanescentes das comunidades dos quilombos. Eu mesmo tive muitíssimas dúvidas quando comecei a trabalhar com isso, e sempre me perguntei se era mesmo válido e honesto ressemantizar o conceito de quilombo e, em alguns casos, propor a regularização de um território que não pertenceu realmente à comunidade, mas que atende suas necessidades de sobrevivência.

Um dos principais pontos de que discordo nessa política é a identificação das comunidades quilombolas por um critério “étnico-racial”, ou seja, sua atuação focada em comunidades “negras”. As comunidades quilombolas são heterogênas demais em termos dos problemas que enfrentam para serem classificadas de modo tão homogêneo. E há muitas comunidades não-negras que enfrentam problemas fundiários semelhantes. Em minha opinião, os critérios para esse tipo de regularização fundiária de comunidades rurais deveria considerar aspectos sócio-econômicos e não fenotípicos.

No entanto, mesmo com todas essas dúvidas e discordâncias, especialmente no caso de Acauã, eu senti fortemente a repercussão negativa de uma ação contrária. Por mais que eu pense que a regularização de territórios de comunidades rurais deveria ser um tanto diferente, ela é uma saída viável para problemas urgentes que de outra forma não seriam solucionados.

O quilombo de Acauã não teve a justa compensação pelas inúmeras privações, perdas e descasos que vem sofrendo em sua história. Se não podem se enquadrar no perfil de sem-terra, se as terras perto das quais moram não se enquadram nos requisitos para desapropriação nos moldes da Reforma Agrária… então a identidade quilombola, um meio de serem vistos pelo Estado, e a reconstrução de seu território, são meios legítimos de lhes oferecer oportunidades menos desiguais.

Não dá para não lembrar de Franz Kafka, no trecho fundamental de O Processo, um pequeno conto ditado por um padre a Josef K., no opressor e racional ambiente de uma catedral. No filme de Orson Welles, o conto vem na abertura:

Diante da lei está um porteiro. Um homem do campo dirige-se a este porteiro e pede para entrar na lei. Mas o porteiro diz que agora não pode permitir-lhe a entrada. O homem do campo reflete e depois pergunta se então não pode entrar mais tarde. “É possível”, diz o porteiro, “mas agora não.” Uma vez que a porta da lei continua como sempre aberta, e o porteiro se põe de lado, o homem se inclina para olhar o interior através da porta. Quando nota isso, o porteiro ri e diz: “Se o atrai tanto, tente entrar apesar da minha proibição. Mas veja bem: eu sou poderoso. Eu sou apenas o úlitmo dos porteiros. De sala para sala, porém, existem porteiros cada um mais poderoso que o outro. Nem mesmo eu posso suportar a visão do terceiro”. O homem do campo não esperava tais dificuldades: a lei deve ser acessível a todos e a qualquer hora, pensa ele; agora, no entanto, ao examinar mais de perto o porteiro, com o seu casaco de pele, o grande nariz pontudo e a longa barba tártara, rala e preta, ele decide que é melhor aguardar até receber a permissão de entrada. O porteiro lhe dá um banquinho e deixa-o sentar-se ao lado da porta. Ali fica sentado dias e anos. Ele faz muitas tentativas para ser admitido, e cansa o porteiro com seus pedidos. Muitas vezes o porteiro submete o homem a pequenos interrogatórios, pergunta-lhe a respeito da sua terra e de muitas outras coisas, mas são perguntas indiferentes, como as que costumam fazer os grandes senhores, e no final repete-lhe sempre que ainda não pode deixá-lo entrar. O homem, que havia se equipado para a viagem com muitas coisas, lança mão de tudo, por mais valioso que seja, para subornar o porteiro. Este aceita tudo, mas sempre dizendo: “Eu só aceito para você não achar que deixou de fazer alguma coisa”. Durante todos esses anos, o homem observa o porteiro quase sem interrupção. Esquece os outros porteiros e este primeiro parece-lhe o único obstáculo para a entrada na lei. Nos primeiros anos, amaldiçoa em voz alta o acaso infeliz; mais tarde, quando envelhece, apenas resmunga consigo mesmo. Torna-se infantil, e uma vez que, por estudar o porteiro anos a fio, ficou conhecendo até as pulgas da sua gola de pele, pede a estas que o ajudem a fazê-lo mudar de opinião. Finalmente, sua vista enfraquece e ele não sabe se de fato está escurecendo em volta ou se apenas os olhos o enganam. Contudo, agora reconhece no escuro um brilho que irrompe inextinguível da porta da lei. Mas já não tem mais muito tempo de vida. Antes de morrer, todas as experiências daquele tempo convergem na sua cabeça para uma pergunta que até então não havia feito ao porteiro. Faz-lhe um aceno para que se aproxime, pois não pode mais endireitar o corpo enrijecido. O porteiro precisa curvar-se profundamente até ele, já que a diferença de altura mudou muito em detrimento do homem. “O que é que você ainda quer saber?”, pergunta o porteiro. “Você é insaciável.” “Todos aspiram à lei”, diz o homem. “Como se explica que, em tantos anos, ninguém além de mim pediu para entrar?” O porteiro percebe que o homem já está no fim, e para ainda alcançar sua audição em declínio, ele berra: “Aqui ninguém mais podia ser admitido, pois esta entrada estava destinada só a você. Agora eu vou embora e fecho-a”.

[Franz Kafka]

Coleção de sinapses 10

Padrão

Esta semana foi a Semana da Toalha, com a comemoração, em 25 de maio, do Dia da Toalha, em memória de Douglas Adams, autor de O Guia do Mochileiro das Galáxias. Vimos uma polêmica declaração de uma empresa de video games sobre a classificação etária dos jogos e uma polêmica situação de racismo na UFPB.

Lemos um texto de Manuela Carneiro da Cunha sobre o racismo na questão quilombola e a questão indígena foi abordada, levando-se em conta o conceito de “nação indígena”. Os conceitos primários do design foram apresentados de modo sucinto enquanto vimos um teaser trailer de LittleBigPlanet 2, onde o foco é o design pelos jogadores. No céu, um bebê vestindo uma armadura de metal…

O Guia do Programador das Galáxias – Nerdson não vai à Escola

Towel Day – Wikipedia

Dia da Toalha – Wikipédia

Dia da Toalha homenageia autor de “O Guia do Mochileiro das Galáxias” – Livraria da Folha

Feliz Dia da Toalha com a Toalha Don’t Panic Towel! – Blog de Brinquedo

Contos e Crônicas da Vida Moderna: A resposta sem pergunta – Blog do Duzão

25 de maio foi comemorado o Dia da Toalha, em memória de Douglas Adams. Em sua “trilogia de 5 livros” O Guia do Mochileiro das Galáxias, a toalha é apresentada como o item mais útil para um viajante interestelar. Duas semanas após a morte de Adams, seus fãs estabeleceram o Dia da Toalha, em que cada pessoa deve sair de casa com sua toalha, que pode vir a calhar em diversas situações cotidianas.

A obra de Douglas Adams é uma boa mistura de ficção científica, especulação epistemológica e refinado humor britânico. Qualquer dia desses eu posto uma resenha sobre cada um dos 5 livros:

  1. O Guia do Mochileiro das Galáxias
  2. O Restaurante no Fim do Universo
  3. A Vida, o Universo e Tudo Mais
  4. Até logo, e Obrigado pelos Peixes
  5. Praticamente Inofensiva

Só para lembrar, o mesmo dia 25 é aniversário da estreia de Guerra nas Estrelas.

Rockstar ataca a crítica anti-games – Jovem Nerd News

Consulte a classificação dos jogos eletrônicos ou de RPG – Ministério da Justiça

Os pais que compram video games para os filhos muitas vezes têm o descuido de não conhecer os jogos com que as crianças estão se divertindo. Todos os jogos têm uma classificação indicativa, e os pais que reclamam que os jogos dos seus filhos são muitos violentos são irresponsáveis e erram ao acusar as empresas que fabricam os jogos de estarem aliciando os infantes para a violência e a “imoralidade”. Video game não é só para crianças. Há jogos que servem para pequenos e há os que não servem (a depender do que os responsáveis – ou não – consideram adequado). É só prestar atenção e se informar. O site do Ministério da Justiça é um exemplo de fonte de informação para os pais preocupados.

Estudante africana é agredida a chutes dentro da Universidade Federal da Paraíba – O Globo

Que a polícia está despreparada estamos cansados de ouvir, e ninguém discorda. E aqui vemos que esse despreparo concerne à noção do que é crime ou não. A imagem da polícia foi muito prejudicada com as alegações da delegada que “acompanhou” o caso e mostrou não entender o que é racismo.

A querela das terras de quilombos – Racismo Ambiental

Um ótimo e atual texto da antropóloga Manuela Carneiro da Cunha sobre a questão quilombola, que tem atingido as susceptibilidades da (grande) propriedade privada da oligarquia brasileira.

Nações dentro da Nação: Um Desencontro de Ideologias – UnB

Uma excelente discussão teórica de Alcida Rita Ramos sobre o conceito de nação, usado e abusado na questão indígena, quando se fala em “nação indígena”. Muitos sentem que há uma ameaça à “soberania nacional” quando os indígenas reivindicam direitos político-organizacionais, e muita gente se confunde com os diversos significados possíveis do conceito de nação.

Os princípios perdidos do design – Design on the Rocks

Sou voluntário de uma instituição que trabalha com educação e pesquisa de Conscienciologia, e coordeno o Comitê de Comunicação dessa instituição. Sempre procuro entender um pouco mais de design para oferecer uma contribuição útil ao INTERCAMPI (Associação Internacional dos Campi de Pesquisas da Conscienciologia). Além do fato de eu há muito tempo me interessar por artes visuais.

LittleBigPlanet 2 Announcement Trailer (LBP2) HD – YouTube

LittleBigPlanet é um dos melhores jogos já feitos para Playstation 3. Criativo e divertido, permite também aos jogadores criar cenários e fases que podem ser jogados por outros usuários conectados à Playstation Network. O trailer da continuação desse belo jogo mostra que muitas das limitações do primeiro título na criação de fases (que sempre seguiam o mesmo esquema bidimensional de “jogos de plataforma”) serão sanadas, permitindo maior interação com o cenário, melhores desafios e a concepção de jogos inteiros, aproveitando muito mais a criatividade dos jogadores metidos a designers.

IRON BABY – YouTube

Bem… é… engraçado. 😀