Alienígenas em Star Wars

Padrão

As histórias de Jornada nas Estrelas (Star Trek) trazem muitas reflexões a respeito da tecnologia, do impacto de seu desenvolvimento sobre a humanidade, e principalmente aborda uma série de problemas relacionados às relações sociais, ao intercâmbio cultural e entre espécies e explora bem os temas do contato e da diplomacia.

Porém, quando olhamos para as dezenas de espécies que povoam a Via Láctea de Star Trek, quase todas são humanoides, ou seja, são baseadas em nossa própria concepção terráquea e humana daquilo que se concebe como seres inteligentes, pessoas ou indivíduos sencientes. Raramente vemos espécies inteligentes não-humanoides e dificilmente se encontram alienígenas não-sencientes que não sejam inspirados nas espécies não-humanas da própria Terra. Assim, sempre ouvimos algum personagem se referindo aos “morcegos do planeta X”, aos “felinos do planeta Y” ou às “aves do planeta Z”.

Se, por um lado, Star Trek tem uma abordagem mais séria e crítica sobre seus temas principais, estando mais ligado à Ficção Científica, por outro lado a série peca quando não extrapola as possibilidades da vida no Universo.

Por isso, é interessante ver que em Guerra nas Estrelas (Star Wars), muito mais dentro de uma Fantasia Científica ou de uma Ficção Fantástica, sem se preocupar com explicar as tecnologias presentes naquela galáxia distante nem a anatomia escalafobética das centenas de espécies inteligentes não-humanas (e até as não-inteligentes) que pululam na maior parte das cenas de seus seis filmes, consegue trazer exemplos muito mais estranhos e fora dos padrões humano-terráqueos. Assim, embora as histórias de Star Wars não busquem explicar como funcionam as biologias dessa miríade de espécies, estas podem nos trazer reflexões sobre as possibilidades anatômicas, fisiológicas e morfológicas dos seres vivos no Cosmos.

Enquanto seja comum na Ficção Científica em geral a concepção de espécies não-humanas sencientes muito semelhantes aos primatas ou, no máximo, aos mamíferos, em Star Wars vemos facilmente espécies que se parecem com lagartos,  insetos, aracnídeos, lesmas, peixes e outras coisas extraordinárias e inusitadas, misturando características conhecidas na Terra ou as extrapolando completamente. Não existe aí uma superpreocupação em adequar os seres inteligentes não-humanos às formas e proporções humanas, como os traços e elementos que formam o rosto (a própria presença de um “rosto” humanoide não é imprescindível) ou a morfologia cabeça/tronco/(4) membros (2 pernas e 2 braços).

Se por um lado isso se deve ao caráter fantástico da franquia, que concebe os personagens através da imaginação sem rédeas, resulta daí um conjunto de possibilidades mais interessante do ponto de vista de uma ficção científica especulativa a respeito da vida inteligente no universo. É claro que entre tantas espécies diferentes há muitas que são humanoides e explicitamente baseadas no ser humano, mudando apenas uma cor de pele ou de cabelo, uma protuberância aqui e ali na cabeça ou um formato extravagante dos traços faciais (um belo exemplo são os kaminoanos, cujo corpo é praticamente humano, extremamente alongado, com pescoço muito comprido e o rosto bem exótico, mas cujo modelo é facilmente identificável como o humano). Mas todo o conjunto traz mais contribuições para este tipo de discussão do que muitos outros universos fictícios.

chewbacca-ewoks

Ackbar_HS

Almirante Ackbar (mon calamari)

Mesmo algumas espécies humanoides fogem desse padrão quase-humano. O “rosto” dos wookies (espécie à qual pertence Chewbacca), por exemplo, possui outra conformação, com um focinho canídeo, ausência de orelhas visíveis e olhos pequenos. Além disso, são bem mais altos do que a média humana. Os ewoks, da lua de Endor, também são diferentes, com um “rosto” bem diverso do humano e orelhas no alto da cabeça, além do fato de terem estatura bem mais baixa do que os humanos médios.

As formas destes rostos e cabeças podem advir de um hábitat específico, talvez mais selvagem do que o de outras paragens, e as orelhas no topo da cabeça, por exemplo, podem servir para facilitar a detecção de predadores. Porém, estes exemplos ainda estão bem próximos dos mamíferos humanoides, e há outros ainda mais surpreendentes.

O almirante Ackbar também pertence a uma espécie (conhecida como mon calamari no universo expandido) que, embora tenha a clássica forma cabeça/tronco/membros quase humanoide, possui uma cabeça/rosto sem paralelos com o padrão humano (grandes olhos saltados para os lados, boca muito larga e ausência de orelhas e nariz). Sua face lembra uma mistura de peixe e crustáceo. Além disso, suas mãos são grandes e parecem uma mistura de barbatanas com patas de caranguejos no lugar dos dedos.

É interessante notar que, no primeiro filme da série (Episódio IV), a maioria dos personagens são humanos e grande parte dos alienígenas que aparecem são bandidos, “escória e vilania” de Mos Eisley, como define Ben Kenobi (à exceção notável de Chewbacca). De forma geral, nas histórias de fantasia, é muito comum que as raças aliadas dos protagonistas sejam parecidas com humanos e o grau de maldade de um personagem ou raça seja medido por uma aparência menos humana (um exemplo clássico são os orcs de O Senhor dos Anéis). Mas Ackbar, presente no terceiro filme da série (Episódio VI), é uma  bem-vinda exceção, colocando no papel de grande herói um alienígena que em outros contextos poderia ser considerado monstruoso.

Um geonosiano

Um geonosiano

Já os geonosianos, que assumem papel de antagonistas no Episódio II, são ainda mais alienígenas. Seu corpo é muito mais parecido com o de artrópodes (mais especificamente insetos) bípedes, inclusive dotados de exoesqueleto e asas como as de libélulas ou moscas. Diferente dos humanoides descritos acima, a forma como essa espécie fictícia foi concebida não permite que seja interpretada por um ator real fantasiado, e todos os geonosianos do filme são virtuais (gerados por computação gráfica). Esses insetos mostram uma extrapolação possível de uma forma de vida inteligente, com algumas das mesmas características físicas humanas, evoluída de outro filo animal.

Outro aspecto notável dessa espécie, que não tem a ver diretamente com sua morfologia (mas talvez o tenha indiretamente), é seu idioma, cuja fala é composta de vários fonemas ausentes das línguas humanas, produzidos pela garganta estridente e pela oclusão dos “lábios” de queratina dura. Mas sobre os idiomas em Star Wars eu discorrerei em outro artigo.

Essa espécie possui ainda outra característica interessante, que á um crânio muito pequeno para abrigar um cérebro de proporções como as dos humanos. Tendo em vista que os geonosianos têm inteligência semelhante à humana (ou não seriam capazes de constituir uma civilização), podemos especular que a inteligência pode se apresentar sem a necessidade de um sistema nervoso igual ao humano (embora seja difícil aqui arriscar alguma teoria, mesmo admitindo que a complexidade da biologia muitas vezes pode nos surpreender).

Essa característica pode ser encontrada em outras espécies do universo de Star Wars:

ortolantoydarianduggungan

  • Os ortolanos parecem pequenos elefantes bípedes azuis. Seu “rosto” é quase totalmente uma protuberância para baixo (como que uma tromba), com dois pequenos olhos negros e redondos no alto da cabeça e longas orelhas pendendo dos lados desta.
  • Toydarianos são baixinhos, alados e seus narizes parecem com os de antas. Um indivíduo notável desta espécie é Watto, que aparece nos Episódios I e II. Ele surpreende por ser tão pequeno e delgado e mesmo assim possuir inteligência (além de muita astúcia).
  • Os dugs não só têm o crânio pequeno como possuem uma das mais intrigantes morfologias da série de 6 filmes. Seus braços e pernas são “trocados”, ou seja, é como se em sua evolução as pernas tivessem se atrofiado (com a transformação dos pés em mãos) e os braços se superdesenvolvido (com as mãos tornadas pés). Sebulba, o piloto que desafia Anakin Skywalker no Episódio I, pertence a esta espécie.
  • Os gungans, tão detestados por parte dos fãs de Star Wars, especialmente na figura atrapalhada de Jar Jar Binks, praticamente não têm encéfalo comparável ao de um primata, mas foram capazes de construir grandes cidades no fundo do mar. A anatomia de suas cabeças é bem diversa da humana e a proporção do corpo são diferentes, com braços e pernas longos e tronco curto.

Um ithoriano

Também merece menção a raça dos ithorianos, conhecidos como cabeças-de-martelo, que aparecem como figurantes nos filmes mas têm um papel importante na série animada A Guerra dos Clones, na figura de um cavaleiro jedi. O mais impressionante nesta espécie é sua cabeça, cuja forma e anatomia extrapolam muito mais o modelo humanoide do que as outras vistas até aqui.

Ela não tem um pescoço cilíndrico sustentando uma caixa craniana, pois na verdade a cabeça e o pescoço formam uma só estrutura. Não dá para inferir onde se localizaria seu cérebro (se é que o tem), e seus olhos ficam na extremidade da protuberância que seria seu “rosto” (lembrando um tubarão-martelo). Mas seu traço distintivo mais marcante é o fato de possuir duas “bocas”, uma de cada lado da cabeça, algo que talvez não tenha nenhum precedente na fauna terrestre.

Também os hutts, espécie a que pertence Jabba, um dos vilões do Episódio VI, trazem contribuições para essa discussão. Eles não possuem membros inferiores, no lugar dos quais têm uma cauda roliça que é o prolongamento do tronco e sob a qual se arrastam quando se locomovem. O rosto é uma versão larga e achatada de um semblante humano, e os braços são curtos em proporção ao corpo. Os hutts nos levam a especular sobre a real necessidade do bipedismo para o desenvolvimento da inteligência.

Por mais que tentemos, sempre recorreremos ao mundo conhecido para fazer colagens. É a partir da natureza terrestre que os humanos extrapolam as possibilidades biológicas do universo. Mas esse é não somente um exercício mental interessante como também o início de uma reflexão mais complexa sobre a diversidade. De qualquer forma, esse exercício nos permite, mais do que a mera metáfora das relações humanas, dos choques culturais e da diplomacia, especular sobre dificuldades e desafios na comunicação e interação de espécies inteligentes realmente alienígenas entre si.

Links e fontes das imagens

Sexualidade alienígena – parte 3

Padrão

O corpo da mulher, como disse no texto anterior, é representado em nossa cultura como o corpo afrodisíaco, capaz de excitar sexualmente (quando tem uma forma enquadrada no modelo de beleza vigente) qualquer ser humano. Essa noção faz parte de um conjunto de representações androcêntricas (que têm o humano macho como protagonista e sujeito) que veem a fêmea como coadjuvante e objeto.

A noção de uma capacidade natural e universal de excitar os sentidos é levada aos mundos da ficção científica e do fantástico, e os moldes do corpo feminino como o conhecemos (o da fêmea do Homo sapiens) é muitas vezes transportado para o corpo de seres alienígenas, e as mesmas características consideradas sensuais e belas na mulher humana aparecem nas mulheres extraterrestres. Não só as humanas são objeto de desejo de alienígenas, mas as alienígenas consideradas belas são aquelas que têm o corpo parecido com o humano.

Não é à toa, pois toda a ficção científica elaborada por seres humanos é feita pelo ponto de vista dos humanos. A beleza feminina e, em alguns casos, a masculina são os moldes para a criação de personagens sedutores de outras espécies.

Temos que considerar também que, para efeitos narrativos e de ambientação, sejam em séries de TV como Jornada nas Estrelas, sejam em filmes como Guerra nas Estrelas, usar modelos humanos para os alienígenas provoca um apelo maior no público humano. Ao ver uma dançarina de pele verde que tem tudo o que uma bela mulher terráquea tem em termos de formas do corpo, o espectador entende que ela é indubitavelmente considerada bela por todos os personagens daquela história, sejam de que espécie forem.

Mas, em termos de ficção científica, essa limitação dificulta explorar de maneira mais interessante a possível diversidade de espécies inteligentes no universo, que pode incluir, por exemplo, espécies hermafroditas (neste caso, não fariam sentido corpo e prática da sedução sexual), espécies em que os papéis do macho e da fêmea são invertidos e, quem sabe, espécies que possuem três sexos ao invés de dois.

No entanto, a diversidade na ficção científica, e chama a atenção especialmente o caso de Jornada nas Estrelas, é normalmente utilizada como metáfora da diversidade humana. As diferentes espécies se relacionam quase livremente entre si, e aparecem inúmeras relações inter-raciais, intercruzamentos e, não raro, indivíduos híbridos resultantes desses cruzamentos (como discorri na primeira parte deste ensaio).

Kamala e Picard

Uma fêmea perfeita capaz de agradar a qualquer macho da galáxia – Jornada nas Estrelas: A Nova Geração

Dessa forma, a beleza e os atributos sedutores femininos aparecem quase como universais, ou seja, uma fêmea bela não o é somente para sua própria espécie, mas para qualquer outra. Existe assim um modelo único de beleza para todos os seres da galáxia (ou ao menos para os habitantes do Quadrante Alfa da Via-Láctea).

A personagem Kamala, do episódio O Par Perfeito, da série Jornada nas Estrelas: A Nova Geração, pertence a uma espécie metamorfa que, sendo fêmea em sua cultura, é treinada desde criança para ser a companheira perfeita do homem com quem se casará. Ela assume uma forma idêntica à de uma mulher humana, pois seu pretendente pertence a uma espécie com aparência igual à humana (muitas espécies no universo de Jornada nas Estrelas são estritamente humanoides, ou seja, não possuem nenhuma diferença física em relação aos humanos). Mesmo tendo aparência humana, ela consegue despertar o desejo de todos os machos presentes na nave estelar Enterprise, sejam humanos, klingons ou ferengi.

Garota escrava de Órion

Garota escrava de Órion – Jornada nas Estrelas

Há uma raça habitante da constelação de Órion que é mais conhecida por suas fêmeas, normalmente chamadas de garotas escravas de Órion (Orion slave girls) ou mulheres animais de Órion (Orion animal women). Só se diferenciam das mulheres humanas por terem uma pigmentação verde na pele, e são especialistas em seduzir os machos provenientes de qualquer planeta. Elas corroboram a ideia de que existe um modelo universal de fêmea e das características sedutoras do sexo feminino.

Adira Tyree

Adira Tyree, uma dançarina centauri que, além de agradar os machos de sua espécie, é apreciada por humanos e narns – Babylon 5

G'Kar, Londo e Sinclair

Um narn, um cantauri e um humano assistindo a um show multirracial de dançarinas

Na série de TV Babylon 5, essa curiosa relação se apresenta no personagem G’Kar, da raça narn, uma espécie humanoide que, apesar disso, não tem pelos e possui a pele amarronzada, com tons amendoados e, em algumas partes do corpo, pintas escuras, como as de um guepardo.

Embora tenham diferenças estéticas que para muitos poderiam significar uma incompatibilidade de desejos mútuos entre humanos e narns, G’Kar é fascinado pela beleza de mulheres humanas e centauri (estas são quase idênticas às humanas). Apesar de se tratar de um caso individual (não aparecem explicitamente outros narns com essa mesma tara), fica subjacente a ideia de que há aspectos da sexualidade humana que se repetem em todo lugar do universo.

Dançarinas do Palácio de Jabba

Dançarinas do Palácio de Jabba – Guerra nas Estrelas

Twi'leks fêmeas

Duas twi’leks cuidadndo de Sebulba antes de uma corrida de pods

Numa galáxia distante, há muito tempo atrás, diversas espécies de diversos mundos conviviam dentro ou fora da República Galáctica (ou do Império Galáctico, em outro momento histórico). Em Guerra nas Estrelas – Episódio VI: O Retorno de Jedi, um mafioso chamado Jabba o Hutt se divertia em seu palácio com dançarinas de várias raças (ele chegou até a capturar uma humana, a Princesa Leia). Todas elas têm em comum uma feminilidade semelhante à das mulheres humanas.

Mas o próprio Jabba se parece mais com uma gigantesca lesma obesa. Por que razão ele se interessaria naturalmente pelos encantos do corpo de uma fêmea tão diferente dos da espécie dele, só porque nós humanos consideramos esse tipo de beleza como obviamente agradável e excitante? Ademais, no universo de Guerra nas Estrelas, segundo o universo expandido, os hutts são hermafroditas. A não ser que isso se trate de uma perversão individual de Jabba, não há motivos para que esse tipo de preferência seja tão natural e tão universal.

Uma das espécies presentes no harém de Jabba se chama twi’lek (seu mordomo, Bib Fortuna, pertence a esta espécie), humanoides que possuem peles de várias cores (alguns indivíduos são brancos, outros verdes, azuis, vermelhos, entre outros) e dois grandes tentáculos pendendo da cabeça. Suas fêmeas sempre aparecem nos filmes da franquia como mulheres esguias e belas. No Episódio I: A Ameaça Fantasma, um personagem chamado Sebulba, cuja espécie se caracteriza por longos braços que servem de pernas, pernas curtas que servem como braços e uma cabeça que lembra uma lhama sem pêlos, também parece gostar das twi’leks.

Essa limitação que sofre a imaginação na criação de histórias de ficção científica só se justifica naquilo que as tramas de determinadas histórias pretendem contar. Quando se trata de uma história de caráter mais mítico e fantástico, como Guerra nas Estrelas, não há porque se preocupar tanto com a verossimilhança, pois o mais importante é o drama, os conflitos políticos e os aspectos arquetípicos que dizem respeito exclusivamente aos humanos que escrevem e que assistem a essas histórias.

Quando se tratam de obras mais voltadas para a verdadeira ficção científica, como Jornada nas Estrelas e Babylon 5, essa representação do corpo feminino se justifica quando as histórias sobre espécies alienígenas são alegorias das relação humanas em sua própria diversidade, ou seja, entreveem-se as infinitas possibilidades de inter-relações entre quaisquer indivíduos de nossa espécie. Porém, quando é preciso, esses contos extrapolam os limites humanos e conseguem perceber que o mais verossímil é que cada espécie tenha suas próprias preferências em relação à estética do corpo, o que pode implicar que mesmo a mulher humana convencionada como a mais bela da Terra seja equivalente a um monstro asqueroso para uma certa raça extraterrestre.

Por outro lado, pode-se usar a ficção científica como um meio de imaginar uma utopia em que os indivíduos das mais variadas espécies enxergarem além das convenções de beleza e sexualidade em que vivem e conceberem a troca afetiva e sexual com as pessoas que amam e não com os corpos que agradam seus sentidos animais.

Imagem de destaque:

Imagens