Star Wars, cinema, representatividade e inclusão

Padrão

As palavras que compõem o título deste texto estão, em teoria, mais ligadas entre si do que pode aparentar à primeira vista, mas na prática elas estão desanimadoramente dissociadas.

Star Wars é uma grande franquia cinematográfica hollywoodiana que trouxe à tona uma tipo de história que estava de certa forma desacreditado: as grandes narrativas épicas e fantásticas. Esse tipo de aventura tem como característica, mais do que as maravilhosas cenas de ação e viagens fabulosas, o fato de se centrar em um herói improvável, uma figura que acaba mostrando ser muito mais do que aparenta ser. Luke Skywalker é exatamente o mesmo arquétipo de Páris de Troia, Jesus Cristo de Nazaré, Bilbo Bolseiro de Bolsão. Um “ninguém” que não acredita em si mesmo mas se torna um herói.

Durante muito tempo, a saga Star Wars foi protagonizada por personagens que representam os tipos humanos privilegiados nas sociedades ocidentais. Luke Skywalker era pobre e vivia à margem da sociedade galáctica, mas era um homem branco, cisgênero e heterossexual (embora este último aspecto só fique implícito num beijo incestuoso…), com o qual era mais fácil de se identificarem os jovens espectadores do sexo masculino, cisgêneros e heterossexuais. Dos outros dois personagens principais, Han Solo caía no mesmo estereótipo de Luke, e só Leia Organa se diferenciava por ser mulher, mais nada.

Representatividade

Felizmente, J. J. Abrams (que, ironicamente, ao assumir Star Trek, uma franquia com forte potencial para representar a diversidade, a fez regredir neste quesito) está radicalizando esse aspecto de Star Wars, colocando nos papéis de maior destaque do Episódio VII: O Despertar da Força, uma mulher e um homem negro. Essa escolha repercute positivamente nas mentes dos espectadores (mesmo que essa repercussão se dê através de um desagradável incômodo para machistas e racistas), pois se tratam de duas minorias em nossa realidade, o que enriquece o sentido da jornada do herói como a empreitada maravilhosa de um ou mais indivíduos menosprezados socialmente (seja, num caso, pelo machismo, seja pelo racismo, no outro).

Nisso o filme promete ser um belo exemplo de representatividade na indústria do entretenimento, ao ampliar o escopo do público que pode se identificar mais facilmente com heróis notáveis em histórias fantásticas. Os meios de comunicação de massa têm grande impacto sobre o grande público e a sociedade ocidentais, e a representatividade tem enorme peso sobre a auto-estima das pessoas e suas perspectivas de futuro.

Acessibilidade

Na verdade, a representatividade de O Despertar da Força está sendo amplamente discutida e o que eu estou trazendo aqui não é nenhuma novidade. Porém, o ponto a que quero chegar é outro. Representatividade está relacionada, direta ou indiretamente, a acessibilidade. Ora, houve um tempo nos EUA em que, além de estarem excluídos do protagonismo em peças de teatro e obras cinematográficas, os negros estavam segregados dos brancos em diversos espaços, públicos ou privados, e geralmente os espaços reservados às “colored people” eram de pior qualidade do que aqueles voltados às pessoas brancas. Essa segregação, embora tenha sido proibida por lei, deixou marcas até hoje. (No Brasil, o racismo se manifestou de outras formas, mas seus efeitos são muito semelhantes.)

As transformações sociais que afetam a balança da igualdade dos gêneros também encontram correspondências entre a crescente representatividade das mulheres nas mídias e as conquistas de direitos igualitários pelo Feminismo. Hoje em dia, as mulheres têm acesso ao voto democrático e a cargos de chefia, embora ainda haja muito pelo que lutar para que as elas sejam tratadas como seres humanos plenos.

Pessoas com dificuldades de locomoção, com deficiências físicas e sensoriais e outras inadequações a uma sociedade feita para indivíduos “saudáveis” (que têm um certo tipo idealizado de corpo), ao mesmo tempo em que não conseguem se adequar bem a certos espaços e tecnologias, também são sub-representadas nas mídias. Nisso elas passam por uma situação análoga à dos negros vítimas da segregação racial, pois sofrem por causa do capacitismo (estando assim – talvez não-intencionalmente – segregados) e pela pouca representatividade de pessoas com deficiência na ficção (literatura, quadrinhos, cinema, séries de TV etc.).

Não bastassem as dificuldades enfrentadas por pessoas com deficiência numa sociedade que a muito custo se adapta à diversidade de corpos, surge um problema maior para quem tem deficiência visual (miopia, estrabismo, cegueira parcial, visão monocular, vista cansada e outras). O crescente abuso do “3D” nos filmes hollywoodianos, com muitas estreias sendo feitas apenas com cópias que só podem ser assistidas com o uso de óculos especiais, exclui boa parte do público dos cinemas e provoca grande incômodo para outra parte.

“3D” e exclusão

Eu comecei essa reflexão a partir de mim. Tenho visão monocular, i.e. só enxergo pelo olho esquerdo (e mal). Não consigo ver a “tridimensionalidade” dos filmes “3D” (aliás, tenho até dificuldade de perceber a dimensão da profundidade no mundo físico real). Já fui a algumas sessões de filme em “3D” e consigo assistir em “2D” quando coloco os óculos (como um dos olhos não enxerga uma das imagens superpostas, fico apenas com uma delas), com o agravante de ver tudo escuro, devido à obscuridade da lente. Nas primeiras vezes em que fiz isso, eu escolhi as sessões em “3D” por conveniência social, por estar em companhia de outras pessoas que queriam ver os filmes com esse recurso.

Mas me cansei de pagar mais caro por um serviço de que não posso usufruir. Tudo bem, cada um escolheria a sessão que gostaria de ver, os filmes eram oferecidos em duas versões, e cada um pagaria o preço “justo” pela presença ou ausência desse recurso da moda, por quaisquer razões que fossem (impossibilidade de ver em três dimensões ou desagrado com tal recurso). Mas não por muito tempo.

photogallery1

Quando a indústria cinematográfica descobriu que poderia lucrar muito mais se oferecesse apenas sessões em “3D” nas estreias das superproduções, pessoas como eu passaram a ser excluídas da experiência de ver um filme novo nos cinemas. Apesar disso, em muitos casos os cinemas ofereceriam uma sessão “2D” dublada, excluindo o espectador que prefere ouvir no idioma original (o que rende outra discussão).  Na melhor das hipóteses, teríamos que esperar algumas semanas para que os cinemas oferecessem sessões em “2D” e legendadas. Muitas vezes, teríamos que recorrer à pirataria virtual sem nenhum remorso ou esperar anos para ver o filme na TV ou em sistemas de streaming como o Netflix.

Com o tempo, conversando com amigos na internet e pesquisando sobre o assunto, descobri que não são apenas pessoas com visão monocular que se prejudicam com o monopólio do “3D” nas estreias. Pessoas com estrabismo e pessoas com miopia em um dos olhos e outro não também não enxergam as três dimensões ilusórias desses filmes. Além disso, muitas pessoas reclamam de sentir a vista cansada, dor de cabeça e/ou enxaqueca depois de uma sessão de filme “3D”, e prefeririam assistir a sessões em “2D” dos filmes que querem tanto ver.

Esse é um contingente significativo dos cinéfilos, excluído de seu hobby, sua paixão, sua mania ou até de seu trabalho por causa da preocupação maior da indústria do cinema com o lucro do que com o público. O que não é surpreendente, tendo em vista aquilo que move o capitalismo do qual essa indústria é uma significativa engrenagem.

Star Wars

A franquia Star Wars está melhorando significativamente quanto à representatividade da diversidade humana. Mas a preocupação com a maior visibilidade de mulheres e negros em papéis de destaque, tornando mais premente a acessibilidade dessas minorias aos espaços públicos e privados de uma sociedade mais igualitária, ainda não consegue perceber que a mania do “3D” está indo na contramão desse movimento. É irônico pensar que uma das figuras mais icônicas da saga era uma pessoa com deficiência física (Darth Vader teve as duas pernas e os dois braços amputados, e ainda sofreu queimaduras seriíssimas que o obrigaram a usar para o resto da vida uma armadura cibernética com membros mecânicos e suporte vital).

Fui comprar meu ingresso para Star Wars VII: O Despertar da Força na pré-venda, e todas as salas na semana de estreia no Cinépolis serão em “3D”. Paciência… Fui então ao Cinemark, e a situação é a mesma. Procurei no site do Moviecom, o cinema que menos prefiro aqui em Natal, e vi que haverá uma sala com cópia em “2D” – mas será dublada, e para mim a experiência de escutar as falas no idioma original é muito melhor (…como disse acima, um outro problema, para outra discussão).

A indústria cinematográfica está tornando menos acessível o entretenimento daqueles que há muito tempo são fãs da franquia e que, mesmo considerando essas críticas, certamente contribuiriam com resenhas logo na semana da estreia, se tivessem ao menos uma sessão “2D” para não perder a grande festa nerd que será essa bem-vinda renovação do universo dos jedis, de alienígenas pitorescos e de tecnologias nostálgico-futuristas de há muito tempo atrás, numa galáxia muito, muito distante. Um mundo que não precisa ser projetado com mais de duas dimensões na telona, pois sua profundidade está na maravilhosa fábula que se dispõe a contar.

Afrofuturismo em cinco pequenos gestos

Padrão

Pode-se dizer que o Afrofuturismo é uma reinvenção do futuro das pessoas negras vivendo na cultura racista ocidental. Seja concebendo a presença dos descendentes de africanos nas narrativas fictícias futuristas, seja representando-os como pertencentes ao mundo da alta tecnologia (e não só de uma certa cultura pautada num passado “primitivo”), seja os negros se apropriando da Ficção Científica para contar histórias pertinentes a sua existência enquanto minoria, o Afrofuturismo se compõe de uma gama de manifestações que atualizam a cultura pop/nerd/geek/futurista segundo um ideal igualitário ainda difícil de ser concretizado, tanto na vida cotidiana quanto nas artes e na ficção.

Em artigo anterior, eu discorri sobre potenciais releituras afrofuturistas de temas recorrentes da Ficção Científica, baseando-me nas ideias de Ytasha Womack em seu livro Afrofuturism: The World of Black Sci Fi and Fantasy Culture, mostrando como os diversos temas e tropos do gênero podem ser reinterpretados como metáforas da tragédia dos afrodescendentes no Atlântico Negro. Mas essas releituras não resultam necessariamente em produtos afrofuturistas e podem não radicalizar suficientemente a proposta. Para que isso seja feito, penso, é preciso que as manifestações de reinvenção afrofuturista da cultura seja protagonizada por negros. Aliás, esse é necessariamente um pré-requisito para se considerar certas iniciativas como autenticamente afrofuturistas.

Isso foi feito por seus principais expoentes, como Sun Ra, na música, Octavia Butler, na literatura, e Spike Lee, no cinema. As grandes obras desses artistas são por si só instrumentos de inspiração. Mas há alguns pequenos gestos, iniciativas e atitudes que fizeram e fazem grande diferença e cujo significado é bastante contundente, não só por terem sido empreendidos por pessoas negras, mas porque ajudaram a mudar certos paradigmas ou, no mínimo, chamaram atenção para certas falhas na representatividade negra na mídia.

1. Nichelle Nichols: where no black woman has gone before

1966 testemunhou o advento de uma grande franquia de Ficção Científica na televisão estadounidense. Em Jornada nas Estrelas (Star Trek), Gene Roddenberry visualizou um futuro de alta tecnologia onde estava presente uma significativa diversidade humana. E entre os principais componentes da ponte de comando da nave estelar Enterprise estava Uhura, oficial de comunicações, uma mulher negra.

Embora a concepção da personagem em si não tenha sido feita pela própria Nichelle Nichols, atriz que a interpretou, há um detalhe interessante a respeito do seu nome. Uhura é derivado de uhuru, palavra suaíli que significa “liberdade”. De acordo com Nichols, o nome da personagem foi concebido por ela junto a Gene Roddenberry, que se basearam no nome de um romance popular na época (Uhuru, de Robert Ruark).

Isso é significativo porque representa a participação de uma atriz negra na construção de uma personagem que viria a ser um ícone muito significativo na cultura pop, além de trazer uma óbvia referência à luta contra a escravidão e à emancipação dos negros como um ideal a ser perseguido e plenamente realizado num futuro utópico.

Podemos perceber que a própria personalidade de Nichols influenciou Uhura, muito notadamente em sua caracterização como uma cantora e dançarina apaixonada que canta e dança por um ímpeto pessoal e não por demanda de uma plateia branca.

A mera presença Nichols/Uhura na tripulação principal de uma série de televisão popular foi tão influente que inspirou muitas crianças negras a seguir carreiras de difícil acesso à população racialmente discriminada. Mae Jemison é uma física e astronauta da NASA que se sentiu encorajada pela atriz/personagem a realizar seu sonho e foi a primeira mulher negra a viajar ao espaço (ela também viria a fazer uma ponta na série Jornada nas Estrelas: A Nova Geração). Whoopi Goldberg relembra que em sua infância, ao ver Uhura pela primeira vez, correu para avisar sua família:

Acabei de ver uma mulher negra na televisão, e ela não é uma empregada!

Goldberg não apenas veio a ser uma renomada e versátil atriz como fez um papel semirrecorrente em Jornada nas Estrelas: A Nova Geração, a misteriosa Guinan.

2. Martin Luther King aposta em Uhura

A história contada acima não estaria completa se deixássemos de mencionar o gesto de encorajamento que manteve Nichelle Nichols na franquia Star Trek. A atriz, por considerar seu papel na série como de pouca importância, havia decidido não renovar o contrato para a segunda temporada.

Nichols conta que um dos principais motivadores para que ela se mantivesse na série foi uma rápida conversa com ninguém menos do que Martin Luther King, grande ativista negro que, segundo ela, fez questão de lhe pedir pessoalmente que não abandonasse Star Trek, pois a presença dela na televisão representava um grande incentivo para jovens negras e negros dos EUA, em plena luta pelos direitos civis e contra o segregacionismo racial.

O gesto de Martin Luther King pode ser dividido em duas atitudes encorajadoras. Primeiro, ele se declarou fã de Star Trek e de Uhura, quebrando de forma contundente a ideia preconceituosa de que os negros não se interessam por Ficção Científica ou por ideias futuristas. Puro Afrofuturismo. Segundo, ele foi corresponsável por manter na televisão uma das grandes referências e influências da representatividade negra (e feminina) da cultura pop. Nichelle Nichols não apenas ficaria nas duas temporadas seguintes da série original, como participaria da Série Animada e de todos os seis filmes com a tripulação clássica.

3. Michael Jackson caminha na Lua

Michael Jackson pode ser considerado uma das grandes figuras do Afrofuturismo na música. Ele era um verdadeiro nerd, gostava de quadrinhos e video games. Parte de suas maiores composições musicais, performances coreográficas e videoclipes tem referências a temas da Ficção Científica, do Fantástico e do Terror.

Em 1983, no festival Motown 25: Yesterday, Today, Forever, Jackson executou em público pela primeira vez e de forma espetacular o passo de dança que ele batizou de moonwalk, “caminhada na Lua”. Veja no vídeo abaixo, em 3’37”.

Embora muitos pensem que o dançarino inventou o gesto, na verdade ele aprendeu de outro artista, e a bem da verdade, desde pelo menos 1932 esse passo já era realizado por dançarinos e cantores nos Estados Unidos. Mas o que há de interessante nisso em termos de Afrofuturismo, já que o passo não foi invenção de Michael Jackson?

O que importa neste gesto é o fato de ele ter sido reimaginado por Jackson como uma referência aos avanços científicos. O dançarino que executa o moonwalk parece estar livre da influência da gravidade terrestre, como se estivesse caminhando na Lua. Ou seja, o artista trouxe para a música e a dança negras um conceito futurista. Se faltava representatividade negra na Astronomia em termos de pessoas que já pisaram na Lua ou que já haviam no mínimo ido ao espaço, o cantor e dançarino negro Michael Jackson trouxe para a Terra uma forma de sonhar com a ida de pessoas negras ao satélite natural da Terra.

É interessante lembrar que a primeira pessoa negra a viajar ao espaço foi o cubano Arnaldo Tamayo Méndez, em 1980, na missão soviética Soyuz 38, três anos antes da apresentação de Michael Jackson. Em 1983, deu-se a primeira ida de uma pessoa afro-americana ao espaço, Guion Bluford. Desde então, houve algumas pessoas negras em missões espaciais, entre as quais a primeira mulher negra, Mae Jamison, citada acima, em 1992. Porém, até hoje não houve uma negra ou um negro na Lua.

4. Samuel L. Jackson: o negro é o último a morrer

Star Wars é uma das mais lucrativas e populares franquias de Fantasia Científica de todos os tempos. Mas desde seu início tem sido um tanto pobre em termos de representatividade da diversidade. No elenco original, Leia Organa (Carrie Fisher) cumpria seu papel como elemento do Princípio da Smurfette e Lando Calrissian (Billy Dee Williams) marcava presença num papel coadjuvante.

Mesmo a segunda trilogia continuou fraca em termos de presença de personagens negros, mas melhorou um pouquinho ao colocar Samuel L. Jackson no papel de Mace Windu, um dos mais poderosos mestres da Ordem Jedi e também um dos mais populares personagens dos novos filmes. Sua popularidade se deve em parte por causa de certas características ligadas ao ator que o interpreta. Jackson, sendo careca, costuma incorporar personagens com cabelos extravagantes, e Mace Windu foi uma exceção que chamou atenção do público. Além disso, o sabre-de-luz deste mestre jedi é o único que tem a cor roxa em todos os filmes da franquia (todos os outros jedi têm lâminas que variam entre azul, verde, vermelho e amarelo), e é uma marca da intervenção do próprio ator na concepção visual do personagem.

Como se não bastasse o versátil ator negro ter construído a figura de Mace Windu como um tipo afrofuturista durão e de grande força presencial, ele ainda contribuiu para transgredir um tropo muito comum no cinema, conhecido como “o cara negro morre primeiro“. Segundo este tropo, se há uma pessoa negra num grupo de personagens que vão morrer durante a trama, a probabilidade de ela ser a primeira a ser eliminada é altíssima, e muitas vezes de forma estúpida. O personagem aparece ali, talvez, no máximo para cumprir uma cota de diversidade e é logo descartado quando não se precisa mais dele.

Porém, Samuel L. Jackson solicitou pessoalmente a George Lucas que seu personagem, fadado a morrer no roteiro, não fosse eliminado “como um marginal qualquer” (“like some punk”). Assim, Mace Windu subverteu o tropo ao ser o último de seu grupo a morrer na luta contra o Senador Palpatine e ao fazê-lo de maneira heroica, tendo a vida do inimigo em suas mãos e só sucumbindo porque foi traído por Anakin Skywalker.

5. Janelle Monáe e os androides

Janelle Monáe é uma musicista, compositora, cantora e dançarina estadounidense que tem na versatilidade de estilos uma de suas marcas. Sua música é temática e envolve uma elaborada história de Ficção Científica com temas como viagens no tempo, distopia e inteligência artificial (androides). É considerada, na música contemporânea, como um expoente do Afrofuturismo, não só por misturar música negra com Ficção Científica, mas também por subverter, em suas performances musicais, videoclípicas e de palco, as identidades raciais estabelecidas e as tradicionais camisas-de-força do gênero. Eu a vejo como uma herdeira espiritual de Michael Jackson, uma figura excêntrica que constrói sua imagem pública como uma obra de arte viva e inspiradora.

Na mitologia narrativa criada por Monáe em sua música, a figura dos androides é uma constante, usada como metáfora da alteridade, das minorias oprimidas, dos grupos discriminados e objetificados, especialmente os povos escravizados, como os africanos e seus descendentes na América. E foi usando essa metáfora que a artista, num pequeno gesto afrofuturista, respondeu de maneira magnífica a uma pergunta da imprensa sobre sua sexualidade, sobre se ela é lésbica:

I only date androids. That’s great, they can claim me as well as the straight community, as well as androids. I speak about androids because I think the android represents the new ‘other’. You can compare it to being a lesbian or being a gay man or being a black woman … What I want is for people who feel oppressed or feel like the ‘other’ to connect with the music and to feel like, ‘She represents who I am’.

[Eu só me relaciono com androides. Isso é ótimo, elas [as lésbicas] podem se identificar comigo assim como a comunidade hétero, assim como os androides. Eu falo sobre androides porque penso que o androide representa o novo ‘outro’. Você pode enxergá-lo como representando uma lésbica ou um gay ou uma mulher negra… O que eu quero é que as pessoas que se sentem oprimidas ou se sentem como o ‘outro’ se conectem com a música e pensem: ‘Ela representa quem eu sou’.]

Dessa forma, Janelle Monáe explicita a metáfora do indivíduo coisificado, explorado, expropriado de sua autonomia, presente na figura dos androides, especialmente aqueles que, em histórias como as que ela conta, se rebelam contra a sujeição sob a qual vivem. Seja qual for a orientação sexual de Monáe, o fato é que a forma como ela se apresenta publicamente aciona os preconceitos da cultura em que vive, que assume que certa forma de se vestir e se comportar é supostamente típica de uma mulher homossexual. Neste sentido, identificar-se como androide é jogar para o público uma dúvida que representa a impossibilidade de se inferir, sem algum grau de preconceito, qualquer coisa a respeito da identidade individual de outra pessoa.

Links

Star Wars IV: Uma Nova Esperança

Padrão

Título original: Star Wars – Episode IV: A New Hope

Direção: George Lucas

Ano: 1979

País: EUA

Em 1979, um cineasta norte-americano iniciante chamado George Lucas traria a público uma obra revolucionária às telonas. Inspirado nos clássicos da space opera do cinema e da televisão, Star Wars (Guerra nas Estrelas) apresentou uma épica aventura espacial, com uma aura de grandiosidade nunca vista antes e com efeitos especiais inéditos. Era um filme completo, mas Lucas aproveitou a enorme repercussão para trazer à tona o projeto inteiro, que incluía mais dois filmes, e rebatizou Star Wars como Star Wars – Episode IV: A New Hope (Guerra nas Estrelas – Episódio IV: Uma Nova Esperança), localizando a história in media res, num contexto mais amplo de uma cronologia ainda mais grandiosa.

Há vários fatores que fizeram desse filme um sucesso. Entre eles podemos destacar o impacto áudio-visual, com uma trilha sonora espetacular e efeitos especiais extraordinários para a época, e o fato de transformar um gênero pouco apreciado pelas massas (ficção científica/fantasia) num blockbuster. Mas há ainda o fato de ser uma fábula repleta de simbolismo mitológico que renovou a apreciação pela aventura fantástica, colocando num cenário de ficção científica uma narrativa digna dos grandes épicos mágicos. Star Wars é tão emblemática entre as mitologias modernas que serve de exemplo para o notório esquema conhecido como jornada do herói, proposto por Joseph Campbell.

Como já disse alhures, não considero Star Wars como uma história de ficção científica. Vejo-a mais como uma aventura épica e fantástica com elementos de ficção científica. Assim, não penso ser pertinente abordar esse filme tendo em mente o que a Ciência e a Tecnologia implicam para os ser humano. Essa abordagem serve mais para Star Trek. Neste primeiro episódio da saga espacial de George Lucas, vale mais discorrer sobre a relação entre personagens, arquétipos, simbolismos e moral. Não que não se possa explorar o aspecto sci-fi de Star Wars (como fiz, por exemplo, no artigo Alienígenas em Star Wars), mas são discussões que extrapolam a fábula básica do filme.

Introdução

Tudo começa “há muito tempo atrás, numa galáxia muito, muito distante”. Essa fantástica introdução nos apresenta uma aventura com teor mitológico, lendário, com um quê de conto de fadas. Colocando o espectador diante de uma fábula atemporal e sem referências espaciais reais, vemo-nos adentrando um outro mundo, um outro universo em que tudo é possível.

Ao mesmo tempo, podemos nos deixar imaginar se a relevância de contar e apreciar essa história tem alguma coisa a ver com entender nosso próprio passado. Será que os humanos vieram para a Terra dessa outra galáxia? O que as aventuras de seres alienígenas num tempo e espaço tão distantes podem nos ensinar sobre nossa realidade na Via Láctea, na Terra?

Sinopse

Um destróier imperial intercepta uma nave diplomática que carrega uma espiã da Aliança Rebelde e planos contra o Império Galáctico. A cena resume bem a relação desigual entre as duas facções. O Império tem poderio tecnológico e bélico muitíssimo superior ao da Aliança, e é extremamente confiante em sua capacidade de desbaratar os humildes esforços dos rebeldes, que tentam minar a política opressiva de seus adversários. O cotejo das figuras de Darth Vader, alto e imponente em armadura negra, perante a Princesa Leia Organa, aparentemente frágil com seu vestido branco, mostra um resumo da relação entre as forças imperiais e os rebeldes. Estes não têm medo de enfrentar um poder muito maior do que o deles, e aqueles se utilizam de quaisquer meios persuasivos que estiverem à mão para suprimir a rebelião.

Enquanto isso, Luke Skywalker vive uma vida tranquila com tio Owen e tia Beru, num recanto desértico do planeta Tatooine. Luke não sabe quase nada sobre seu pai, apenas sabe que os tios não gostam de tocar no assunto. Logo de início, vemos esse jovem simples e ansioso para descobrir seu passado, tornar-se um piloto e realizar seu sonho de desbravar as estrelas.

Dois robôs atrapalhados lhe trarão uma mensagem, como um sinal do destino, um chamado para a aventura que o levará a conhecer Obi-wan Kenobi e a descobrir que seu pai foi um grande guerreiro jedi assassinado pelo maléfico Darth Vader, este também um jedi que sucumbiu ao lado sombrio da Força e se tornou um dos bastiões do Império que hoje domina a galáxia. Embora Luke tenha uma profunda ânsia de viajar para além da atmosfera de Tatooine e entenda a importância de se tornar um jedi como seu pai, brandindo o sabre-de-luz deste, que o mestre Obi-wan lhe entrega como legado, o rapaz ainda está preso a sua vida comum.

Porém, o Império Galáctico está em busca dos dois robôs e destrói a casa de Luke, carbonizando seus tios. Sem mais nenhum laço que o prenda a Tatooine, o jovem aprendiz de jedi, com R2D2 e C3P0, se une ao seu novo velho mestre e a aos contrabandistas Han Solo e Chewbacca, todos aliados para resgatar a Princesa Leia, uma das lideranças da Aliança Rebelde que luta contra o Império.

Por sua vez, Leia passa por uma situação semelhante de perda. Tendo sido capturada por Darth Vader e Moff Tarkin, dois altos oficiais do Império, a princesa, para revelar os planos da Aliança, é obrigada a assistir à aniquilação de seu planeta-natal Alderaan, através do uso da gigantesca arma de destruição de planetas chamada Estrela da Morte. Tendo agora pouco a perder de sua vida pessoal, Leia estará mais livre para se tornar uma das principais guerreiras entre os rebeldes.

Junta-se então um grupo de heróis improváveis: um jovem ingênuo e simples, um ancião, dois robôs atrapalhados, dois contrabandistas fora-da-lei e uma princesa juntam-se contra a grande potência imperial. Nesse conflito, Obi-wan, o ancião guerreiro, é morto num duelo contra Darth Vader, o que simboliza mais uma perda para Luke e a passagem de bastão (ou de sabre-de-luz) para o novo guerreiro jedi em formação. Apesar dessa perda, o grupo cumpre sua missão: descobrir uma forma de sabotar e destruir a Estrela da Morte.

O clímax da história se dá quando uma pequena frota de caças rebeldes se põe a assaltar a gigantesca Estrela da Morte, como se um grupo de cavaleiros estivessem atacando uma imensa fortaleza impenetrável. A parca tecnologia disponível à Aliança se opõe à majestosa e avançada máquina de guerra imperial. Porém, o papel de Luke Skywalker é decisivo para a conclusão da tarefa, pois somente quando ele abre mão dos sensores da nave e passa a confiar na Força é que consegue atingir o ponto fraco da estação imperial, destruindo-a e a todos os oficiais do Império que estão lá dentro.

A humildade da Força contra a arrogância tecnológica do Império

É preciso entender o que são os jedi neste universo para compreender o curso dos eventos dessa história. Também chamados de cavaleiros jedi, esses soldados especiais costumavam ser os guardiões da República Galáctica, antes de esta ser derrubada pelo imperador. Eles utilizam a Força para realizar proezas sobrenaturais, como mover objetos com a vontade, controlar indivíduos de mente fraca, perceber o ambiente com sentidos não-físicos e prever o futuro. Obi-wan é um jedi, assim como Darth Vader é uma espécie de jedi do lado sombrio (na trilogia dos episódios I, II e III, revela-se que esses jedi do lado sombrio são chamados de sith), o pai de Luke era um jedi e este está aprendendo a ser um sob a tutela de Obi-wan.

Os jedi e sith tendem a confiar muito mais na Força do que na tecnologia avançada, sujeita a falhas. É interessante perceber, por exemplo, a fé de Darth Vader na Força e seu desprezo pela superconfiança dos oficiais do Império na tecnologia bélica da Estrela da Morte. Perante um oficial que zomba dos poderes dos jedi, Vader ameaça:

I find your lack of faith disturbing. [Sua falta de fé me perturba.]

Em outro momento, ele ressalta, diante da arrogância de Moff Tarkin e sua confiança exagerada na Estrela da Morte:

The ability to destroy a planet is insignificant next to the power of the Force. [A habilidade de destruir um planeta é insignificante comparada ao poder da Força.]

Sua assertiva é profética. De fato, os pilotos rebeldes que tentaram acertar um tiro no diminuto ponto fraco da Estrela da Morte erraram, mesmo utilizando um sistema de mira automática de seus caças. Luke, no momento crucial, abandona a mira automática e passa a usar sua recém-aprendida habilidade com a Força para sentir o momento e o local certo do disparo. Ou seja, ele teve de abandonar sua confiança na alta tecnologia. Sua humildade se contrapôs à arrogância de Moff Tarkin, que até o fim não arredou pé de sua estação bélica e morreu com ela.

Abrir mão do apego (à tecnologia, no caso de Luke) por uma causa maior do que si mesmo é também o que faz Han Solo. O contrabandista ficara satisfeito com a recompensa recebida por seus serviços e deixara a luta dos rebeldes. Mas no final do conflito ele decide retornar e salva Luke de um ataque direto de Darth Vader, que perseguia Luke em seu próprio caça imperial. É bastante relevante notar, por outro lado, que Vader fez a mesma coisa que Luke e Han, pois decidiu ir pessoalmente enfrentar os pilotos rebeldes ao invés de confiar no mero poder tecnológico da Estrela da Morte, o que inclusive o salvou de ser destruído junto com a estação e Moff Tarkin.

O uso da Força contra o poderio tecnológico pode ser entendido simplesmente como o reconhecimento do poder do ser humano perante a imponência fria e opressiva dos artifícios eletromecânicos. A figura de Darth Vader, desde então, pode ser entendida como um amálgama dos dois lados dessa dicotomia, e esse conflito interno seria explorado de forma muito interessante em seu embate com Luke Skywalker nos capítulos seguintes da saga.

Escute

Mitose Neural 2 – Star Wars IV: Uma Nova Esperança

Padrão

Saudações! Bem-vindos a nossa espaçonave Mitose Neural! Neste episódio 2 do podcast da Teia Neuronial, Thiago o Tecelão, Diego “Misantropo”, Dyego “Wally” (Alter-Egos) e Werner o Gnomo (Joy’s Tip) conversam sobre Star Wars – Episódio IV: Uma Nova Esperança, discorrendo sobre algumas curiosidades da concepção desse clássico do cinema de ficção científica e analisando sua narrativa épica e monomítica

Clique no “play”

Continue lendo

Star Trek e Star Wars

Padrão

No âmbito dos nerds e geeks aficionados por ficção científica e fantasia, é famigerada a “rivalidade” entre os fãs de Guerra nas Estrelas (Star Wars) e os de Jornada nas Estrelas (Star Trek). Aqueles que se autodenominam trekkers ou trekkies ralham do caráter pouco científico dos elementos fantásticos no universo dos jedi, enquanto os fanáticos pela Força consideram as histórias da Frota Estelar muito chatas e pouco empolgantes.

Essa “rivalidade” se acentua de maneira tragicômica quando atores ícones das duas franquias se pronunciam zombando da série rival, como o fizeram há algum tempo William Shatner (Capitão James T. Kirk) e Carrie Fisher (Princesa Leia Organa). “Jornada nas Estrelas tem histórias melhores”, defende Shatner. “Guerra nas Estrelas tem efeitos especiais”, replica Fisher.

Entretanto, no geral os nerds gostam das duas franquias, podendo haver preferências individuais, mas é importante atentar para que não há comparação entre Star Wars e Star Trek, pois são duas propostas muito diferentes entre si, cada uma desenvolvida de modo bastante díspar, e para quem as conhece soa muito estranho as pessoas confundirem as duas (o que talvez aconteça mais por causa do nome parecido). E é por serem duas propostas diferentes que não há sentido na rivalidade e na concorrência, pois cada uma é apreciável de modo diferente, como bem respondeu George Takei (que interpretou Sulu na série clássica de Star Trek) em resposta aos dois vídeos acima:

Além disso, as duas séries se aproximarão ainda mais agora, tendo em vista que J. J. Abrams, diretor do filme Star Trek, de 2009, e de sua continuação de 2013, estará à frente do próximo filme da franquia Star Wars, indo aonde ninguém jamais esteve na história das rivalidades entre as torcidas nerds.

Portanto, vou explorar um pouco as diferenças entre as duas séries, não para acirrar qualquer divergência ou rivalidade, mas para acentuar a diversidade e incentivar diferentes formas de apreciar obras de ficção científica e fantasia.

Em primeiro lugar…

Jornada nas Estrelas – Star Trek

Jornada nas Estrelas/Star Trek teve início como uma série televisiva norte-americana, idealizada por Gene Roddenberry, que estreou em 1966. A série clássica (The Original Series – TOS) Inicialmente pensada para se prolongar por 5 anos, só durou 3, sendo cancelada em 1969. Ela foi ressucitada por um breve período como uma Série Animada (The Animated Series – TAS) em 1973 e 1974. Voltou à vida definitivamente em 1979, com Jornada nas Estrelas: O Filme (Star Trek: The Motion Picture), e a partir daí foram produzidos mais 5 filmes com o elenco/tripulação da série clássica.

Em 1987, teve início a série Jornada nas Estrelas: A Nova Geração (The Next Generation – TNG), que durou 7 temporadas, até 1994, com outro elenco/tripulação. Deep Space Nine (DS9) foi outra série, também com 7 temporadas, produzida de 1993 a 1999. A série Voyager (VOY) foi ao ar entre 1995 e 2001, com 7 temporadas também. E Enterprise (ENT), que estreou em 2011, foi cancelada prematuramente em 2005.

Entre 1994 e 2002, foram produzidos 4 filmes com o elenco/tripulação da TNG. Em 2009, Star Trek foi revitalizada com um filme apresentado por um novo elenco, interpretando a tripulação da TOS, que vai estrelar uma continuação em 2013, Além da Escuridão (Star Trek: Into Darkness).

Foram também produzidas muitas histórias em quadrinhos, livros e video games, que enriqueceram esse universo, mas o principal são as séries televisivas.

Guerra nas Estrelas – Star Wars

Guerra nas Estrelas/Star Wars foi um filme de 1977 que iniciou uma grande saga épica no imaginário popular do Ocidente, idealizada por George Lucas. Quando sua continuação foi produzida em 1980, o primeiro filme foi rebatizado como Guerra nas Estrelas – Episódio IV: Uma Nova Esperança (Star Wars – Episode IV: A New Hope). A segunda produção, chamada de Episódio V, foi seguida pelo Episódio VI em 1983.

Os Episódios I, II e III, que contam os acontecimentos anteriores à primeira trilogia, vieram a público em 1999, 2002 e 2005, respectivamente. Uma série animada chamada A Guerra dos Clones (The Clone Wars) foi produzida em 2008, contando eventos entre os Episódios II e III. Em 2015, será lançado o Episódio VII, cuja história ainda é um mistério para o público.

Foram também produzidas muitas histórias em quadrinhos, livros e video games, que enriqueceram esse universo, mas o principal são os filmes.

O começo de tudo

Comecemos pelo início, ou seja, pelo prólogo de cada uma. Star Trek, em seus episódios originais, tem a seguinte entrada, repetida durante toda a série clássica (TOS) e, um pouco modificada, na série A Nova Geração (TNG):

Space, the final frontier. These are the voyages of the starship Enterprise. Its 5-year mission: to explore strange new worlds, to seek out new life and new civilizations, to boldly go where no man has gone before.

[O espaço, a fronteira final. Estas são as viagegns da nave estelar Enterprise. Sua missão de 5 anos: explorar estranhos novos mundos, buscar novas formas de vida e novas civilizações, audaciosamente indo aonde nenhum homem jamais esteve.]

Esta sinopse geral resume bem alguns dos aspectos dessa série televisiva que estreou em 1966. Ela aponta para uma jornada exploratória ao espaço. Infere-se que as histórias ocorrem no futuro mais ou menos próximo, com o advento de novas tecnologias, e que  o espectador se deparará com novas realidades alienígenas e os decorrentes conflitos, sempre com a tentativa de se os resolver de maneira pacífica, embora às vezes isso não seja possível. Essa entrada é perfeita para uma grande obra de Ficção Científica futurista e especulativa.

Star Wars começa simplesmente assim:

A long time ago in a galaxy far, far away…

[Há muito tempo atrás numa galáxia muito, muito distante…]

Aqui não existem parâmetros com base em nossa realidade. Não sabemos em que tempo exatamente ocorre essa história nem em que local do universo, e portanto não há compromisso do autor com a realidade conhecida. O aspecto atemporal (“A long time ago”) indica possibilidades fantásticas e míticas, enquanto a “galaxy far, far away” implica alguma ligação com a Ficção Cienfítica. Tudo é possível e pode-se esperar qualquer coisa em termos de personagens, tecnologia e raças alienígenas.

Assim como as publicações literárias de Ficção Científica, Star Trek se carateriza pela massiva produção de episódios, neste caso televisivos (embora tenha sido produzida mais de uma dezena de filmes). Isso às vezes empobrece a obra, pois uma produção em massa de vez em quando dá alguns frutos mal-acabados, o que não impede de se encontrar, em grande número, peças esplêndidas, narrativas excelentes e cliffhangers e reviravoltas de trama surpreendentes.

No caso de Star Wars, o projeto original é cinematográfico, com uma produção ambiciosa, e isso levou à criação de uma espécie de romance épico, bem pensado em todos os seus elementos (embora o resultado da realização da segunda trilogia – Episódios I, II e III – não tenha sido bem recebida pela maioria dos públicos).

A narrativa

As histórias de Star Trek se caracterizam como episódios isolados dentro de uma narrativa circular. Cada capítulo gira em torno de um evento crítico, um problema a ser resolvido pelos protagonistas. No fim, as coisas voltam ao normal e a nave retoma seu rumo, preparando-se para o próximo episódio em que o mesmo esquema se repete.

O propósito dessa fórmula é estabelecer um grupo de personagens, cada um com suas habilidades especiais, e colocá-los à prova com um desafio diferente em cada capítulo. Ou seja, os roteiristas imaginam situações e pensam: “como a tripulação vai resolver esse problema?” Por isso há uma marcante identificação de cada personagem em cada uma das séries da franquia (isso vai ser desenvolvido abaixo).

Por outro lado, Star Wars é uma narrativa escatológica, com características épicas e heroicas, focadas na trajetória de um ou dois personagens, desde sua gênese até sua apoteose. Cada um dos dois arcos principais (ou seja, as duas trilogias de filmes) é uma grande história completa traçada segundo o esquema da jornada do herói (Joseph Campbell).

O nome Wars (“Guerra”) caracteriza a fábula de Luke e Anakin Sktwalker como um conflito bélico, destacando heróis de guerra como figuras pivotais. Há complôs políticos, traições, golpes de Estado, a instauração de um regime de terror totalitário e sua consequente derrubada por uma força rebelde.

Ficção Científica e Fantasia

A Ficção Científica é um gênero amplo, que se baseia nas possibilidades aventadas pelo conhecimento científico para explorar enredos fictícios. Neste sentido, ela pode trazer especulações sobre o desenvolvimento da tecnologia e da sociedade, no passado ou no futuro, questionar-se quais seriam seus impactos sobre a vida das pessoas, ou imaginar formas biológicas alienígenas inexistentes (ou não), mas verossímeis e prováveis, bem como uma possível diversidade civilizatória dessas formas de vida.

Considerando esse conceito resumido de Ficção Científica, podemos encaixar perfeitamente a maior parte das histórias da franquia Star Trek neste gênero. Normalmente o mote dos episódios gira em torno de alguma das possibilidades citadas acima, com poucas exceções.

Por outro lado, Star Wars é uma ópera espacial que não se baseia especialmente em elementos científicos. Estes estão ali para compor o cenário e não para servir como mote para a trama. Em essência, Star Wars é uma fábula de capa e espada, uma aventura fantástica com elementos épicos que remetem a O Senhor dos Anéis e outras narrativas míticas (inclusive sendo toda inspirada, em seus personagens e sua trama, nos arquétipos e estruturas narrativas mitológicos).

A ficção científica em Star Wars serve de máscara para uma história heroica, remetendo ao teatro clássico, com episódios de tragédia e drama. O mais notável dos quais é a relação edipiana entre Luke Skywalker e Darth Vader. A sedução inevitável de Anakin Skywalker para o lado sombrio da Força também é tragicamente impressionante. O desenrolar desse épico tem início, meio e fim e a história completa um círculo triunfal, na forma de uma escatologia.

É possível reimaginar, por exemplo, toda a trajetória de Anakin e Luke Skywalker num cenário medieval, no Japão feudal, na Antiguidade grega ou nos moldes da cosmologia de povos indígenas, sem perder a essência de sua proposta (veja acima algumas criações do artista plástico Sillof, colocando os personagens em diversos cenários). Entretanto, não dá para reimaginar a maioria das histórias de Star Trek sem se valer dos elementos científicos, pois é a partir destes que se desenvolvem os episódios.

Personagens

Uma das principais diferenças entre os personagens de Star Trek e os de Star Wars é sua profundidade e complexidade. Resumindo, Star Trek apresenta personagens redondos enquanto Star Wars é encenada por personagens majoritariamente planos.

Eis alguns exemplos da complexidade dos personagens de Star Trek em quatro das séries que formam a franquia:

  • Série Clássica (TOS): O Sr. Spock pertence ao povo do planeta Vulcano, mas é filho de um vulcano com uma humana. Como foi criado para reprimir seus sentimentos, possui uma mente prodigiosamente racional e lógica. Porém, ele muitas vezes surpreende seus colegas e aos telespectadores com atitudes que fogem a esse padrão, e isso ocorre por dois motivos: 1) em algumas situações críticas, Spock se vê tomado pelas emoções reprimidas, e nesses momentos age de maneira ilógica; 2) quando está sóbrio, por se pautar na lógica, no discernimento e numa ética complexa, algumas vezes suas ações parecem fugir daquilo que se espera dele como um oficial da Frota Estelar, e o que parece ser insubordinação se revela um meio genial de se alcançar um bem maior.
  • A Nova Geração (TNG): O intrigante Q, criatura onipotente habitante do Continuum Q, aparece inicialmente como um antagonista e um dos mais perigosos vilões da tripulação comanda pelo capitão Picard. No entanto, à medida que vai aparecendo ao longo da série, ele por vezes ajuda os protagonistas (embora sempre à revelia destes). Q já perdeu seus poderes, tornando-se humano, e os recuperou após ter aprendido a sentir compaixão, já se valeu da ajuda dos mocinhos para realizar seus planos pessoais e já se viu como esposo e pai. No entanto, seu caráter sempre permaneceu ambíguo, nem vilão nem herói.
  • Deep Sace Nine (DS9): Os klingons são um povo cuja cultura é marcada pelo louvor à guerra, à conquista e a honra. Eles costumam cantar os feitos de seus heróis e adoram banquetear bebendo “vinho de sangue” (bloodwine). No entanto, tenente Worf, embora sempre carregue em seu olhar a ferocidade dos de sua raça, possui como marca registrada um siso e uma seriedade, mas sempre se mostrando muito zeloso e conservador com relação à cultura klingon, embora, paradoxalmente, tenha sido criado desde criança por pais humanos. Isso o coloca em grande conflito, por um lado, com humanos e a Federação e, por outro lado, com seus irmãos de sangue e o saudosismo do extinto Império Klingon. Em certo momento marcante, sua noiva pergunta porque ele não possui a alegria de viver que a maioria dos klingons tem, e ele revela que quando criança, jogando rúgbi com seus colegas humanos, acidentalmente matou um deles, o que o traumatizou para o resto da vida.
  • Voyager (VOY): Kathryn Janeway é a capitã da nave estelar Voyager. De início, ela encarna o arquétipo da mãe-rainha, encaregada de cuidar e acolher cada membro de sua equipe, sempre fiel às leis que regem a Federação e a Frota Estelar. Mas no decorrer da série ela mostra várias facetas que a tornam um personagem complexo, como a de guerreira destemida, de amante apaixonada e até a de mulher fatal, quando precisa seduzir um maligno holograma. Muitas vezes se vê diante de dilemas que colocam à prova sua lealdade aos princípios da Federação, e em algumas situações é obrigada a burlar esses princípios com vistas ao bem de sua tripulação.

É claro que estes não são os únicos exemplos. Há muitos personagens redondos em toda a franquia, mas podemos dizer que cada série tem um grau diferente de complexidade em seus personagens, sendo, em minha opinião, a Série Clássica a menos redonda e Deep Space Nine a mais redonda. Também não se pode deixar de afirmar que há vários personagens planos, mas eles não se destacam como protagonistas.

Star Wars, sendo bastante inspirada nas narrativas fantásticas e heroicas e tendo sua trama conduzida pelo esquema da luta maniqueísta entre o bem e o mal, apresenta personagens bem posicionados em seus papéis, sendo possível encaixá-los em dois ou três “lados”. Ou seja, ou os personagens são bons, lutando pelo bem e o Lado Claro da Força, ou são maus e se alinham ao Lado Sombrio da Força.

Quase não ocorrem traições ou mudanças de lado, por exemplo, os personagens bons (aliados à República ou à Aliança Rebelde) serão sempre bons, e os aliados aos Separatistas e ao Império são sempre maus. Alguns indivíduos podem até estar fora desse conflito político, ficando à margem de qualquer afiliação republicana ou imperialista, mas eles sempre estão num dos extremos do espectro. Um exemplo disso é o planeta Tatooine, planeta não-representado pela República e meio esquecido pelo Império, onde vemos personagens maus (como os bandidos de Mos Eisley e a máfia de Jabba) e bons (como a família Skywalker e seus amigos).

Há três notáveis exceções à regra, que assumem um papel ambíguo e uma personalidade conflituosa durante suas respectivas trajetórias na saga: Anakin Skywalker/Darth Vader, Han Solo e Lando Calrissian. Ambos mudam de lado e cada um passa por um período transitório de conflito. Mas mesmo aí se vê uma necessidade de se alinhar o personagem em uma de duas opções, nunca mantendo a ambiguidade por muito tempo. Talvez não por acaso, Darth Vader e Han Solo são dois dos personagens favoritos dos fãs de Star Wars.

Outra diferença entre os personagens das duas franquias diz respeito a sua verossimilhança e sua identificação maior ou menor com os mitos e personagens imaginários.

No cenário da Star Wars, os poderes de uma casta especial de guerreiros é ponto fundamental da trama, pois é entre os jedi que aparece o Escolhido e seu filho. Eles são predestinados desde o nascimento a se tornar elementos centrais dos vários episódios dessa saga épica. Tornam-se figuras notáveis como os grandes guerreiros invencíveis dos mitos antigos, tais quais Hércules, rei Arthur ou Sansão. A decisão de um desses heróis ou os efeitos de eventos externos sobre eles têm consequências galácticas, ou seja, eles têm, individualmente, poder de mudar a história.

Por outro lado, os protagonistas da Star Trek não são super-humanos. Eles se destacam muito mais por suas peculiaridades individuais e idiossincrasias pitorescas que servem de mote para o desenrolar das tramas dos episódios. Embora haja encontros com espécies alienígenas que possuem poderes sobre-humanos, o mais importante nesses encontros é a resolução das diferenças, as formas de se usar a diplomacia. Dessa forma, o destino de cada episódio não depende somente da decisão de um herói, mas de um conjunto de fatores os mais diversos e que muitas vezes fogem ao controle dos personagens.

Que a Força viva longa e prosperamente

Penso que a diferença mais básica entre Star Trek e Star Wars está no nível psíquico pelo qual cada uma fisga o expectador. Star Wars apela mais para os sentidos, deixando o espectador mais passivo diante do espetáculo, das cores e luzes, das batalhas e duelos e dos confrontos dramáticos entre os personagens. Em Star Trek, são os meandros da trama que interessam, e o espectador não para de pensar nas possibilidades de como será resolvido o roteiro, pois atiça a inteligência da plateia. Essa diferença, penso, pode guiar o apreciador de Ficção Científica e Fantasia a escolher entre uma experiência poético-dramática da guerra entre o bem e o mal ou uma experiência mais intelectual e abstrata na jornada pelas descobertas do Universo.

Links

Alienígenas em Star Wars

Padrão

As histórias de Jornada nas Estrelas (Star Trek) trazem muitas reflexões a respeito da tecnologia, do impacto de seu desenvolvimento sobre a humanidade, e principalmente aborda uma série de problemas relacionados às relações sociais, ao intercâmbio cultural e entre espécies e explora bem os temas do contato e da diplomacia.

Porém, quando olhamos para as dezenas de espécies que povoam a Via Láctea de Star Trek, quase todas são humanoides, ou seja, são baseadas em nossa própria concepção terráquea e humana daquilo que se concebe como seres inteligentes, pessoas ou indivíduos sencientes. Raramente vemos espécies inteligentes não-humanoides e dificilmente se encontram alienígenas não-sencientes que não sejam inspirados nas espécies não-humanas da própria Terra. Assim, sempre ouvimos algum personagem se referindo aos “morcegos do planeta X”, aos “felinos do planeta Y” ou às “aves do planeta Z”.

Se, por um lado, Star Trek tem uma abordagem mais séria e crítica sobre seus temas principais, estando mais ligado à Ficção Científica, por outro lado a série peca quando não extrapola as possibilidades da vida no Universo.

Por isso, é interessante ver que em Guerra nas Estrelas (Star Wars), muito mais dentro de uma Fantasia Científica ou de uma Ficção Fantástica, sem se preocupar com explicar as tecnologias presentes naquela galáxia distante nem a anatomia escalafobética das centenas de espécies inteligentes não-humanas (e até as não-inteligentes) que pululam na maior parte das cenas de seus seis filmes, consegue trazer exemplos muito mais estranhos e fora dos padrões humano-terráqueos. Assim, embora as histórias de Star Wars não busquem explicar como funcionam as biologias dessa miríade de espécies, estas podem nos trazer reflexões sobre as possibilidades anatômicas, fisiológicas e morfológicas dos seres vivos no Cosmos.

Enquanto seja comum na Ficção Científica em geral a concepção de espécies não-humanas sencientes muito semelhantes aos primatas ou, no máximo, aos mamíferos, em Star Wars vemos facilmente espécies que se parecem com lagartos,  insetos, aracnídeos, lesmas, peixes e outras coisas extraordinárias e inusitadas, misturando características conhecidas na Terra ou as extrapolando completamente. Não existe aí uma superpreocupação em adequar os seres inteligentes não-humanos às formas e proporções humanas, como os traços e elementos que formam o rosto (a própria presença de um “rosto” humanoide não é imprescindível) ou a morfologia cabeça/tronco/(4) membros (2 pernas e 2 braços).

Se por um lado isso se deve ao caráter fantástico da franquia, que concebe os personagens através da imaginação sem rédeas, resulta daí um conjunto de possibilidades mais interessante do ponto de vista de uma ficção científica especulativa a respeito da vida inteligente no universo. É claro que entre tantas espécies diferentes há muitas que são humanoides e explicitamente baseadas no ser humano, mudando apenas uma cor de pele ou de cabelo, uma protuberância aqui e ali na cabeça ou um formato extravagante dos traços faciais (um belo exemplo são os kaminoanos, cujo corpo é praticamente humano, extremamente alongado, com pescoço muito comprido e o rosto bem exótico, mas cujo modelo é facilmente identificável como o humano). Mas todo o conjunto traz mais contribuições para este tipo de discussão do que muitos outros universos fictícios.

chewbacca-ewoks

Ackbar_HS

Almirante Ackbar (mon calamari)

Mesmo algumas espécies humanoides fogem desse padrão quase-humano. O “rosto” dos wookies (espécie à qual pertence Chewbacca), por exemplo, possui outra conformação, com um focinho canídeo, ausência de orelhas visíveis e olhos pequenos. Além disso, são bem mais altos do que a média humana. Os ewoks, da lua de Endor, também são diferentes, com um “rosto” bem diverso do humano e orelhas no alto da cabeça, além do fato de terem estatura bem mais baixa do que os humanos médios.

As formas destes rostos e cabeças podem advir de um hábitat específico, talvez mais selvagem do que o de outras paragens, e as orelhas no topo da cabeça, por exemplo, podem servir para facilitar a detecção de predadores. Porém, estes exemplos ainda estão bem próximos dos mamíferos humanoides, e há outros ainda mais surpreendentes.

O almirante Ackbar também pertence a uma espécie (conhecida como mon calamari no universo expandido) que, embora tenha a clássica forma cabeça/tronco/membros quase humanoide, possui uma cabeça/rosto sem paralelos com o padrão humano (grandes olhos saltados para os lados, boca muito larga e ausência de orelhas e nariz). Sua face lembra uma mistura de peixe e crustáceo. Além disso, suas mãos são grandes e parecem uma mistura de barbatanas com patas de caranguejos no lugar dos dedos.

É interessante notar que, no primeiro filme da série (Episódio IV), a maioria dos personagens são humanos e grande parte dos alienígenas que aparecem são bandidos, “escória e vilania” de Mos Eisley, como define Ben Kenobi (à exceção notável de Chewbacca). De forma geral, nas histórias de fantasia, é muito comum que as raças aliadas dos protagonistas sejam parecidas com humanos e o grau de maldade de um personagem ou raça seja medido por uma aparência menos humana (um exemplo clássico são os orcs de O Senhor dos Anéis). Mas Ackbar, presente no terceiro filme da série (Episódio VI), é uma  bem-vinda exceção, colocando no papel de grande herói um alienígena que em outros contextos poderia ser considerado monstruoso.

Um geonosiano

Um geonosiano

Já os geonosianos, que assumem papel de antagonistas no Episódio II, são ainda mais alienígenas. Seu corpo é muito mais parecido com o de artrópodes (mais especificamente insetos) bípedes, inclusive dotados de exoesqueleto e asas como as de libélulas ou moscas. Diferente dos humanoides descritos acima, a forma como essa espécie fictícia foi concebida não permite que seja interpretada por um ator real fantasiado, e todos os geonosianos do filme são virtuais (gerados por computação gráfica). Esses insetos mostram uma extrapolação possível de uma forma de vida inteligente, com algumas das mesmas características físicas humanas, evoluída de outro filo animal.

Outro aspecto notável dessa espécie, que não tem a ver diretamente com sua morfologia (mas talvez o tenha indiretamente), é seu idioma, cuja fala é composta de vários fonemas ausentes das línguas humanas, produzidos pela garganta estridente e pela oclusão dos “lábios” de queratina dura. Mas sobre os idiomas em Star Wars eu discorrerei em outro artigo.

Essa espécie possui ainda outra característica interessante, que á um crânio muito pequeno para abrigar um cérebro de proporções como as dos humanos. Tendo em vista que os geonosianos têm inteligência semelhante à humana (ou não seriam capazes de constituir uma civilização), podemos especular que a inteligência pode se apresentar sem a necessidade de um sistema nervoso igual ao humano (embora seja difícil aqui arriscar alguma teoria, mesmo admitindo que a complexidade da biologia muitas vezes pode nos surpreender).

Essa característica pode ser encontrada em outras espécies do universo de Star Wars:

ortolantoydarianduggungan

  • Os ortolanos parecem pequenos elefantes bípedes azuis. Seu “rosto” é quase totalmente uma protuberância para baixo (como que uma tromba), com dois pequenos olhos negros e redondos no alto da cabeça e longas orelhas pendendo dos lados desta.
  • Toydarianos são baixinhos, alados e seus narizes parecem com os de antas. Um indivíduo notável desta espécie é Watto, que aparece nos Episódios I e II. Ele surpreende por ser tão pequeno e delgado e mesmo assim possuir inteligência (além de muita astúcia).
  • Os dugs não só têm o crânio pequeno como possuem uma das mais intrigantes morfologias da série de 6 filmes. Seus braços e pernas são “trocados”, ou seja, é como se em sua evolução as pernas tivessem se atrofiado (com a transformação dos pés em mãos) e os braços se superdesenvolvido (com as mãos tornadas pés). Sebulba, o piloto que desafia Anakin Skywalker no Episódio I, pertence a esta espécie.
  • Os gungans, tão detestados por parte dos fãs de Star Wars, especialmente na figura atrapalhada de Jar Jar Binks, praticamente não têm encéfalo comparável ao de um primata, mas foram capazes de construir grandes cidades no fundo do mar. A anatomia de suas cabeças é bem diversa da humana e a proporção do corpo são diferentes, com braços e pernas longos e tronco curto.

Um ithoriano

Também merece menção a raça dos ithorianos, conhecidos como cabeças-de-martelo, que aparecem como figurantes nos filmes mas têm um papel importante na série animada A Guerra dos Clones, na figura de um cavaleiro jedi. O mais impressionante nesta espécie é sua cabeça, cuja forma e anatomia extrapolam muito mais o modelo humanoide do que as outras vistas até aqui.

Ela não tem um pescoço cilíndrico sustentando uma caixa craniana, pois na verdade a cabeça e o pescoço formam uma só estrutura. Não dá para inferir onde se localizaria seu cérebro (se é que o tem), e seus olhos ficam na extremidade da protuberância que seria seu “rosto” (lembrando um tubarão-martelo). Mas seu traço distintivo mais marcante é o fato de possuir duas “bocas”, uma de cada lado da cabeça, algo que talvez não tenha nenhum precedente na fauna terrestre.

Também os hutts, espécie a que pertence Jabba, um dos vilões do Episódio VI, trazem contribuições para essa discussão. Eles não possuem membros inferiores, no lugar dos quais têm uma cauda roliça que é o prolongamento do tronco e sob a qual se arrastam quando se locomovem. O rosto é uma versão larga e achatada de um semblante humano, e os braços são curtos em proporção ao corpo. Os hutts nos levam a especular sobre a real necessidade do bipedismo para o desenvolvimento da inteligência.

Por mais que tentemos, sempre recorreremos ao mundo conhecido para fazer colagens. É a partir da natureza terrestre que os humanos extrapolam as possibilidades biológicas do universo. Mas esse é não somente um exercício mental interessante como também o início de uma reflexão mais complexa sobre a diversidade. De qualquer forma, esse exercício nos permite, mais do que a mera metáfora das relações humanas, dos choques culturais e da diplomacia, especular sobre dificuldades e desafios na comunicação e interação de espécies inteligentes realmente alienígenas entre si.

Links e fontes das imagens

O paradoxo da máscara

Padrão

A máscara pode ser tecnicamente definida como um objeto que cobre parte de ou todo o rosto de uma pessoa. Há máscaras que servem para proteger o usuário de inalar gás ou poluente venenoso; há aquelas que servem para evitar a transmissão de doenças e/ou para prevenir o usuário de uma infecção; algumas máscaras protegem os olhos do soldador das faíscas de sua solda. Em vários casos, o objeto que cobre o rosto tem uma utilidade prática.

Mas há máscaras decorativas cujo uso está ligado à fantasia e assunção de um papel/personagem. Essas máscaras não têm utilidade prática ou laboral. Porém, possuem um certo poder e exercem um fascínio extraordinários sobre quem a usa e quem a vê. O mascarado pode se tornar outra pessoa (pode até ficar irreconhecível para aqueles que o conhecem bem) e fazer coisas que jamais faria em seu cotidiano normal. Paradoxalmente, ao esconder quem aparentamos ser, a máscara permite que nos manifestemos como realmente somos.

Continue lendo

Sexualidade alienígena – parte 3

Padrão

O corpo da mulher, como disse no texto anterior, é representado em nossa cultura como o corpo afrodisíaco, capaz de excitar sexualmente (quando tem uma forma enquadrada no modelo de beleza vigente) qualquer ser humano. Essa noção faz parte de um conjunto de representações androcêntricas (que têm o humano macho como protagonista e sujeito) que veem a fêmea como coadjuvante e objeto.

A noção de uma capacidade natural e universal de excitar os sentidos é levada aos mundos da ficção científica e do fantástico, e os moldes do corpo feminino como o conhecemos (o da fêmea do Homo sapiens) é muitas vezes transportado para o corpo de seres alienígenas, e as mesmas características consideradas sensuais e belas na mulher humana aparecem nas mulheres extraterrestres. Não só as humanas são objeto de desejo de alienígenas, mas as alienígenas consideradas belas são aquelas que têm o corpo parecido com o humano.

Não é à toa, pois toda a ficção científica elaborada por seres humanos é feita pelo ponto de vista dos humanos. A beleza feminina e, em alguns casos, a masculina são os moldes para a criação de personagens sedutores de outras espécies.

Temos que considerar também que, para efeitos narrativos e de ambientação, sejam em séries de TV como Jornada nas Estrelas, sejam em filmes como Guerra nas Estrelas, usar modelos humanos para os alienígenas provoca um apelo maior no público humano. Ao ver uma dançarina de pele verde que tem tudo o que uma bela mulher terráquea tem em termos de formas do corpo, o espectador entende que ela é indubitavelmente considerada bela por todos os personagens daquela história, sejam de que espécie forem.

Mas, em termos de ficção científica, essa limitação dificulta explorar de maneira mais interessante a possível diversidade de espécies inteligentes no universo, que pode incluir, por exemplo, espécies hermafroditas (neste caso, não fariam sentido corpo e prática da sedução sexual), espécies em que os papéis do macho e da fêmea são invertidos e, quem sabe, espécies que possuem três sexos ao invés de dois.

No entanto, a diversidade na ficção científica, e chama a atenção especialmente o caso de Jornada nas Estrelas, é normalmente utilizada como metáfora da diversidade humana. As diferentes espécies se relacionam quase livremente entre si, e aparecem inúmeras relações inter-raciais, intercruzamentos e, não raro, indivíduos híbridos resultantes desses cruzamentos (como discorri na primeira parte deste ensaio).

Kamala e Picard

Uma fêmea perfeita capaz de agradar a qualquer macho da galáxia – Jornada nas Estrelas: A Nova Geração

Dessa forma, a beleza e os atributos sedutores femininos aparecem quase como universais, ou seja, uma fêmea bela não o é somente para sua própria espécie, mas para qualquer outra. Existe assim um modelo único de beleza para todos os seres da galáxia (ou ao menos para os habitantes do Quadrante Alfa da Via-Láctea).

A personagem Kamala, do episódio O Par Perfeito, da série Jornada nas Estrelas: A Nova Geração, pertence a uma espécie metamorfa que, sendo fêmea em sua cultura, é treinada desde criança para ser a companheira perfeita do homem com quem se casará. Ela assume uma forma idêntica à de uma mulher humana, pois seu pretendente pertence a uma espécie com aparência igual à humana (muitas espécies no universo de Jornada nas Estrelas são estritamente humanoides, ou seja, não possuem nenhuma diferença física em relação aos humanos). Mesmo tendo aparência humana, ela consegue despertar o desejo de todos os machos presentes na nave estelar Enterprise, sejam humanos, klingons ou ferengi.

Garota escrava de Órion

Garota escrava de Órion – Jornada nas Estrelas

Há uma raça habitante da constelação de Órion que é mais conhecida por suas fêmeas, normalmente chamadas de garotas escravas de Órion (Orion slave girls) ou mulheres animais de Órion (Orion animal women). Só se diferenciam das mulheres humanas por terem uma pigmentação verde na pele, e são especialistas em seduzir os machos provenientes de qualquer planeta. Elas corroboram a ideia de que existe um modelo universal de fêmea e das características sedutoras do sexo feminino.

Adira Tyree

Adira Tyree, uma dançarina centauri que, além de agradar os machos de sua espécie, é apreciada por humanos e narns – Babylon 5

G'Kar, Londo e Sinclair

Um narn, um cantauri e um humano assistindo a um show multirracial de dançarinas

Na série de TV Babylon 5, essa curiosa relação se apresenta no personagem G’Kar, da raça narn, uma espécie humanoide que, apesar disso, não tem pelos e possui a pele amarronzada, com tons amendoados e, em algumas partes do corpo, pintas escuras, como as de um guepardo.

Embora tenham diferenças estéticas que para muitos poderiam significar uma incompatibilidade de desejos mútuos entre humanos e narns, G’Kar é fascinado pela beleza de mulheres humanas e centauri (estas são quase idênticas às humanas). Apesar de se tratar de um caso individual (não aparecem explicitamente outros narns com essa mesma tara), fica subjacente a ideia de que há aspectos da sexualidade humana que se repetem em todo lugar do universo.

Dançarinas do Palácio de Jabba

Dançarinas do Palácio de Jabba – Guerra nas Estrelas

Twi'leks fêmeas

Duas twi’leks cuidadndo de Sebulba antes de uma corrida de pods

Numa galáxia distante, há muito tempo atrás, diversas espécies de diversos mundos conviviam dentro ou fora da República Galáctica (ou do Império Galáctico, em outro momento histórico). Em Guerra nas Estrelas – Episódio VI: O Retorno de Jedi, um mafioso chamado Jabba o Hutt se divertia em seu palácio com dançarinas de várias raças (ele chegou até a capturar uma humana, a Princesa Leia). Todas elas têm em comum uma feminilidade semelhante à das mulheres humanas.

Mas o próprio Jabba se parece mais com uma gigantesca lesma obesa. Por que razão ele se interessaria naturalmente pelos encantos do corpo de uma fêmea tão diferente dos da espécie dele, só porque nós humanos consideramos esse tipo de beleza como obviamente agradável e excitante? Ademais, no universo de Guerra nas Estrelas, segundo o universo expandido, os hutts são hermafroditas. A não ser que isso se trate de uma perversão individual de Jabba, não há motivos para que esse tipo de preferência seja tão natural e tão universal.

Uma das espécies presentes no harém de Jabba se chama twi’lek (seu mordomo, Bib Fortuna, pertence a esta espécie), humanoides que possuem peles de várias cores (alguns indivíduos são brancos, outros verdes, azuis, vermelhos, entre outros) e dois grandes tentáculos pendendo da cabeça. Suas fêmeas sempre aparecem nos filmes da franquia como mulheres esguias e belas. No Episódio I: A Ameaça Fantasma, um personagem chamado Sebulba, cuja espécie se caracteriza por longos braços que servem de pernas, pernas curtas que servem como braços e uma cabeça que lembra uma lhama sem pêlos, também parece gostar das twi’leks.

Essa limitação que sofre a imaginação na criação de histórias de ficção científica só se justifica naquilo que as tramas de determinadas histórias pretendem contar. Quando se trata de uma história de caráter mais mítico e fantástico, como Guerra nas Estrelas, não há porque se preocupar tanto com a verossimilhança, pois o mais importante é o drama, os conflitos políticos e os aspectos arquetípicos que dizem respeito exclusivamente aos humanos que escrevem e que assistem a essas histórias.

Quando se tratam de obras mais voltadas para a verdadeira ficção científica, como Jornada nas Estrelas e Babylon 5, essa representação do corpo feminino se justifica quando as histórias sobre espécies alienígenas são alegorias das relação humanas em sua própria diversidade, ou seja, entreveem-se as infinitas possibilidades de inter-relações entre quaisquer indivíduos de nossa espécie. Porém, quando é preciso, esses contos extrapolam os limites humanos e conseguem perceber que o mais verossímil é que cada espécie tenha suas próprias preferências em relação à estética do corpo, o que pode implicar que mesmo a mulher humana convencionada como a mais bela da Terra seja equivalente a um monstro asqueroso para uma certa raça extraterrestre.

Por outro lado, pode-se usar a ficção científica como um meio de imaginar uma utopia em que os indivíduos das mais variadas espécies enxergarem além das convenções de beleza e sexualidade em que vivem e conceberem a troca afetiva e sexual com as pessoas que amam e não com os corpos que agradam seus sentidos animais.

Imagem de destaque:

Imagens

Dia da Toalha

Padrão

25 de maio foi comemorado o Dia da Toalha, em memória de Douglas Adams. Em sua “trilogia de 5 livros” O Guia do Mochileiro das Galáxias, a toalha é apresentada como o item mais útil para um viajante interestelar. Duas semanas após a morte de Adams, seus fãs estabeleceram o Dia da Toalha, em que cada pessoa deve sair de casa com sua toalha, que pode vir a calhar em diversas situações cotidianas.

Essa data também é o dia da estreia de Guerra nas Estrelas, em 1977. Como muitos fãs das histórias de Guerra nas Estrelas e da obra de Adams são nerds, resolveram transformar esta data também no Dia do Orgulho Nerd, ou Dia del Orgullo Friki, comemorado pela primeira vez em Madrid, Espanha, em 2006.

Tudo isso é parte de uma onda contemporânea de assunção de uma certa identidade nerd. É interessante ver essas diversas manifestações culturais surgirem como que do nada, celebrando alguns ícones que já se tornaram parte de nossas mitologias modernas, alguns mais populares (como Guerra nas Estrelas e seus jedis) e outras nem tanto (mas com um fiel público específico, como é o caso de O Guia do Mochileiro das Galáxias e sua desconcertante resposta para “a vida, o universo e tudo mais”: 42).

A toalha

Eis o que há de tão extraordinário nas toalhas, segundo Douglas Adams:

O Guia do Mochileiro das Galáxias faz algumas afirmações a respeito das toalhas.

Segundo ele, a toalha é um dos objetos mais úteis para um mochileiro interestelar. Em parte devido ao seu valor prático: você pode usar a toalha como agasalho quando atravessar as frias luas de Beta de Jagla; pode deitar-se sobre ela nas reluzentes praias de areia marmórea de Santragino V, respirando os inebriantes vapores marítimos; você pode dormir debaixo dela sob as estrelas que brilham avermelhadas no mundo desértico de Kakrafoon; pode usá-la como vela para descer numa minijangada as águas lentas e pesadas do rio Moth; pode umedecê-la e utilizá-la para lutar em um combate corpo a corpo; enrolá-la em torno da cabeça para proteger-se de emanações tóxicas ou para evitar o olhar da Terrível Besta Voraz de Traal (um animal estonteantemente burro, que acha que, se você não pode vê-lo, ele também não pode ver você – estúpido feito uma anta, mas muito, muito voraz); você pode agitar a toalha em situações de emergência para pedir socorro; e naturalmente pode usá-la para enxugar-se com ela se ainda estiver razoavelmente limpa.

Porém o mais importante é o imenso valor psicológico da toalha. Por algum motivo, quando um estrito (isto é, um não-mochileiro) descobre que um mochileiro tem uma toalha, ele automaticamente conclui que ele tem também escova de dentes, esponja, sabonete, lata de biscoitos, garrafinha de aguardente, bússola, mapa, barbante, repelente, capa de chuva, traje espacial, etc., etc. Além disso, o estrito terá prazer em emprestar ao mochileiro qualquer um desses objetos, ou muitos outros, que o mochileiro por acaso tenha “acidentalmente perdido”. O que o estrito vai pensar é que, se um sujeito é capaz de rodar por toda a galáxia, acampar, pedir carona, lutar contra terríveis obstáculos, dar a volta por cima e ainda assim saber onde está a sua toalha, esse sujeito claramente merece respeito.

Daí a expressão que entrou na gíria dos mochileiros, exemplificada na seguinte frase: “Vem cá, você sancha esse cara dupal, o Ford Prefect? Taí um mingo que sabe onde guarda a toalha.” (Sancha: conhecer, estar ciente de, encontrar, ter relações sexuais com; dupal: cara muito incrível; mingo: cara realmente muito incrível.)

De fato, os viajantes profissionais que perambulam na própria superfície terrestre costumam ter uma toalha a tiracolo, que serve para muitas coisas (dependendo também do tamanho dela). Se pensarmos bem, há tanta coisa que se pode fazer com uma toalha, um verdadeiro quebra-galho, que pode ser considerada uma das grandes invenções da humanidade.

As viagens interplanetárias de Arthur Dent e Ford Prefect, protagonistas da série de Adams, representam todas as odisseias em que nos jogamos, todas as grandes aventuras, buscas e missões de cada ser humano e da humanidade como um todo. Se houver algo mais para se fazer nesse tal de Dia da Toalha que não seja ficar exibindo um pedaço de pano por aí, que seja para pensarmos sobre nossa infinita busca por conhecimento e experiências.

E levar essa reflexão para todos os nossos dias, saindo pelo mundo a conhecê-lo e criando uma existência plena e significativa.

Links

Estereótipos étnicos em Star Wars

Padrão

Há muito tempo, numa galáxia muito, muito distante, teve lugar uma aventura espacial, épica e mítica. Essa aventura nos diverte, a nós humanos terráqueos, na Via Láctea dos dias de hoje. Não é à toa, pois a narrativa de Star Wars (Guerra nas Estrelas) tem vários personagens arquetípicos e é construída segundo a mesma fórmula das narrativas míticas antigas.

Porém, além de nos fisgar pela emoção de uma luta épica contra um império do mal, pela autodescoberta do protagonista e pelo conflito edipiano subjacente a tudo isso, Star Wars também apela para pré-noções, ou melhor, preconceitos, menos nobres, sub-reptícia e talvez não intencionalmente retratados em alguns dos personagens marcantes da saga.

Continue lendo