Releituras afrofuturistas da Ficção Científica

Padrão

Ytasha L Womack e seu livro “Afrofuturism”.

O Afrofuturismo é um conjunto de manifestações culturais que mistura elementos da cultura negra (ou daquilo que é representado como cultura negra, de matriz africana ou afrodescendente) com aspectos da cultura pop que dizem respeito a noções de futuro e progresso tecnológico, notadamente as ideias da ficção científica futurista, e envolve literatura, música, estética e moda, artes visuais, cinema e televisão. Acima de tudo, o Afrofuturismo é uma filosofia, uma forma de revisar o modo como os negros veem a si mesmos na mídia, valorizando elementos culturais do passado e do presente e construindo uma visão de futuro com base em seus próprios anseios e não nos tradicionais estereótipos racistas (e também de identidade de gênero e sexualidade).

O livro Afrofuturism: The World of Black Sci Fi and Fantasy Culture, da escritora norte-americana Ytasha L. Womack, apresenta um panorama das diversas vertentes do Afrofuturismo, seus diversos artistas e pensadores. O que mais me interessou no livro foram as diversas referências a temas da Ficção Científica (literatura, cinema e televisão) e como eles são reconstruídos na perspectiva da experiência negra no Ocidente e também na África. Há não apenas uma forma alternativa de ver a ficção científica clássica, mas uma produção de literatura negra que remonta a W. E. B. Du Bois e tem em Octavia Butler uma de suas principais referências.

Há algum tempo venho me interessando por essa parte ainda marginalizada da Ficção Científica, da qual aos poucos estou me inteirando. Mas ainda não li muita coisa da produção afrofuturista propriamente dita. No entanto, na apropriação desse gênero literário pelos negros, uma vez que o Afrofuturismo abrange também uma forma alternativa de interpretar a produção eurocêntrica mais consagrada, é muito interessante a forma pela qual ele ressignifica temas clássicos como a abdução alienígena e a inteligência artificial, usados como metáforas para a história dos africanos e seus descendentes no Atlântico Negro.

Naves e abduções alienígenas

Ilustração de Henrique Alves Corrêa para a edição francesa de 1906 de "A Guerra dos Mundos"

Invasores alienígenas na ilustração de Henrique Alves Corrêa para a edição francesa de 1906 de “A Guerra dos Mundos”

A diáspora negra resultante do comércio de escravos africanos por europeus pode ser colocada nestes exatos termos:

Alienígenas chegaram em naves e abduziram pessoas.

Com essas palavras, é impossível não pensar numa história de ficção científica sobre seres extraterrestres que chegam à Terra em espaçonaves e raptam seres humanos. Mas se explorarmos outros sentidos dos termos da expressão acima destacada, podemos pensar no significado próprio de alienígena como “estrangeiro”, nave como “embarcação” (navio) e abdução como “captura”.

Os autores Mark Dery, Mark Sinker e Reynaldo Anderson, citados por Womack, escreveram sobre essa pungente metáfora. Assim, se por um lado as histórias de invasão e abdução extraterrestres representam o medo europeu e norte-americano de sofrer na pele o mesmo processo de dominação colonial que esses povos empreenderam e ainda empreendem, elas falam sobre a história real daqueles que sofreram e sofrem essa mesma dominação, em especial os africanos.

Mas a abdução é apenas uma parte desse processo de contato com alienígenas. Os contos sobre invasão de grandes naves espaciais prontas para subjugar e, em alguns casos, exterminar a humanidade são exatamente uma representação do que os “conquistadores” fizeram em suas viagens de “descoberta”. Os enredos de A Guerra dos Mundos, de H. G. Wells, de Independece Day e o histriônico Marte Ataca! são ótimas analogias da invasão, escravização e dominação dos africanos pelos europeus imperialistas.

Distopias pós-apocalípticas

O apocalipse zumbi de "The Walking Dead", ilustrado por Charlie Adlard

O apocalipse zumbi de “The Walking Dead”, ilustrado por Charlie Adlard

Se continuarmos a sequência dessa história e falarmos sobre a diáspora negra, o pesadelo dos africanos e seus descendentes, tanto na África colonizada quanto nos países para os quais foram levados em navios negreiros, a desolação de viver subjugados a alienígenas de cara pálida num mundo desagregado, podemos extrapolar a interpretação das histórias distópicas de teor pós-apocalíptico.

Estas histórias retratam uma humanidade vivendo à beira de um colapso, geralmente ameaçada por seres perigosos, como robôs, monstros, zumbis ou ditaduras totalitárias. 1984, de George Orwell, com sua metáfora da bota militar esmagando um rosto, é a síntese perfeita da opressão absoluta de uma classe sobre uma minoria social (mesmo que esta seja maioria em quantidade), o que é visto nos regimes de apartheid e nas nações escravocratas.

A alegoria do apocalipse zumbi também pode ter repercussões imagéticas interessantes na descrição da vida dos escravos vivendo entre seres que são semelhantes a eles (como o são os mortos-vivos) mas que carregam diferenças consideradas inconciliáveis. Zumbis se assemelham a vampiros em sua natureza parasítica, sempre em busca dos cérebros ou do sangue dos vivos, e é como parasitas vampíricos que podem ser vistos os senhores de escravos, explorando a energia dos cativos. Além disso, a metáfora encontrada na série de quadrinhos Os Mortos-Vivos (The Walking Dead), que foi adaptada para a TV, também é muito pertinente, pois nessa história os “mortos caminhantes” não são os zumbis, mas os próprios sobreviventes que estão à beira da morte. Os escravos negros também eram mortos-vivos neste sentido, pois suas vidas estavam à mercê dos implacáveis senhores, não eram donos de suas vidas, sempre à beira da morte ou, em certo sentido, mortos em vida.

Robôs

Data, o androide em busca de sua humanidade em Star Trek

Data, o androide em busca de sua humanidade em Star Trek

As histórias sobre robôs trazem diversos temas antropológicos interessantes. Um deles está ligado diretamente à etimologia da palavra robô, que pode ser entendida como sinônimo de “escravo”.

As máquinas que servem como substitutos do trabalho humano são entendidas por seus criadores e usuários como autômatos desprovidos de vontade própria, utensílios sem alma que apenas se assemelham vagamente a seres humanos. Essa forma de ver os robôs resume o que era a ideologia defendida para justificar a subjugação de seres humanos escravizados, representando-os como indivíduos dotados de menos humanidade que seus escravizadores, máquinas de carne negra sem alma.

O estigma que atrela a noção de escravo à de pessoa negra é tão forte hoje em dia que temos dificuldade de pensar em escravidão que não envolva pessoas negras. A escravidão existiu em toda parte ao redor do mundo, e povos de várias origens étnicas e diversos matizes já se encontraram sob o jugo da servidão forçada. Mas as consequências sócio-culturais dessa forma de trabalho não são tão sentidas na contemporaneidade quanto pelos negros descendentes de africanos, ainda tentando, em diversos contextos, provar seu status de humanos pensantes, do mesmo modo que robôs como Johnny 5 (Um Robô em Curto-circuito), Andrew (O Homem Bicentenário) e Data (Star Trek) tentam.

Essa metáfora que compara os afrodescendentes a androides foi explorada pela musicista Janelle Monáe em sua obra. A sinfonia The ArchAndroid, uma ficção científica em forma de música, conta sobre a profetizada vinda de uma Arquiandroide que libertará todos os androides.

Fábulas com robôs que querem ser humanos são excelentes metáforas do processo de humanização dos indivíduos de nossa espécie: estamos o tempo todo nos esforçando para nos aproximar de um ideal de humanidade, condicionado pela cultura em que vivemos. Minorias discriminadas, seja por racismo, sexismo ou outras normatividades, se vêem numa luta ainda mais hercúlea. Aliadas a isso, as fantasias de revolta contra os opressores e de tomada do poder encontram nas histórias com robôs um interessante paralelo. A revolta das máquinas em Matrix e O Exterminador do Futuro é uma alegoria do levante de escravos contra os portadores do látego. O Quilombo dos Palmares é uma sociedade de robôs libertos que provaram sua humanidade.

Hibridismos

O xenomorfo híbrido em “Alien: O Oitavo Passageiro”

Um tema da Ficção Científica que se relaciona com nossa dificuldade de lidar com sentimentos racistas é o hibridismo, seja entre duas ou mais espécies orgânicas, seja entre ser vivo e máquina. O exemplo mais clássico do parasita alienígena do cinema talvez seja a franquia Alien, onde a contaminação de seres humanos (e de outros animais) pelos xenomorfos produz criaturas que são amálgamas monstruosos, belos e mortais.

A história começa com a chegada de exploradores numa terra estranha e seu contato com uma espécie nativa, da qual resulta um ser mestiço, o “alien”. Esta criatura surge do estupro de um dos tripulantes, um homem branco, por parte da criatura feminina que eclode de um ovo e que pode ser vista como uma reminiscência simbólica de uma mulher africana. Há portanto a inversão da relação da violência sexual. Porém, tendo em vista a representação, por parte do colonizador, dessa relação como prejudicial a este – inclusive com a ideia de contaminação de DSTs supostamente originárias da África -, a metáfora invertida cumpre seu papel de remontar ao processo de exploração do continente africano e da consequente “contaminação” da cultura e biologia europeias pelas africanas. De acordo com Célia Magalhães, no livro Os Monstros e a Questão Racial na Narrativa Modernista Brasileira, a alegoria do parasitismo pode ser uma referência à mestiçagem colonial, em que os elementos culturais dos dominados são vistos como indesejados pelos defensores de uma idealizada pureza da cultura dominante.

O ser estranho que assim surge, mesmo tendo metade do DNA do conquistador, é visto como totalmente alienígena. E bastante emblemático que o xenomorfo tenha a cor negra e é bastante interessante o fato de, no primeiro filme da franquia, ele ser interpretado por um ator africano, escolhido justamente pelo exotismo de seu corpo. A parcela africana da herança das culturas ocidentais é ainda hoje vista como algo exótico e não propriamente normal, e ainda existem pessoas e grupos que defendem a extirpação dessa herança, como se o elemento negro de nossa cultura e de nossa população fosse uma monstruosidade incômoda. Nosso racismo velado ainda percebe a presença negra como um elemento intruso em nossa sociedade, ainda sentido como alienígena e passível de ocultamento ou até mesmo extirpação.

Embora um pouco diferente, o hibridismo cibernético também se presta à mesma alegoria. Como vimos, os robôs podem ser vistos como metáforas da minoria escravizada e desumanizada. Quando a máquina é integrada ao humano, dando origem aos ciborgues, temos toda sorte de enredos admoestando-nos sobre os perigos dessa união, o medo de que a parte máquina tome conta da parte orgânica e até mesmo oprima seu livre-arbítrio. É o que acontece com o policial Alex Murphy em Robocop, que precisa lutar internamente para não deixar que a máquina sem alma assuma o controle de suas ações. Também é o drama do Dr. Octopus em Homem-Aranha 2, que perde quase totalmente sua vontade ao ser seduzido pela frieza ambiciosa do implante que colocou em si mesmo, e dos Borgs em Star Trek, cuja parte mecânica embota completamente a liberdade do ser orgânico animado.

Representatividade

Depois que uma obra é publicada, ela não pertence mais ao autor. Seus leitores se apropriam dela como bem entendem e lhe imprimem os significados que consideram mais pertinentes. Dessa forma, é muito importante que as obras clássicas tradicionalmente carregadas de eurocentrismo, androcentrismo e heteronormatividade sejam relidas pelo olhar das minorias pouco ou nada representadas nessas obras. Além de ser um meio de enriquecer o cânone com mais possibilidades de leitura, é uma forma de os leitores se constituírem como ativos construtores de significado, fomentando a criação de novas obras carregadas de mais representatividade, especialmente uma representatividade de autoras e autores.

As línguas em Star Trek

Padrão

Star Trek (Jornada nas Estrelas) sempre foi reconhecida como uma franquia de ficção científica que explora vários subtemas dentro do grande tema da diversidade humana (e extra-humana), seja étnico-racial (com suas limitações), seja de identidade de gênero ou, de forma mais alegórica do que explícita, de sexualidade. Porém, no que tange a diversidade linguística, Star Trek nunca foi muito a fundo, e só não vale a pena repreender seus criadores porque esse é um tema quase universalmente menosprezado e incompreendido.

Segundo o linguista brasileiro Marcos Bagno, os diversos tipos de preconceito, mesmo não tendo sido plenamente erradicados ainda, são quase todos temas de nossas preocupações hoje em dia, mas o preconceito linguístico é ainda ostensivamente ignorado e até menosprezado, considerado irrelevante. Tendo isso em mente, penso que vale a pena considerar a possibilidade de ampliar a representação da diversidade linguística na ficção científica e outras literaturas, não apenas de forma romantizada e idealizada (como a criação de línguas diferentes da “língua humana”, como o élfico e o klingon), mas com base na realidade linguística humana, com suas variações dentro de uma mesma língua, os preconceitos e hierarquizações, as transformações e sua lógica fonética e de uso circunstancial.

Além disso, seria extremamente pertinente extrapolar o tema para formas alienígenas de comunicação, explorando as possibilidades de manifestações não-humanas de fonética, sintaxe, léxico etc. Apesar de tudo, há sim coisas interessantes no âmbito da linguística fictícia em Star Trek, embora a maioria delas apareça de forma pontual em episódios específicos.

O mítico tradutor universal

Uma versão portátil do tradutor universal, no filme "Jornada nas Estrelas VI: A Terra Desconhecida"

Uma versão portátil do tradutor universal, no filme “Jornada nas Estrelas VI: A Terra Desconhecida”

A quase completa ausência de questões linguísticas na franquia é constatada pelo sempiterno uso do tradutor universal como recurso para explicar porque todos os personagens se comunicam sem entraves entre si, como se todos falassem inglês. Do ponto de vista da produção dos seriados e filmes, o tradutor universal é uma maneira simples de evitar os esforços no sentido de elaborar idiomas complexos, sendo mais fácil colocar todos os atores falando o mesmo idioma para que os espectadores não tenham dificuldade de compreender os diálogos.

Algumas versões portáteis do aparelho já apareceram nas séries e nos filmes, mas em geral se assume que ele está instalado nos circuitos internos das naves ou nos comunicadores, sejam os portáteis ou os embutidos nas insígnias do uniforme da Frota Estelar (ou, no caso dos ferengi, preso no interior de suas orelhas), permitindo que a tradução simultânea seja feita sem nenhum incômodo.

Mas do ponto de vista da ficção, essa maravilhosa ferramenta suscita questionamentos no âmbito da ciência Linguística, e podemos levantar questões a respeito de seu caráter enquanto elemento de ficção científica. Se tomarmos a discussão de Umberto Eco em Quase a Mesma Coisa: Experiências de Tradução, em que o erudito italiano fala de sua experiência como tradutor e autor traduzido, trazendo também as ideias de outros pensadores sobre a traduzibilidade dos idiomas entre si, vemos como é utópica a ideia de um aparelho que faça traduções automáticas, simultâneas e imediatas. Mesmo entre dois idiomas humanos, é necessário um lapso de tempo para que uma frase seja apropriadamente traduzida, pois a sentença precisa chegar até o fim e o contexto (altamente subjetivo) precisa ser compreendido pela inteligência artificial do tradutor.

Podemos imaginar que tal aparelho seja capaz de fazer um trabalho quase automático quando lida com duas línguas que ele já “conhece”, bem como as respectivas culturas dos povos que as falam, desde que tenha uma inteligência artificial capaz de identificar emoções e um banco de dados amplo e eficiente a ponto de entender qualquer contexto sem precisar “pensar” muito. Mas isso é muito improvável de acontecer quando duas espécies entram em contato pela primeira vez entre si. Uma das raríssimas vezes em que isso é retratado (e mesmo assim aparece como exceção) é no episódio “Santuário”, da segunda temporada de Deep Space Nine, no qual o tradutor universal demora várias horas para decodificar o idioma dos Skrreeanos, provenientes do Quadrante Gama, devido a existir uma grande diferença de estrutura entre seu idioma e a maioria das línguas do Quadrante Alfa.

Esse tipo de situação deveria ser muito mais comum e poderia render muitas histórias interessantes (veremos adiante um ótimo exemplo disso). Além disso, é bastante estranho que haja situações em que algumas espécies, principalmente os klingons, que misturam termos de sua língua (como saudações e xingamentos) com o inglês. O que acontece com o tradutor universal nessas horas? Ele simplesmente falha em momentos-chave ou possui algum obscuro critério para traduzir certos termos em detrimento de outros?

A meu ver, o tradutor universal raramente foi abordado sob uma perspectiva de hard sci-fi, pois seu funcionamento é simplesmente aceito sem explicações profundas de caráter científico (linguístico). Da maneira como é utilizado na franquia, tendo a vê-lo, no máximo, como um elemento de soft sci-fi, e no mínimo como algo mágico que poderia estar presente em histórias de Fantasia e ser explicado como dotado de caráter sobrenatural.

Uma língua extraterrestre, mas nem tanto

O idioma dos klingons foi a primeira língua não-humana a ser elaborada no universo de Star Trek. Na série clássica, todos os personagens falavam inglês (não havia barreiras para a comunicação, por causa do tradutor universal) e portanto não havia motivos para colocar em cena as peculiaridades de um idioma alienígena. Mas no primeiro longa metragem da franquia, Jornada nas Estrelas: O Filme, decidiram incluir uma cena muito rápida no início, em que apareciam klingons falando algumas frases improvisadas em seu idioma-natal.

Quando o terceiro filme, À Procura de Spock, estava sendo produzido, tendo como antagonista um general klingon, seu idioma começou a ser elaborado com um vocabulário e gramática completos para que, quando falado em qualquer outro contexto na televisão ou no cinema, não fosse apenas um punhado de fonemas aleatórios sem significado. É um idioma único, extremamente diferente da maioria das línguas humanas em sua sintaxe e sua fonética. Marc Okrand, o linguista que sistematizou esse idioma fictício, teve o cuidado de elaborá-lo como algo realmente alienígena. Fez combinações de fonemas muito incomuns em qualquer língua humana e estabeleceu a ordem dos elementos das orações segundo o esquema mais raro dos encontrados na Terra.

Porém, há dois pontos em que o klingon se mostra limitado nessa proposta (embora continue sendo uma das criações mais interessantes e complexas dos universos de sci-fi): 1) ele se utiliza apenas e tão-somente de fonemas humanos, sendo perfeitamente pronunciável por qualquer indivíduo humano suficientemente treinado (e que não tenha algum defeito no aparelho fonador); 02) seu vocabulário é quase exclusivamente uma tradução termo a termo de palavras inglesas, relação que não acontece entre dois idiomas humanos, sendo a tradução uma tarefa extremamente complicada (esta crítica lexicológica é apresentada pelo antropólogo-linguista David Samuels, no artigo “Alien Tongues”, que se encontra no livro E.T. Culture: Anthropology in Outerspaces).

“Darmok e Jalad em Tanagra”

O capitão tamariano Dathon e o Capitão Picard tentando encontrar uma forma de traduzir o idioma um do outro

O capitão tamariano Dathon e o Capitão Picard tentando encontrar uma forma de traduzir o idioma um do outro

O episódio “Darmok”, da série Jornada nas Estrelas: A Nova Geração, é um belíssimo exemplo de extrapolação de uma forma de comunicação quase impossível de ser decodificada pelo tradutor universal. Para que um não-tamariano consiga entender essa língua, precisa antes conhecer toda a cosmologia desse povo, ou escutará apenas um conjunto de metáforas descontextualizadas e sem sentido.

Cada uma das metáforas, que envolve algum personagem mitológico em uma determinada situação, conota uma atitude ou um sentimento. Por exemplo, quando um tamariano diz “Shaka, quando os muros caíram”, a referência ao personagem mítico Shaka diante da queda de determinada muralha significa pesar, desapontamento.

Esse episódio é muito bem analisado no artigo “De Shakespeare a Wittgenstein: ‘Darmok’ e a Alfabetização Cultural”, escrito por Paul Cantor, na coletânea Star Trek e a Filosofia: A Ira de Kant. Nesse artigo, o filósofo cita Wittgenstein, que afirmou que, “se um leão pudesse falar, não conseguiríamos entendê-lo”. Isso significa que a vida psicofisiológica de uma espécie alienígena, bem com0 sua história, cultura e sociedade, implicariam uma linguagem com estrutura muito diferente da estrutura linguística humana (se considerarmos as estruturas de que falam Saussure, Chomsky etc.). Assim, imagino que a situação enfrentada pelo Capitão Picard ao lutar para estabelecer comunicação com o Capitão Dathon deveria ser muito mais comum nas histórias de Star Trek, se a Linguística, enquanto ciência, fosse realmente levada a sério como componente de uma obra de ficção científica.

Se considerarmos a teoria de Edward Sapir e Benjamin Whorf (nenhuma relação com o klingon Worf), segundo a qual um idioma está intrinsecamente ligado à cultura do povo que o fala, o que nos leva a observar a diversidade linguística humana como reflexo de sua diversidade cultural, deveríamos esperar que as diferenças entre um idioma humano e uma língua extraterrestre fossem muito mais profundas e difíceis de transpor, e “Darmok” é uma rara pérola no universo de Star Trek.

Antes do tradutor universal

A série Jornada nas Estrelas: Enterprise, embora tenha sido a mais fraca da franquia  quanto à exploração de temas relativos à diversidade, trouxe alguns bons exemplos de como explorar a Linguística na ficção científica. Na época em que se passam as histórias do Capitão Archer, os humanos ainda estão desenvolvendo o tradutor universal, e enfrentam algumas dificuldades no contato com espécies “novas”. A xenolinguista Hoshi Sato precisa intervir em diversas situações para calibrar o tradutor, que ainda está longe de funcionar com desenvoltura.

Mas ainda se mantém a ideia de que qualquer língua no universo possui a mesma estrutura e é passível de ser traduzida com o uso de padrões. A própria Hoshi explica que sua facilidade de aprender línguas alienígenas se baseia no reconhecimento desses padrões. Num nível extrapolado, isso poderia acontecer com uma linguista em âmbito terrestre, humano, traduzindo idiomas terrestres, mas é provável que entre espécies alienígenas aparecessem problemas como os que exemplificou “Darmok”.

No entanto, entre os xindi, principais antagonistas na terceira temporada de Enterprise, há duas espécies que se comunicam em idiomas foneticamente alienígenas, os insectoides e os aquáticos. É interessante ver situações em que o tradutor universal não funciona sozinho em diálogos entre humanos e insectoides, sendo necessária a constante intervenção da especialista humana para a decodificação. Nas mesmas cenas, os xindi humanoides conversam normalmente em “inglês”, como se o tradutor universal não tivesse a mesma dificuldade. São circunstâncias interessantes, pois apesar da impossibilidade de se pronunciar os fonemas da espécie alienígena, tanto insectoides quanto humanoides e aquáticos compreendem as respectivas línguas uns dos outros.

Mas é compreensível que questões linguísticas sejam abordadas superficialmente em Star Trek, assim como na maioria das narrativas de ficção (científica ou não). A própria Linguística (e suas sub-disciplinas, especialmente a Sociolinguística) ainda é incompreendida enquanto ciência e um tanto ignorada quando o tema da linguagem vem à tona. Embora os poucos exemplos presentes na franquia suscitem reflexões interessantes, ainda está para surgir uma ficção científica mais radical no tratamento do tema da diversidade linguística. A própria franquia Star Wars, mais caracterizada como “fantasia científica”, é tão ou mais interessante nesse quesito do que Star Trek, como veremos no próximo artigo da Teia Neuronial.

As mulheres de Star Trek

Padrão

Uma africana, um nipo-americano, um russo, um escocês e um alienígena. Esses eram os principais não-americanos da tripulação da Enterprise nos idos da década de 1960. Desde então, Star Trek tem se empenhado, embora com menos sucesso do que o satisfatório, em representar a diversidade humana entre seus protagonistas. Embora a representação de negros, por exemplo, não tenha sido lá tão contundente e até tenha decaído, como já discorri em outro texto, pode-se dizer que a representação feminina apresentou um crescendo que teve como fenomenal ápice a série Voyager (para depois decair bruscamente com a sofrível Enterprise).

Sem grandes pretensões de esgotar o tema, vamos aqui fazer uma viagem aonde nenhuma mulher jamais esteve, partindo da Série Clássica dos anos 60 até a última série da franquia, nos anos 2000, dissertando sobre as principais mulheres que tiveram destaque. Até onde Star Trek conseguiu ser revolucionária quando se trata de representar as mulheres fora dos padrões androcêntricos que dominaram e ainda dominam nossa cultura?

A Série Clássica

A primeira série, transmitida entre 1966 e 1969, em suas três temporadas, teve poucas mulheres em papel de protagonistas recorrentes. De maneira geral, os heróis da série foram os três homens principais da nave Enterprise, e as mulheres se destacavam mais como antagonistas ou coadjuvantes eventuais, interpretadas por atrizes convidadas para representar o interesse amoroso de um dos protagonistas homens, especialmente Kirk. Mas, apesar dos vestidos curtíssimos e reveladores, o pouco que as tripulantes do sexo feminino apareceram foi suficiente para causar um impacto duradouro que posteriormente se desenvolveria de maneira bem mais interessante.

Número Um (Majel Barrett)

Não podemos deixar de lado “A Jaula” (“The Cage”), o primordial episódio piloto de Star Trek, onde o capitão Christopher Pike é acompanhado por uma mulher no posto de imediata. O contexto cultural da época certamente não permitia que a protagonista, o papel principal, fosse uma mulher, mas mesmo estando em segundo lugar de importância na hierarquia da tripulação, a Número Um (cujo nome nunca foi mencionado) foi um dos motivos para que a NBC rejeitasse o episódio e pedisse outro.

Mas sempre podemos retomar a esse episódio e admirar a importância de que se reveste a personagem em questão, mostrada não de forma objetificada, mas como uma figura de liderança e uma mulher muito inteligente e racional. Ela foi a primeira mulher a se sentar na cadeira de capitão (enquanto Pike descia para uma missão), o que demoraria muito a acontecer de novo na franquia.

Felizmente, a maior parte do episódio, que nunca foi ao ar, foi resgatada posteriormente no episódio “A Coleção” (“The Menagerie”), e voltamos a ver Majel Barrett naquele importante papel. A atriz, diga-se, foi uma pessoa de presença marcante ao longo da franquia, aparecendo como três personagens diferentes em três das séries e dando voz aos computadores das naves da Frota Estelar.

Uhura (Nichelle Nichols)

Tenente Uhura pode não ter sido a primeira mulher a ocupar um posto importante na ponte de comando de uma nave da Frota Estelar (embora tenha sido a primeira a aparecer na televisão, visto que o episódio piloto não fora ao ar até então). Porém, contrariando o contexto sócio-cultural da época, foi a primeira mulher negra, o que era extraordinário.

Não nos enganemos, a importância do papel de Uhura nas histórias da Série Clássica não é tão grande se a compararmos com outras personagens femininas que surgiram nas séries posteriores. Mas ela teve um impacto enorme, tendo sido uma referência para atrizes como Whoopi Goldberg e para líderes de movimentos sociais antirracistas, como Martin Luther King.

Curiosamente, um dos episódios em que Uhura aparece com mais destaque é “Mirror, Mirror”, onde a tenente assume o lugar de sua contraparte de uma brutal realidade paralela e precisa se fazer durona e violenta para executar o plano de retorno à normalidade. Porém, foram poucas as vezes em que Uhura se mostrou mais do que uma oficial de comunicações sentada em seu posto na ponte de comando.

No início da série, por exemplo, ela demonstrou um grande talento como cantora nas horas de folga, talento que, aliado a um semi-strip tease, utilizaria no filme A Última Fronteira (1989) para seduzir um bando de capangas. Infelizmente, isso meio que diminui sua importância como indivíduo ao colocá-la numa posição de isca, mas paradoxalmente a coloca no lugar de breve destaque de uma estrela num palco. Felizmente, sua sensualidade não exclui seu papel de oficial de comunicações, antes se soma a ele na configuração de uma personagem complexa que não se reduz a um corpo-objeto de desejo. Felizmente, apesar de qualquer limitação da Série Clássica quanto a questões de gênero, os personagens, tanto homens quanto mulheres, conseguem carregar várias facetas, incluindo a de agentes, sujeitos e objetos da libido.

Outras mulheres da Série Clássica

Christine Chapel (Majel Barrett)

Majel Barrett retornou para interpretar a assistente do Dr. McCoy, a Enfermeira Chapel. Ela manteve um papel secundário nas tramas dos episódios em que aparecia, estando subordinada ao temperamental médico-chefe da nave e representando um interesse romântico platônico pelo Sr. Spock. Ela sobreviveu à Série Clássica e se tornou médica da Frota Estelar em Jornada nas Estrelas: O Filme (Star Trek: The Motion Picture). Mas é uma personagem que tinha potencial desaproveitado para tramas interessantes que envolvessem cuidados médicos e o objeto de seu amor platônico, o frio e racional vulcano da Enterprise (que, diga-se de passagem, também tinha uma queda por Christine).

Janice Rand (Grace Lee Whitney)

Por outro lado, a ordenança Janice Rand, uma figura apagada e paradoxalmente cultuada como uma beldade no meio dos heróis masculinos, era a típica mulher decorativa. Estava ali ao pé da cadeira do capitão, uma secretária sem nenhum talento aparente, compartilhando um certo flerte com seu chefe. É interessante observar como essa figura persiste na lembrança dos fãs da Série Clássica, mesmo carregando pouca importância e tendo aparecido em poucos episódios. Talvez o gérmen da valorização da diversidade já fosse forte o suficiente para lhe conceder certa importância. Porém, ela não é lembrada por nenhum feito significativo, senão por suas características físicas.

A Nova Geração

Enquanto na primeira série somente Uhura era uma mulher com presença constante, A Nova Geração melhorou bastante a representação feminina, não só em termos de quantidade quanto de relevância e destaque. O episódio piloto já trouxe três figuras fortes e bem distintas entre si, a ponderada Dra. Crusher, a conciliadora Conselheira Troi e a impetuosa chefe de segurança, Tenente Yar. Uma novidade interessante em comparação com a Série Clássica foi a mudança dos uniformes. Desta vez as fardas da Frota Estelar eram unissex e não diferenciavam os tripulantes pelo gênero.

Beverly Crusher (Gates McFadden)

Celebrity CityComo que uma herdeira espiritual do Dr. McCoy, Dra. Crusher chama atenção para sua postura humanista e ética. É a primeira mãe a ocupar um espaço importante entre os protagonistas da franquia. Isso é importante, por um lado, para abordar questões relacionadas à maternidade e como tais questões podem ser relevantes para se entender as relações de gênero no presente e como elas podem vir a se configurar no futuro.

Por outro lado, é importante porque mostra uma personagem que não se resume ao papel de mãe. De fato, sua carreira como médica da Frota Estelar é tão notável que o fato de ela ser mãe fica em segundo plano e só com certo esforço eu me lembro de Wesley Crusher e, ainda mais, tem alguma relação com ela. O que realmente é relevante nessa personagem é sua dedicação a uma carreira na qual ela demonstra excelência. Importa mencionar que Beverly Crusher é uma cientista, não apenas aplicando os conhecimentos da Medicina, mas desenvolvendo novas teorias e tratamentos.

Essa dedicação à carreira às vezes representa um conflito interno, compartilhado com o Capitão Picard. Ambos têm uma afeição mútua que só não se concretiza na forma de um relacionamento porque isso poderia ser arriscada para ambos e para a tripulação da Enterprise-D. No entanto, há um episódio que mostra o futuro de Picard e ficamos sabendo que em determinado momento de sua história ele e Crusher se casaram. Porém, neste momento nos deparamos com uma grande mancada dos roteiristas ao apresentar a médica com o sobrenome Picard, mantendo uma mentalidade tradicionalmente patrilinear que a essa altura já deveria ter sido superada há muito. Apesar disso, nessa mesma cena temos um vislumbre do promissor futuro de Beverly Crusher, tornando-se capitã de sua própria nave.

Deanna Troi (Marina Sirtis)

Conselheira Troi é uma híbrida de um humano com uma betazoide, e herdou desta a capacidade de se comunicar empaticamente com outras criaturas. Ela assume o papel de conselheira da tripulação da nave, um papel que não existia na Série Clássica e que deixou de existir nas séries seguintes. Ela é como uma psicóloga e terapeuta que aconselha os tripulantes que a procuram com problemas pessoais.

Ela recebeu bastante atenção em diversos episódios da série, protagonizando várias narrativas interessantes que exploraram sua história como mestiça, filha de Lwaxanna Troi (em mais um grande papel de Majel Barrett), a pitoresca embaixatriz do planeta Betazed, e de um homem humano, dotada de habilidade empática (quase telepática) e compartilhando uma certa amizade colorida com o Comandante Riker. Deanna Troi teve vários relacionamentos ao longo das sete temporadas da Nova Geração, sendo retratada como uma mulher emocionalmente livre das amarras de um relacionamento patriarcal.

Estranhamente, Troi é a única mulher da tripulação a usar um uniforme diferente do padrão. Sua roupa, no início da série, lembra os vestidos usados na Série Clássica. Posteriormente, na maior parte do tempo ela usará um colante que se diferencia até mesmo nas cores dos uniformes normais. Neste sentido, a personagem acabou por ter sua sensualidade exacerbada, com roupas mais reveladoras do que as das outras mulheres da Enterprise. Apesar disso não ser um peoblema em si, parece que ela só passou a interagir como um verdadeiro membro oficial da tripulação quando começou a usar o uniforme padrão, lá pelas últimas temporadas da série.

Tasha Yar (Denise Crosby)

Tenente Yar é uma das figuras femininas mais impressionantes da Nova Geração. Apresentando-se no posto de chefe de segurança, bastante incomum para mulheres, ela não só quebra a barreira dos papéis de gênero tradicionais como rompe com o estereótipo da mulher com temperamento frágil ou, no máximo, brando. Na ponte de comando, ela encarna o temperamento colérico, ainda mais do que o klingon Worf.

Em pouco tempo de série, ficamos conhecendo parte da história conturbada de Tasha Yar e o potencial dramático da personagem. Infelizmente, ela morreu muito cedo, no final da primeira temporada, um evento chocante, inesperado e lamentável, tendo em vista que ela representava uma feminilidade atípica em termos do que estávamos acostumados até então.

A personalidade “masculina” de Tasha suscitou especulações sobre sua sexualidade, e houve quem sugerisse que ela era lésbica. Ela teve um momento de intimidade física com o androide Data, o que poderia ter sido uma forma de os produtores afirmarem sua heterossexualidade, como se a possibilidade de ela ser homossexual fosse um problema. De qualquer forma, é interessante encará-la como uma alegoria de uma identidade transgênera e de uma sexualidade queer, tendo em vista que o própria Data não é exatamente um homem no sentido pleno do termo (ao menos não no início da série, antes de conquistar vários aspectos que vieram a torná-lo cada vez mais humano), e pode ele mesmo ser visto como um transgênero queer.

Outras mulheres da Nova Geração

Katherine Pulaski (Diana Muldaur)

Na segunda temporada, Dra. Crusher foi substituída em seu posto pela Dra. Pulaski, uma mulher mais velha (interpretada por uma atriz que, a propósito, apareceu mais de uma vez na Série Clássica), mais experiente e mais geniosa. Sua personalidade a faz lembrar o rabugento Dr. McCoy. Não há uma grande diferença entre Katherine e Beverly em termos do que elas representam para as tramas dos episódios. Ambas são médicas, ambas possuem um exacerbado grau de preocupação ética. Mas Pulaski poderia ter sido melhor explorada quanto a sua identidade de “cinquentona” e a forma como a sociedade ocidental (e outras culturas) encaram mulheres mais velhas.

Guinan (Whoopi Goldberg)

A segunda mulher negra de destaque em Star Trek na verdade não é humana. Guinan, a bartender do salão recreativo da Enterprise-D, é o arquétipo da feiticeira errante ou cigana misteriosa. Embora tenha um poder fora do comum e incompreensível para os humanos, ela foi pouco explorada, por vezes passando um certo tempo sem aparecer. Guinan, a meu ver, deveria ter ganhado ao menos um pouco mais de destaque, assumido o papel de protagonista de pelo menos um ou dois episódios da longa série, pois Whoopi Goldberg certamente teria sido espetacular se a misteriosa alienígena mostrasse quem realmente é e o que pode fazer, mesmo que o fizesse de maneira sutil.

Ro Laren (Michelle Forbes)

Sua aparição foi muito breve mas marcante. A primeira bajoriana da franquia, a indisciplinada Alferes Ro representava um povo oprimido pelas forças imperiais dos cardassianos. Ela é a clássica personagem com ideias ambivalentes, ao mesmo tempo parte da Frota Estelar como uma de suas oficiais, mas discordante dos métodos da Federação no trato de questões diplomáticas. Ro acabaria por abandonar a tripulação da Enterprise e seu uniforme para se juntar a um grupo de rebeldes de seu povo e enfrentar os cardassianos. Neste sentido, ela pode ser vista como um exemplo de mulher que toma suas próprias decisões sobre aquilo que lhe diz respeito.

Keiko O’Brien (Rosalind Chao)

Uma das mulheres de papel recorrente de menos destaque é a esposa do operador de teletransporte Miles O ‘Brien. Keiko é digna de menção por ser oriental (uma herdeira de Hikaru Sulu da Série Clássica), já que personagens com identidade asiática não são tão comuns em Star Trek. Mas é colocada em destaque poucas vezes, como em episódios que mostram a creche que ela administra. Porém, em certos episódios da série Deep Space 9 (da qual também participou e sobre a qual discutirei abaixo), Rosalind Chao se mostrou uma atriz acima da média. É uma pena que, assim como Dra. Crusher, Keiko tenha abdicado de seu sobrenome quando se casou com O’Brien. Apesar disso, ela se mostra uma mulher independente quando precisa passar meses trabalhando longe de seu marido, dando mais importância ao seu sucesso profissional do que a cuidar de um homem adulto.

Deep Space 9

O principal impacto de Deep Space 9 veio com o protagonista negro, Comandante Benjamin Sisko. Em termos da quantidade de personagens femininas recorrentes, a série foi inferior à anterior. Porém, as poucas que fizeram presença foram tão significativa que não se pode dizer que Deep Space 9 tenha sido negativa com relação a esse aspecto. Duas fortes mulheres alienígenas fizeram parte da equipe principal, e algumas personagens menos recorrentes também mostraram uma representatividade feminina importante.

Kira Nerys (Nana Visitor)

A bajoriana mais célebre de toda a franquia tem uma personalidade forte e irascível, construída por anos de liderança na guerrilha de resistência contra o domínio dos cardassianos em seu planeta. Major Kira assumiu o posto de segunda em comando na estação espacial Deep Space 9, administrada pelo Comandante Sisko, da Frota Estelar.

Kira às vezes pode ser instável, pois sua experiência com os cardassianos, com quem é obrigada a conviver, a tornaram desconfiada. Mas ela é uma líder forte e uma mulher confiante. Isso a coloca numa posição importante no rol das figuras femininas de Star Trek.

Sendo uma mulher não-humana, podemos nos questionar se Kira realmente representa as mulheres na franquia. Mas é bem claro que as raças alienígenas desse universo são em geral alegorias da diversidade étnico-cultural humana. Kira pode ser encarada como um tipo de feminilidade possível (e real). A sociedade bajoriana se caracteriza pela igualdade dos gêneros, e não vemos predileção de um gênero ou outro nos papéis sociais da cultura de Bajor. Isso torna Kira uma representante de um mundo idealizado onde o sexo/gênero já não representa um problema.

Em sua versão alternativa no Universo Espelho, Kira é uma dominatrix que comanda a estação Terok Nor (denominação cardassiana da Deep Space 9). Sexualmente poderosa, ela subjuga homens e mulheres que estão sob seu controle. Infelizmente, essa imagem acaba trazendo algum aspecto negativo na representação da mulher bissexual, pois é a primeira vez na franquia que se vê uma personagem claramente não-heterossexual, e é justamente uma vilã. Felizmente, Ezri Tigan viria a corrigir isso, como veremos mais abaixo.

Jadzia Dax (Terry Farrell)

Uma força presencial notável está entre as principais características da trill simbionte Jadzia Dax. Oficial de ciências da estação, ela se caracteriza por carregar no ventre uma espécie de ser inteligente que detém as memórias de outros tantos hospedeiros que o carregaram no passado. Dax é um ser sem gênero que se manifesta como ser sexuado através de seus hospedeiros. Uma vez que Jadzia é uma mulher (da espécie trill), a personagem de maneira geral é uma figura feminina.

No entanto, a relação que Dax mantinha com o Comandante Sisko no passado, sob o semblante de um hospedeiro homem (Curzon Dax) mantém um caráter de camaradagem heterossexual mesmo na atual personalidade feminina do simbionte. Sisko continua chamando-a de “meu velho” ad infinitum. Isso configura uma situação interessante por dois motivos.

Primeiro, Jadzia aparece como uma pessoa de identidade feminina mas de personalidade andrógina. Segundo, a relação com seu amigo humano é diferente da maioria das amizades entre pessoas de gênero diferente, pois eles compartilham conversas, assuntos e formas de comunicação mútua que tradicionalmente se dão em contexto de amizade entre homens heterossexuais e homoafetividade sublimada.

Em seu relacionamento com o klingon Worf, a “Magnífica Jadzia”, como a chama seu amado, encena um casamento em que ambos os parceiros compartilham a mesma importância, ela buscando sempre demonstrar que é uma mulher extremamente forte que não se deixa dominar por um homem poderoso como Worf. Infelizmente, Jadzia é assassinada pouco tempo depois do casamento, num episódio dramático e inesperado.

Ezri Dax (Nicole de Boer)

A sucessora de Jadzia como hospedeira do simbionte Dax, Ezri trouxe as memórias da antecessora mas se manifestava de forma bastante diferente, com uma personalidade muito própria. Ela não teve grande destaque na série e tenho a impressão de que foi um acréscimo desnecessário em termos narrativo-dramáticos. Mas alegoricamente ela encenou alguns temas interessantes, como o da filha (Ezri) que precisa desconstruir a herança da mãe (Jadzia) para construir sua própria identidade.

Outro tema que pode ser lido por trás de uma alegoria é o da mulher que, por mudanças advindas das vicissitudes da vida, deixa o homem que amava. Jadzia Dax mal havia se casado com Worf quando foi assassinada, e Ezri Dax representa a mesma mulher depois de uma trágica transformação em sua vida, que a leva a deixar seu “marido”. Worf, sempre trazendo à tona o machismo tradicional, fica muito confuso com relação a seus sentimentos por Ezri, mas esta tem mais certeza sobre o que não quer, e posteriormente sobre o que quer, envolvendo-se com outro homem, o médico-chefe da estação, Dr. Bashir.

Mas é talvez em sua versão alternativa do Universo Espelho (Ezri Tigan) que ela represente a maior (mesmo que um tanto tímida) ruptura nas questões de gênero e sexualidade. Fica muito claro, através de diversas alusões, que a pequena trill, desejada por vários homens de várias espécies (incluindo homens ferengi), é lésbica e provavelmente terá algum relacionamento com Leeta, uma bajoriana com a qual compartilha um flerte ao final do episódio. Como é uma heroína nessa história, ela corrige a falsa impressão que pode ter causado a Kira alternativa de que a sexualidade não-normativa possa estar relacionada a mau caráter.

Voyager

Star Trek: Voyager é certamente a melhor das séries da franquia quanto à representatividade feminina. As mulheres da nave comandada pela Capitã Janeway não tem apenas uma presença forte, mas são diversas entre si, ambrangendo um amplo leque de feminilidades.

Kathryn Janeway (Kate Mulgrew)

Quando se fala em presença feminina em Star Trek, a capitã Kathryn Janeway é certamente o ícone mais significativo. Janeway é a alma de Voyager, e dessa forma a série reveste de uma grande importância o papel das mulheres e a representação feminina na franquia.

Capitã Janeway é, na minha opinião, a personagem feminina mais complexa de Star Trek. Ela consegue ter muitas facetas, que se revelam ao longo da série, algumas das quais antagônicas entre si (o que é normal para qualquer indivíduo tridimensional), mas sem deixar de ser coerente consigo mesma e com o conceito por trás de sua personalidade.

Ela possui um forte senso de ética ligado à sua dedicação às diretrizes da Frota Estelar, mas tem uma relação especialmente ambígua com a Primeira Diretriz, ou seja, a regra da não-interferência. Muitas vezes ela se vê na situação conflituosa de ter que decidir entre seguir à risca o protocolo de seu papel oficial e agir de acordo com uma compaixão baseada em princípios mais profundos do que os racionais procedimentos previstos para seu cargo. Nesse sentido, sua personalidade ressoa muito o Capitão Picard, mas fora isso ela é bem diferente dele.

Janeway é uma mãe para sua tripulação, acolhedora, compreensiva e dedicada, ao mesmo tempo em que age com dureza quando críticas são necessárias, mesmo que se dirija aos tripulantes mais próximos dela e com quem tem mais afinidade. Porém, ela sempre colocará a conciliação como prioritária sobre o combate, o que a diferencia sobremaneira do estilo supermasculino do Capitão Kirk, sempre antecipando o conflito. No entanto, a capitã da Voyager é uma guerreira quando precisa ser.

O único elemento que poderia ter recebido mais atenção, a meu ver, foi a vida amorosa de Kathryn. Enquanto Kirk era um Don Juan e Picard se envolveu emocionalmente com um bom número de pessoas, Janeway parece ter caído no estereótipo da mãe assexuada, dedicada emocionalmente apenas aos filhos (seus subordinados). Durante toda a série, fora o marido que deixou no Quadrante Alfa e que se casou com outra mulher por pensar que Janeway não voltaria mais, ela só teve um caso com u alienígena que se revelou um traidor, um homem com quem só se envolveu por que havia perdido a memória e um personagem holográfico, sem contar o flerte velado por seu imediato, Comandante Chakotay. Ou seja, seus romances sempre foram cercados de ilusão e decepção. Se outros capitães tão ocupados quanto ela podem se dar ao luxo de explorar a própria libido, por que não Kathryn Janeway?

Mesmo assim ela não deixa de ser um ícone, por se mostrar tão multifacetada e liderando uma tripulação de mulheres e homens fortes, representando um grupo diverso quanto às suas feminilidades e masculinidades, até mesmo bordejando os limites das identidades de gênero padrão e se envolvendo em tramas que incluem alienígenas que podem ser vistos como alegorias do transgenerismo.

B’Elanna Torres (Roxann Dawson)

Um exemplo de mulher feroz, B’Elanna é meio-humana meio-klingon, e possui um pouco da personalidade selvagem típica dos klingons. Assumindo o trabalho de engenheira-chefe supereficiente (na tradição iniciada por Scotty e continuada por Geordi Laforge), B’Elanna não aceita ser questionada em suas decisões a respeito de sua jurisdição na nave, o que leva a constantes conflitos, acirrados pelo fato de, antes de se juntar à tripulação da Voyager, ter feito parte dos Maquis, um grupo rebelde anti-Federação, e antes disso ter sido uma indisciplinada oficial da Frota Estelar.

Dessa forma, a irritadiça Tenente Torres é uma mulher lutando por autonomia em seu espaço de trabalho. Ela sente essa autonomia ameaçada quando a ex-borg Sete de Nove se junta à equipe da nave e começa a se meter em assuntos relacionados ao funcionamento do veículo espacial. O apoio da capitã Janeway, assumindo para ela um papel materno, é um dos poucos motivadores para que a ex-maqui continue em seus esforços de ajudar Voyager a retornar ao Quadrante Alfa.

B’elanna também sofre os reveses de ser uma mestiça. Os klingons (espécie à qual pertencia sua mãe) nunca foram plenamente aceitos pela xenofóbica cultura humana, e ela mesma tem dificuldades de aceitar seu lado klingon. O fato de ser interpretada por uma atriz de ascendência latina (Roxann Dawson Caballero), tendo inclusive um sobrenome espanhol (Torres), reforça a ideia de que os conflitos relativos à mestiçagem são uma metáfora das dificuldades de os “latinos” se integrarem à cultura estadounidense, e mais ainda das mulheres de origem hispano-americana.

Kes (Jennifer Lien)

Pertencente à espécie ocampa, nativa do Quadrante Delta, Kes se une à trupe da Capitã Janeway no início da série e se mantém durante algumas temporadas. Nesse meio tempo, ela ajuda a tripulação com com valiosas habilidades telepáticas; como assistente do Doutor, demonstrando uma capacidade de aprendizado surpreendente e praticamente se tornando uma médica; e com o cultivo de vegetais destinados à cozinha (esta comandada por seu companheiro Neelix).

Kes tem um aspecto que a faz lembrar um certo arquétipo da elfa ou fada mágica, reforçado pelas orelhas e pela roupa, que lembra vestimentas antigas ou medievais. Ressoando as ninfas selvagens e as bruxas dotadas de poderes misteriosos, ela representa um certo poder feminino guardado sob uma aparente fragilidade. Kes é uma personagem propositalmente construída para se parecer com uma criança que na verdade é uma adulta amadurecida e capaz de amadurecer ainda mais.

O fato de os ocampa viverem em média 9 anos também a torna um ser exótico e a faz parecer uma das personagens mais alienígenas da franquia, pois suas diferenças em relação aos humanos extrapolam o mero exotismo cultural. Em determinado ponto de sua trajetória, seus poderes psíquicos se desenvolvem tanto que ela se torna praticamente um ser sobrenatural e abandona Voyager para buscar novos horizontes.

Em um episódio, Kes protagoniza uma história na qual tem vislumbres de seu futuro, casada com o timoneiro Tom Paris. Nesse futuro, ela se vê envelhecida, tendo em vista os poucos anos de vida de uma ocampa, e percebemos uma referência interessante à questão do relacionamento afetivo entre um homem jovem e uma mulher mais velha que ele. Neste ponto, Star Trek consegue abordar a valorização da mulher idosa enquanto pleno indivíduo e sujeito de desejo.

Sete de Nove (Jeri Ryan)

Annika costumava ser uma menina humana até ser assimilada pelos Borg, seres cibernéticos, parte máquina, parte orgânicos, cujos indivíduos são capturados de outras espécies e transformados em parte de uma coletividade com a mente compartilhada. Mesmo depois de ser libertada de sua condição de ciborgue, ela manteve a denominação que recebeu da rainha borg, Sete de Nove.

Sete se caracteriza como uma mulher muito inteligente e racional, uma mente que funciona como a de um vulcano (o que faz com que sinta afinidade com Tuvok), mas sem nenhuma experiência como ser social em uma sociedade individualista como a nossa. Falta-lhe totalmente a etiqueta mínima para o convívio com seres emotivos como os humanos. Sete de Nove pode ser entendida assim como uma mulher nerd, que depois de perder o contato com a coletividade borg se tornou bastante solitária.

Por outro lado, ela é também retratada como uma mulher muito bonita e sensual, interesse amoroso de alguns dos homens da Voyager. Esse aspecto resvalou para uma ênfase na busca por um romance, que acabou concretizando com o Comandante Chakotay. A série retrata assim a constituição de um casal como uma etapa necessária para sua humanização, e infelizmente faz isso se baseando numa ideia heteronormativa, tradicional e sexista de relacionamento afetivo.

Mas de maneira geral sua trajetória é a de reconstrução de sua identidade humana. Em seu aprendizado, ela aprende os ritos da conduta de seus cotripulantes. Em sua condição de borg, Sete pode ser lida como uma alegoria da mulher sem identidade própria, parte de um tipo de harém cibernético. Sua libertação é a descoberta de seus próprios anseios e do domínio de sua própria vida.

Enterprise

Como já discuti em outros lugares, Star Trek: Enterprise foi um retrocesso. Enquanto as séries anteriores melhoraram gradativamente a representação dos negros e, muito especialmente, a das mulheres, a série estreada em 2001 colocou em destaque muitos personagens brancos do sexo masculino e praticamente só deu destaque a uma mulher, a vulcana T’Pol, deixando a primeira mulher oriental a aparecer na ponte de comando das naves da Frota Estelar num papel muito secundário.

Hoshi Sato (Linda Park)

O conceito por trás dos personagens de Enterprise é muito bom. Mas alguns deles são muito mal explorados, como é o caso da oficial de comunicações, Alferes Sato. Ela é uma especialista em Xenolinguística, capaz de aprender um novo idioma em pouquíssimo tempo, e uma das responsáveis pelo desenvolvimento do tradutor universal, tão essencial para os oficiais da Frota Estelar em seu contato com espécies alienígenas.

Mas essa mulher japonesa é deixada de lado em quase toda a série, executando seu papel eficientemente mas muito pontualmente, sem que se aprofunde uma trama mais complexa sobre sua história, suas motivações e sua personalidade (contrastando com os episódios em que os homens brancos da ponte de comando aparecem como o centro da narrativa).

Somente sua versão no Universo Espelho tem maior relevância, e mesmo assim só para a realidade paralela. Lá Hoshi Sato é a protagonista de um complô que a leva a se tornar, com base em ameaça bélica, Imperatriz da Terra. Teria sido muito interessante que ela protagonizasse com mais destaque uma história no universo principal da série.

T’Pol (Jolene Blalock)

A oficial de ciências e segunda em comando da Enterprise comandada pelo Capitão Archer é uma mulher vulcana, e como tal extremamente racional, inteligente, ponderada e fria. Dentro de uma abordagem de gênero, T’Pol é bastante rica enquanto mote para discussões sobre feminilidade. Em primeiro lugar, assim como Kira Nerys em Deep Space 9, ela pode ser vista como um tipo de feminilidade alternativa, alienígena, possível. A sociedade vulcana parece não fazer uma diferenciação de temperamento e comportamento baseada no gênero de seus indivíduos. T’Pol é ao mesmo tempo representante de um tipo diferente de feminilidade e de uma cultura com uma noção diferente de identidades e papéis de gênero.

Além disso, ela encarna uma contradição dentro do cenário de Enterprise. Acima de tudo, ela representa a racionalidade necessária para administrar a emotividade do Capitão Archer, papel análogo ao de seu conterrâneo Spock para o Capitão Kirk. Sendo assim, ela difere do papel normalmente atribuído às mulheres, mais movidas pelo sentimento. Dessa forma, é interessante notar que a relação ente T’Pol e Archer é uma inversão da estrutura sexista na qual o homem encarna a razão e a mulher incorpora a emoção.

Por outro lado, a vulcana é fisicamente apresentada de maneira muito sexualizada, com roupas justas e reveladoras e sendo objeto de conversas entre tripulantes que a acham atraente. Ela destoa das outras mulheres humanas a bordo, que usam um macacão como uniforme, igual ao dos homens. Talvez a última sucessora de uma “tradição” que começou com Deanna Troi (ou até antes, com Janice Rand), passando por Sete de Nove, ela encarna o elemento afrodisíaco da feminilidade, conjugando em sua figura o culto ao corpo com o cultivo da mente.

Os negros em Star Trek

Padrão

Já é quase um clichê dizer que Jornada nas Estrelas (Star Trek) foi uma franquia revolucionária em vários aspectos. Muita gente sempre se lembra de dizer que a tripulação da nave estelar Enterprise era multiétnica, tendo entre seus principais membros uma africana, um nipo-americano, um russo, um escocês e até um alienígena.

Mas é sempre notória a participação maior de personagens caucasianos nas posições de protagonismo das histórias. Apresentada inicialmente, nos idos dos anos 1960, como uma proposta libertária, era de se esperar que a franquia se desenvolvesse com cada vez mais abertismo em relação a identidades de gênero, de sexualidade e de raça-etnia. Como se deu então, na trajetória das diversas séries de Star Trek, o destaque dos personagens pertencentes à identidade racial mais menosprezada no Ocidente, ou seja, os negros?

Uhura (Nichelle Nichols)

A icônica tenente Uhura, oficial de comunicações da mais clássica das Enterprises, cujo prenome nunca foi conhecido na série clássica e só seria revelado no filme de 2009, foi uma novidade e tanto na televisão norte-americana no ano 1966, quando era extremamente difícil colocar uma atriz/personagem do sexo feminino e/ou negra entre os papéis principais de uma série de TV.

O episódio piloto da série (The Cage) foi recusado pela emissora, entre outras coisas, justamente por ter uma mulher em posição de destaque na trama. Mas Gene Roddenberry conseguiu uma façanha: apresentou uma nova proposta em que uma mulher, Nichelle Nichols, faria parte do elenco principal, se bem que numa posição não tão importante quanto a de um capitão ou de um imediato, mas mesmo assim na ponte de comando. E mais, era uma mulher negra.

O fato de ser uma mulher negra num papel importante (e com um rank de tenente) foi tão impactante que influenciou uma geração de jovens afro-americanos de ambos os sexos. Whoopi Goldberg conta que, quando criança, viu Uhura na televisão e correu para contar para a família:

I just saw a black woman on television; and she ain’t no maid!

[Acabei de ver uma mulher negra na televisão e ela não é uma empregada!]

Uhura encenou com o Capitão Kirk (William Shatner) aquele que foi considerado o primeiro beijo “inter-racial” da televisão norte-americana. Mesmo sendo uma cena em que os personagens foram forçados telepaticamente ao ato, os produtores e o diretor relutaram muito em concretizá-la, e a repercussão posterior foi grande.

O papel de Nichelle Nichols foi tão importante para o público afro-americano que ninguém menos do que Martin Luther King pediu pessoalmente a ela que não saísse do show, pois ela era um exemplo para os jovens negros em plena era de luta por direitos civis. Porém, a equiparação do destaque de personagens negros com brancos (e também de mulheres com homens) ainda estava em estágio embrionário, pois Uhura ainda era mais um elemento exótico da tripulação do que uma figura de peso.

Geordi Laforge (LeVar Burton)

Enquanto Uhura foi concebida como uma especialista em comunicações e xenoliguística, Geordi Laforge, interpretado por LeVar Burton, era um engenheiro altamente capacitado, que possuía o título de tenente e ocupava o cargo de engenheiro-chefe da Enterprise-D, comandada pelo Capitão Jean-Luc Picard.

Essa caracterização de Laforge manteve a tradição de se colocar um personagem negro que não se limita aos estereótipos racistas que menosprezam suas capacidades mentais. Geordi era um prodígio da engenharia que salvava a Enterprise de colapsar em momentos críticos, mais ou menos como o fazia Scotty na série dos anos 60, mas bem menos falastrão do que o carismático escocês.

É interessante observar que a “raça” dos personagens em Star Trek, especialmente a partir da Nova Geração, não era mais motivo de qualquer menção ou relevância no contexto fictício utópico da série. Laforge nunca teve a cor de sua pele ou a textura de seu cabelo trazidos à tona como justificativa para qualquer tipo de conflito, por menor que fosse, caracterizado o contexto do universo ficcional como um ideal antirracista. Os conflitos raciais, em Star Trek, aparecem metaforicamente em situações de relação entre espécies de planetas diferentes.

Assim como Uhura, Geordi Laforge também encenou flertes inter-raciais, com a colega tripulante Christy Henshaw e com a cientista Leah Brahms. São tão poucas as vezes em que o vemos demonstrar esforços para flertar ou namorar que Geordi também acaba escapando do estereótipo que vê os negros como propensos ao galanteio, e ele se aproxima mais do estereótipo do nerd do que do afro-americano folgazão.

Worf (Michael Dorn)

O klingon mais querido de toda a franquia não é exatamente uma pessoa negra no sentido humano do termo, já que ele é alienígena, mas é interpretado por um ator negro, Michael Dorn, que incorporou Worf, um dos mais instigantes exemplos de hibridismo cultural interespécies em Star Trek.

Entre os klingons não há divisões do tipo “racial”, pelo menos não do tipo que humanos ocidentais fazem entre si, já que eles aparentam ter a mesma cor de pele (tanto atores negros quanto brancos já interpretaram klingons, e eles sempre usam uma maquiagem que colore a pele de um tom bronzeado.

Apesar de não ter trazido grandes contribuições para a discussão de relações raciais humanas para o universo da série, a presença de um excelente ator negro na franquia foi enriquecedora, e Michael Dorn conseguiu trazer à tona uma profunda complexidade nas relações interculturais entre humanos e klingons, encarnada no próprio Worf, com seus conflitos internos entre sua cultura natal e a de seus pais adotivos humanos, e entre os valores da Federação (e da Frota Estelar da qual é oficial) e os da sociedade klingon.

Guinan (Whoopi Goldberg)

Guinan apareceu a partir da segunda temporada de Jornada nas Estrelas: A Nova Geração. Interpretada por Whoopi Goldberg, grande fã da franquia e admiradora de Uhura/Nichelle Nichols (como visto acima), a personagem administra o 10-Foward, um bar/restaurante na Enterprise-D.

Uma das figuras mais misteriosas de Star Trek, ninguém sabe exatamente sua origem, mas sabe-se que ela tem pelo menos séculos de idade. Guinan é caracterizada como muito sábia e é capaz de surpreender os tripulantes da Enterprise com habilidades que ninguém imagina que uma estalajadeira possua. Possui alguns poderes cuja natureza não é bem compreendida pelos mortais que a conhecem, e estes tampouco imaginam a verdadeira extensão desses poderes.

Embora tenha caído num papel até certo ponto típico para personagens negros e tenha um forte exotismo normalmente associado à identidade negra, ela não deixa de ser extremamente humana em sua relação com outras pessoas, dotada de uma empatia que a aproxima muito de pessoas comuns e lhe permite atuar quando os esforços da conselheira Deanna Troi falham. Guinan mistura a estranheza de sua condição alienígena e semidivina com uma figura que se confunde com qualquer mortal humano. Além disso, possui um visual muito marcante que remonta ao afrofuturismo, valorizando elementos da identidade negra num contexto dominado pela estética branca.

Benjamin Sisko (Avery Brooks)

Comandante Sisko talvez tenha sido o marco mais importante na inserção dos negros no elenco da franquia, depois de Uhura. Até então, o modelo do líder em Star Trek estava representado por dois homens brancos, um norte-americano (Kirk) e um europeu (Picard), e a maioria dos capitães das naves da Frota Estelar seguem esse modelo. É também ao redor de Sisko que pela primeira vez vemos uma família negra em destaque em Star Trek: Ele tem um filho, Jake, e se encontra com o pai, Joseph, em momentos cruciais de sua trajetória.

A princípio dotado do título de comandante e designado para administrar a estação espacial Deep Space Nine, que deu título à série da qual é protagonista, Benjamin Sisko é promovido a capitão no decorrer da história e assume um papel central de liderança no combate a uma ameaça gigantesca contra a Federação e todo o Quadrante Alfa.

Novamente, as questões raciais humanas não são tema em Jornada nas Estrelas: Deep Space Nine, ao menos em sua história principal. No entanto, Sisko possui um alter-ego da década de 1950, chamado Benny Russell, um escritor de ficção científica negro que sofre preconceito e tem dificuldade de publicar suas histórias, a não ser ocultando sua identidade racial. Quando ele concebe escrever uma história sobre um capitão negro que comanda uma estação espacial no futuro distante (ou seja, o próprio Benjamin Sisko), o editor reluta muito, pois considera que um personagem negro em posição de destaque será mal recebido pelo público.

Apesar de tudo, um ponto até certo ponto negativo na inserção de Sisko na história de Deep Space Nine é o fato de ele representar, mais do que todos os outros protagonistas da franquia, a ambiguidade ética da Federação. Por vezes extremamente correto em suas decisões, há momentos importantes na luta contra o Dominion em que o capitão se utiliza de meios escusos para garantir os fins almejados. Em alguns aspectos, ele pode se encaixar no modelo do príncipe maquiavélico, o que ao mesmo tempo pode significar que ele é tão humano quanto qualquer oficial branco, mas também que ele está mais sujeito às falhas humanas do que, por exemplo, o impecável Capitão Picard.

Tuvok (Tim Russ)

Assim como Worf, Tuvok não é um negro humano. Sendo vulcano, ele chama atenção pelo fato de todos os vulcanos que apareceram antes nas séries e nos filmes terem pele clara. Antes de Tuvok, os vulcanos em geral pareciam um estereótipo genérico dos orientais (Spock era interpretado por um judeu, e alguns outros de sua espécie foram interpretados por atores de ascendência asiática ou aparência que remonta a alguns estereótipos orientais – mas no cômputo geral a maioria dos atores que encarnaram vulcanos é branca).

O surgimento de Tuvok, interpretado por Tim Russ, apresentou aos espectadores uma realidade vulcana plurifenotípica, ou seja, deu a entender que a variação fenotípica vulcana é semelhante à humana. Aliás, Tuvok não tem apenas a pele escura, mas cabelos crespos e feições “africanas”.

Além dele, só me lembro de ter visto outros dois vulcanos negros: a esposa de Tuvok, que só apareceu uma vez, e um figurante de um episódio de Deep Space Nine. Isso demonstra a impregnação de uma implícita visão antropocêntrica-eurocêntrica de que o fenótipo branco é a manifestação comum da espécie, sendo os negros uma minoria, como que uma variação exótica. Apesar disso, como acontecia com Geordi Laforge, o fenótipo “negro” desse vulcano nunca foi mencionado, implicando a superação utópica do racismo nessa realidade futurista.

Travis Mayweather (Anthony Montgomery)

Jornada nas Estrelas: Enterprise é a mais medíocre das séries da franquia, e regrediu em muitos aspectos quando comparada com as séries anteriores. Os ideais veiculados se tornaram muito mais americanocêntricos, belicistas, antropocêntricos e em grande parte conservadores. Embora se veja aqui e ali ideias libertárias que lembram a proposta inicial de Gene Roddenberry, de forma geral Enterprise foi uma decepção.

E isso se reflete no personagem interpretado pelo ator mediano Anthony Montgomery. Travis Mayweather é muito apagado no meio do elenco predominantemente branco. Além de não ter força presencial (talvez pela combinação da mediocridade do ator com o menosprezo velado da produção), ele não atua de forma significativa nos eventos importantes da série e sua história é muito pouco explorada.

Infelizmente, depois do Capitão Sisko a importância dos negros em Star Trek só diminuiu e decaiu totalmente com a insignificância do alferes Mayweather, que parecia estar na ponte de comando para, junto da oficial de comunicações japonesa Hoshi Sato, compor a “cota étnica” do elenco, sem dar volume e profundidade ao personagem. Enfim, é lamentável que um personagem com um conceito tão interessante (ele nasceu num cargueiro espacial e aprendeu desde cedo a pilotar naves, sendo um exímio timoneiro) tenha sido desperdiçado dessa forma.

Race, the final frontier

Sempre senti falta de ver um personagem negro em Star Trek num papel importante que usasse o uniforme azul da divisão de ciências. Embora haja vários exemplos de indivíduos geniais em suas respectivas áreas, é como se, sub-repticiamente, se considerasse mais adequado a um negro ocupar uma posição “não-intelectual”, como oficial de comunicações, engenheiro, chefe de segurança, timoneiro e até a liderança, desde que esta se baseie mais em habilidades políticas do que naquilo que se convenciona chamar de “atividades intelectuais”.

Mas seria possível utilizar esses mesmos exemplos supracitados para se colocar uma questão muito pertinente a respeito do que é a inteligência. Esta assume várias formas diversas, e alguém que domine magistralmente uma área da engenharia (como Geordi) não é menos genial do que um erudito das ciências humanas (como Picard). São áreas diferentes do saber humano, para cujo domínio se exige esforço mental semelhante. Numa perspectiva de maior abertismo, Geordi, o nerd, é tão intelectual quanto Picard, o capitão filósofo. E é difícil imaginar que dos tripulantes da nave estelar Voyager haja alguém mais inteligente do que Tuvok, o chefe de segurança (ao menos numa perspectiva ortodoxa sobre o que é inteligência, que estou criticando aqui). Mesmo assim, seria importante ver os negros ocuparem uma variedade maior de profissões, para que no final não fique a impressão de que eles são “naturalmente” limitados em certas áreas.

Outra limitação na representação dos negros diz respeito ao caráter exótico de grande parte deles, como se eles fossem personagens fantásticos, dotados de uma certa magia e sobrenaturalidade. Geordi com seu visor é um ciborgue com ar misterioso. Guinan é praticamente uma bruxa ou cigana cheia de segredos encantados. Sisko é de certa forma um semideus, filho de um humano com uma “profeta” (ser alienígena que vive fora da temporalidade linear humana).

Vale lembrar um episódio interessante da Nova Geração, em que a tripulação da Enterprise-D se encontra com os Ligonianos (Código de Honra, 1ª temporada, 4º episódio). Estes são todos interpretados por atores negros que não usam nenhuma maquiagem que os diferencie dos humanos. Esses alienígenas podem ser, por um lado, uma resposta interessante às tantas vezes em que apareceram espécies humanoides cujos membros tinham todos a aparência de humanos brancos. Ao mesmo tempo, podem ser ser vistos como uma reafirmação inconsciente de que basta uma espécie ser toda igual aos negros humanos para caracterizá-los como não-humanos (já que, para a ideologia racista eurocêntrica, o modelo default de ser humano é o branco). De qualquer forma, é um episódio instigante que levanta diversas outras questões que contribuem para o debate sobre o racismo.

Star Trek deu um impulso importante para a valorização das minorias, mas ele conseguiu isso muito mais através do contato com alienígenas como metáforas das relações raciais do que dando destaque e relevância a personagens e atores pertencentes a minorias humanas. O espírito da série é favorável para a valorização de mulheres, negros, homossexuais e outros grupos discriminados, mas infelizmente não conseguiu radicalizar até um ponto satisfatório.

Olhando para a montagem que fiz para ilustrar o topo deste post, eu imagino uma tripulação toda formada por pessoas negras. Ora, temos ali um capitão (Sisko), uma oficial de comunicações (Uhura), um engenheiro-chefe (Geordi), um chefe de segurança (Tuvok) e um timoneiro (Mayweather). Pena que não há nenhum grande exemplo de médico (que usaria, a propósito, o uniforme azul) nas naves da Federação para administrar a enfermaria de nossa imaginária nave estelar afro.

Star Trek e Star Wars

Padrão

No âmbito dos nerds e geeks aficionados por ficção científica e fantasia, é famigerada a “rivalidade” entre os fãs de Guerra nas Estrelas (Star Wars) e os de Jornada nas Estrelas (Star Trek). Aqueles que se autodenominam trekkers ou trekkies ralham do caráter pouco científico dos elementos fantásticos no universo dos jedi, enquanto os fanáticos pela Força consideram as histórias da Frota Estelar muito chatas e pouco empolgantes.

Essa “rivalidade” se acentua de maneira tragicômica quando atores ícones das duas franquias se pronunciam zombando da série rival, como o fizeram há algum tempo William Shatner (Capitão James T. Kirk) e Carrie Fisher (Princesa Leia Organa). “Jornada nas Estrelas tem histórias melhores”, defende Shatner. “Guerra nas Estrelas tem efeitos especiais”, replica Fisher.

Entretanto, no geral os nerds gostam das duas franquias, podendo haver preferências individuais, mas é importante atentar para que não há comparação entre Star Wars e Star Trek, pois são duas propostas muito diferentes entre si, cada uma desenvolvida de modo bastante díspar, e para quem as conhece soa muito estranho as pessoas confundirem as duas (o que talvez aconteça mais por causa do nome parecido). E é por serem duas propostas diferentes que não há sentido na rivalidade e na concorrência, pois cada uma é apreciável de modo diferente, como bem respondeu George Takei (que interpretou Sulu na série clássica de Star Trek) em resposta aos dois vídeos acima:

Além disso, as duas séries se aproximarão ainda mais agora, tendo em vista que J. J. Abrams, diretor do filme Star Trek, de 2009, e de sua continuação de 2013, estará à frente do próximo filme da franquia Star Wars, indo aonde ninguém jamais esteve na história das rivalidades entre as torcidas nerds.

Portanto, vou explorar um pouco as diferenças entre as duas séries, não para acirrar qualquer divergência ou rivalidade, mas para acentuar a diversidade e incentivar diferentes formas de apreciar obras de ficção científica e fantasia.

Em primeiro lugar…

Jornada nas Estrelas – Star Trek

Jornada nas Estrelas/Star Trek teve início como uma série televisiva norte-americana, idealizada por Gene Roddenberry, que estreou em 1966. A série clássica (The Original Series – TOS) Inicialmente pensada para se prolongar por 5 anos, só durou 3, sendo cancelada em 1969. Ela foi ressucitada por um breve período como uma Série Animada (The Animated Series – TAS) em 1973 e 1974. Voltou à vida definitivamente em 1979, com Jornada nas Estrelas: O Filme (Star Trek: The Motion Picture), e a partir daí foram produzidos mais 5 filmes com o elenco/tripulação da série clássica.

Em 1987, teve início a série Jornada nas Estrelas: A Nova Geração (The Next Generation – TNG), que durou 7 temporadas, até 1994, com outro elenco/tripulação. Deep Space Nine (DS9) foi outra série, também com 7 temporadas, produzida de 1993 a 1999. A série Voyager (VOY) foi ao ar entre 1995 e 2001, com 7 temporadas também. E Enterprise (ENT), que estreou em 2011, foi cancelada prematuramente em 2005.

Entre 1994 e 2002, foram produzidos 4 filmes com o elenco/tripulação da TNG. Em 2009, Star Trek foi revitalizada com um filme apresentado por um novo elenco, interpretando a tripulação da TOS, que vai estrelar uma continuação em 2013, Além da Escuridão (Star Trek: Into Darkness).

Foram também produzidas muitas histórias em quadrinhos, livros e video games, que enriqueceram esse universo, mas o principal são as séries televisivas.

Guerra nas Estrelas – Star Wars

Guerra nas Estrelas/Star Wars foi um filme de 1977 que iniciou uma grande saga épica no imaginário popular do Ocidente, idealizada por George Lucas. Quando sua continuação foi produzida em 1980, o primeiro filme foi rebatizado como Guerra nas Estrelas – Episódio IV: Uma Nova Esperança (Star Wars – Episode IV: A New Hope). A segunda produção, chamada de Episódio V, foi seguida pelo Episódio VI em 1983.

Os Episódios I, II e III, que contam os acontecimentos anteriores à primeira trilogia, vieram a público em 1999, 2002 e 2005, respectivamente. Uma série animada chamada A Guerra dos Clones (The Clone Wars) foi produzida em 2008, contando eventos entre os Episódios II e III. Em 2015, será lançado o Episódio VII, cuja história ainda é um mistério para o público.

Foram também produzidas muitas histórias em quadrinhos, livros e video games, que enriqueceram esse universo, mas o principal são os filmes.

O começo de tudo

Comecemos pelo início, ou seja, pelo prólogo de cada uma. Star Trek, em seus episódios originais, tem a seguinte entrada, repetida durante toda a série clássica (TOS) e, um pouco modificada, na série A Nova Geração (TNG):

Space, the final frontier. These are the voyages of the starship Enterprise. Its 5-year mission: to explore strange new worlds, to seek out new life and new civilizations, to boldly go where no man has gone before.

[O espaço, a fronteira final. Estas são as viagegns da nave estelar Enterprise. Sua missão de 5 anos: explorar estranhos novos mundos, buscar novas formas de vida e novas civilizações, audaciosamente indo aonde nenhum homem jamais esteve.]

Esta sinopse geral resume bem alguns dos aspectos dessa série televisiva que estreou em 1966. Ela aponta para uma jornada exploratória ao espaço. Infere-se que as histórias ocorrem no futuro mais ou menos próximo, com o advento de novas tecnologias, e que  o espectador se deparará com novas realidades alienígenas e os decorrentes conflitos, sempre com a tentativa de se os resolver de maneira pacífica, embora às vezes isso não seja possível. Essa entrada é perfeita para uma grande obra de Ficção Científica futurista e especulativa.

Star Wars começa simplesmente assim:

A long time ago in a galaxy far, far away…

[Há muito tempo atrás numa galáxia muito, muito distante…]

Aqui não existem parâmetros com base em nossa realidade. Não sabemos em que tempo exatamente ocorre essa história nem em que local do universo, e portanto não há compromisso do autor com a realidade conhecida. O aspecto atemporal (“A long time ago”) indica possibilidades fantásticas e míticas, enquanto a “galaxy far, far away” implica alguma ligação com a Ficção Cienfítica. Tudo é possível e pode-se esperar qualquer coisa em termos de personagens, tecnologia e raças alienígenas.

Assim como as publicações literárias de Ficção Científica, Star Trek se carateriza pela massiva produção de episódios, neste caso televisivos (embora tenha sido produzida mais de uma dezena de filmes). Isso às vezes empobrece a obra, pois uma produção em massa de vez em quando dá alguns frutos mal-acabados, o que não impede de se encontrar, em grande número, peças esplêndidas, narrativas excelentes e cliffhangers e reviravoltas de trama surpreendentes.

No caso de Star Wars, o projeto original é cinematográfico, com uma produção ambiciosa, e isso levou à criação de uma espécie de romance épico, bem pensado em todos os seus elementos (embora o resultado da realização da segunda trilogia – Episódios I, II e III – não tenha sido bem recebida pela maioria dos públicos).

A narrativa

As histórias de Star Trek se caracterizam como episódios isolados dentro de uma narrativa circular. Cada capítulo gira em torno de um evento crítico, um problema a ser resolvido pelos protagonistas. No fim, as coisas voltam ao normal e a nave retoma seu rumo, preparando-se para o próximo episódio em que o mesmo esquema se repete.

O propósito dessa fórmula é estabelecer um grupo de personagens, cada um com suas habilidades especiais, e colocá-los à prova com um desafio diferente em cada capítulo. Ou seja, os roteiristas imaginam situações e pensam: “como a tripulação vai resolver esse problema?” Por isso há uma marcante identificação de cada personagem em cada uma das séries da franquia (isso vai ser desenvolvido abaixo).

Por outro lado, Star Wars é uma narrativa escatológica, com características épicas e heroicas, focadas na trajetória de um ou dois personagens, desde sua gênese até sua apoteose. Cada um dos dois arcos principais (ou seja, as duas trilogias de filmes) é uma grande história completa traçada segundo o esquema da jornada do herói (Joseph Campbell).

O nome Wars (“Guerra”) caracteriza a fábula de Luke e Anakin Sktwalker como um conflito bélico, destacando heróis de guerra como figuras pivotais. Há complôs políticos, traições, golpes de Estado, a instauração de um regime de terror totalitário e sua consequente derrubada por uma força rebelde.

Ficção Científica e Fantasia

A Ficção Científica é um gênero amplo, que se baseia nas possibilidades aventadas pelo conhecimento científico para explorar enredos fictícios. Neste sentido, ela pode trazer especulações sobre o desenvolvimento da tecnologia e da sociedade, no passado ou no futuro, questionar-se quais seriam seus impactos sobre a vida das pessoas, ou imaginar formas biológicas alienígenas inexistentes (ou não), mas verossímeis e prováveis, bem como uma possível diversidade civilizatória dessas formas de vida.

Considerando esse conceito resumido de Ficção Científica, podemos encaixar perfeitamente a maior parte das histórias da franquia Star Trek neste gênero. Normalmente o mote dos episódios gira em torno de alguma das possibilidades citadas acima, com poucas exceções.

Por outro lado, Star Wars é uma ópera espacial que não se baseia especialmente em elementos científicos. Estes estão ali para compor o cenário e não para servir como mote para a trama. Em essência, Star Wars é uma fábula de capa e espada, uma aventura fantástica com elementos épicos que remetem a O Senhor dos Anéis e outras narrativas míticas (inclusive sendo toda inspirada, em seus personagens e sua trama, nos arquétipos e estruturas narrativas mitológicos).

A ficção científica em Star Wars serve de máscara para uma história heroica, remetendo ao teatro clássico, com episódios de tragédia e drama. O mais notável dos quais é a relação edipiana entre Luke Skywalker e Darth Vader. A sedução inevitável de Anakin Skywalker para o lado sombrio da Força também é tragicamente impressionante. O desenrolar desse épico tem início, meio e fim e a história completa um círculo triunfal, na forma de uma escatologia.

É possível reimaginar, por exemplo, toda a trajetória de Anakin e Luke Skywalker num cenário medieval, no Japão feudal, na Antiguidade grega ou nos moldes da cosmologia de povos indígenas, sem perder a essência de sua proposta (veja acima algumas criações do artista plástico Sillof, colocando os personagens em diversos cenários). Entretanto, não dá para reimaginar a maioria das histórias de Star Trek sem se valer dos elementos científicos, pois é a partir destes que se desenvolvem os episódios.

Personagens

Uma das principais diferenças entre os personagens de Star Trek e os de Star Wars é sua profundidade e complexidade. Resumindo, Star Trek apresenta personagens redondos enquanto Star Wars é encenada por personagens majoritariamente planos.

Eis alguns exemplos da complexidade dos personagens de Star Trek em quatro das séries que formam a franquia:

  • Série Clássica (TOS): O Sr. Spock pertence ao povo do planeta Vulcano, mas é filho de um vulcano com uma humana. Como foi criado para reprimir seus sentimentos, possui uma mente prodigiosamente racional e lógica. Porém, ele muitas vezes surpreende seus colegas e aos telespectadores com atitudes que fogem a esse padrão, e isso ocorre por dois motivos: 1) em algumas situações críticas, Spock se vê tomado pelas emoções reprimidas, e nesses momentos age de maneira ilógica; 2) quando está sóbrio, por se pautar na lógica, no discernimento e numa ética complexa, algumas vezes suas ações parecem fugir daquilo que se espera dele como um oficial da Frota Estelar, e o que parece ser insubordinação se revela um meio genial de se alcançar um bem maior.
  • A Nova Geração (TNG): O intrigante Q, criatura onipotente habitante do Continuum Q, aparece inicialmente como um antagonista e um dos mais perigosos vilões da tripulação comanda pelo capitão Picard. No entanto, à medida que vai aparecendo ao longo da série, ele por vezes ajuda os protagonistas (embora sempre à revelia destes). Q já perdeu seus poderes, tornando-se humano, e os recuperou após ter aprendido a sentir compaixão, já se valeu da ajuda dos mocinhos para realizar seus planos pessoais e já se viu como esposo e pai. No entanto, seu caráter sempre permaneceu ambíguo, nem vilão nem herói.
  • Deep Sace Nine (DS9): Os klingons são um povo cuja cultura é marcada pelo louvor à guerra, à conquista e a honra. Eles costumam cantar os feitos de seus heróis e adoram banquetear bebendo “vinho de sangue” (bloodwine). No entanto, tenente Worf, embora sempre carregue em seu olhar a ferocidade dos de sua raça, possui como marca registrada um siso e uma seriedade, mas sempre se mostrando muito zeloso e conservador com relação à cultura klingon, embora, paradoxalmente, tenha sido criado desde criança por pais humanos. Isso o coloca em grande conflito, por um lado, com humanos e a Federação e, por outro lado, com seus irmãos de sangue e o saudosismo do extinto Império Klingon. Em certo momento marcante, sua noiva pergunta porque ele não possui a alegria de viver que a maioria dos klingons tem, e ele revela que quando criança, jogando rúgbi com seus colegas humanos, acidentalmente matou um deles, o que o traumatizou para o resto da vida.
  • Voyager (VOY): Kathryn Janeway é a capitã da nave estelar Voyager. De início, ela encarna o arquétipo da mãe-rainha, encaregada de cuidar e acolher cada membro de sua equipe, sempre fiel às leis que regem a Federação e a Frota Estelar. Mas no decorrer da série ela mostra várias facetas que a tornam um personagem complexo, como a de guerreira destemida, de amante apaixonada e até a de mulher fatal, quando precisa seduzir um maligno holograma. Muitas vezes se vê diante de dilemas que colocam à prova sua lealdade aos princípios da Federação, e em algumas situações é obrigada a burlar esses princípios com vistas ao bem de sua tripulação.

É claro que estes não são os únicos exemplos. Há muitos personagens redondos em toda a franquia, mas podemos dizer que cada série tem um grau diferente de complexidade em seus personagens, sendo, em minha opinião, a Série Clássica a menos redonda e Deep Space Nine a mais redonda. Também não se pode deixar de afirmar que há vários personagens planos, mas eles não se destacam como protagonistas.

Star Wars, sendo bastante inspirada nas narrativas fantásticas e heroicas e tendo sua trama conduzida pelo esquema da luta maniqueísta entre o bem e o mal, apresenta personagens bem posicionados em seus papéis, sendo possível encaixá-los em dois ou três “lados”. Ou seja, ou os personagens são bons, lutando pelo bem e o Lado Claro da Força, ou são maus e se alinham ao Lado Sombrio da Força.

Quase não ocorrem traições ou mudanças de lado, por exemplo, os personagens bons (aliados à República ou à Aliança Rebelde) serão sempre bons, e os aliados aos Separatistas e ao Império são sempre maus. Alguns indivíduos podem até estar fora desse conflito político, ficando à margem de qualquer afiliação republicana ou imperialista, mas eles sempre estão num dos extremos do espectro. Um exemplo disso é o planeta Tatooine, planeta não-representado pela República e meio esquecido pelo Império, onde vemos personagens maus (como os bandidos de Mos Eisley e a máfia de Jabba) e bons (como a família Skywalker e seus amigos).

Há três notáveis exceções à regra, que assumem um papel ambíguo e uma personalidade conflituosa durante suas respectivas trajetórias na saga: Anakin Skywalker/Darth Vader, Han Solo e Lando Calrissian. Ambos mudam de lado e cada um passa por um período transitório de conflito. Mas mesmo aí se vê uma necessidade de se alinhar o personagem em uma de duas opções, nunca mantendo a ambiguidade por muito tempo. Talvez não por acaso, Darth Vader e Han Solo são dois dos personagens favoritos dos fãs de Star Wars.

Outra diferença entre os personagens das duas franquias diz respeito a sua verossimilhança e sua identificação maior ou menor com os mitos e personagens imaginários.

No cenário da Star Wars, os poderes de uma casta especial de guerreiros é ponto fundamental da trama, pois é entre os jedi que aparece o Escolhido e seu filho. Eles são predestinados desde o nascimento a se tornar elementos centrais dos vários episódios dessa saga épica. Tornam-se figuras notáveis como os grandes guerreiros invencíveis dos mitos antigos, tais quais Hércules, rei Arthur ou Sansão. A decisão de um desses heróis ou os efeitos de eventos externos sobre eles têm consequências galácticas, ou seja, eles têm, individualmente, poder de mudar a história.

Por outro lado, os protagonistas da Star Trek não são super-humanos. Eles se destacam muito mais por suas peculiaridades individuais e idiossincrasias pitorescas que servem de mote para o desenrolar das tramas dos episódios. Embora haja encontros com espécies alienígenas que possuem poderes sobre-humanos, o mais importante nesses encontros é a resolução das diferenças, as formas de se usar a diplomacia. Dessa forma, o destino de cada episódio não depende somente da decisão de um herói, mas de um conjunto de fatores os mais diversos e que muitas vezes fogem ao controle dos personagens.

Que a Força viva longa e prosperamente

Penso que a diferença mais básica entre Star Trek e Star Wars está no nível psíquico pelo qual cada uma fisga o expectador. Star Wars apela mais para os sentidos, deixando o espectador mais passivo diante do espetáculo, das cores e luzes, das batalhas e duelos e dos confrontos dramáticos entre os personagens. Em Star Trek, são os meandros da trama que interessam, e o espectador não para de pensar nas possibilidades de como será resolvido o roteiro, pois atiça a inteligência da plateia. Essa diferença, penso, pode guiar o apreciador de Ficção Científica e Fantasia a escolher entre uma experiência poético-dramática da guerra entre o bem e o mal ou uma experiência mais intelectual e abstrata na jornada pelas descobertas do Universo.

Links