Animais, inteligência e teimosia

Padrão

Certa vez li que os burros são animais inteligentes mas muito teimosos. Daí teria surgido o sentido pejorativo da palavra “burro”, inicialmente se referindo a pessoas teimosas e posteriormente variando de significado para caracterizar pessoas de baixa capacidade intelectual. Ou seja, acabou que o sentido figurado atualmente empregado à palavra contradiz a natureza dos animais citados, mais inteligentes do que vários outros tipos de bichos domésticos.

Mas essas noções de inteligência e teimosia são complicadas de se lidar (é preciso certo nível de inteligência para isso e os conceitos apresentam certa teimosia diante de quem tenta refletir sobre eles). Afinal, o que realmente significa inteligência? O que ela mede exatamente? Não vou nem tentar me debruçar sobre essa definição, mas vou simplificar as coisas da seguinte maneira: Inteligência é a capacidade de um organismo de resolver problemas.

Pensemos em dois dos mais comuns animais domésticos criados pelo ser humano, o gato e o cachorro. Existe certo consenso a respeito da suposta inteligência superior dos cachorros. Concorda-se em geral que eles têm mais facilidade de aprender truques e de se comunicar com os donos. Os gatos, por outro lado, são mais arredios e independentes; são, de certo modo, teimosos.

Voltamos assim à dicotomia inteligência/teimosia. Daí podemos afirmar que há como que uma noção que opõe os dois termos e que se traduz na seguinte afirmação: inteligência implica a capacidade de obedecer. Dessa forma, quando se fala na capacidade de um cachorro realizar truques ensinados por humanos, chamando isso de inteligência, também chegamos a uma afirmação oposta: não obedecer é sinal de baixa inteligência.

Não há como não pensar naquele velho adágio: “manda quem pode, obedece quem tem juízo”. A partir disso podemos notar sinais de uma ideologia insidiosa vindo à tona. Percebemos que aquela inocente classificação dos animais em mais ou menos inteligentes está atrelada a uma mentalidade autoritária que preza pela manutenção de uma ordem e de uma hierarquia social. Animal inteligente seria aquele que, obedecendo ao dono, evita ser punido por este. Aí está o orgaismo resolvendo o problema de afastar de si a dor causada por um opressor.

Se pensarmos sob um outro ângulo, seguindo um outro conjunto de valores, poderíamos muito bem pensar que a inteligência está na capacidade de resolver problemas sem a interferência de um agente externo. Se os gatos são desobedientes, eles podem ser considerados, nessa perspectiva, como mais inteligentes que os cachorros, já que conseguem as mesmas regalias dos donos sem agir como bajuladores que colocam a língua para fora e abanam o rabo (ou então encontram fora de casa as fontes para saciar suas necessidades). Gatos seriam mais inteligentes, pois resolvem seus problemas sem se sujeitar a seus “donos” e com criatividade.

A pedagogia tradicional no Ocidente costumava se fazer, e em alguns contextos ainda se faz, pela imposição do conhecimento aos estudantes. A inteligência de um aluno é medida por sua capacidade de reproduzir os saberes repassados pelo professor. Os alunos teimosos, que não seguem as normas de conduta em sala de aula, geralmente coincidem com os alunos “burros”, que não apreendem o conteúdo, administrado pelo docente e sem possibilidade de questionamentos.

Ficando ainda indefinido o conceito de inteligência para nós, considerando inclusive que existem vários tipos de inteligência (burros, cachorros e gatos têm cada um a preponderância de um desses tipos – e cada indivíduo de cada espécie varia em sua própria individualidade), o que podemos perceber com menos incerteza, até onde nossa capacidade de entendimento alcança, é que a ideologia da inteligência preconiza o valor conservador da obediência incondicional. “Manda quem pode, obedece quem tem juízo” é um dito que implica que não é preciso ser inteligente (ter juízo) para mandar.

Nas sociedades com Estado e com valores tradicionais arraigados, como a nossa, “burro” é quem não abaixa a cabeça diante da Polícia, é quem não disfarça sua sexualidade desviante ou sua identidade de gênero não-convencional, é a mulher que não se sujeita ao marido, é o negro pobre que reclama do baixo salário, é a criança autodidata que procura aprender através de meios não-instituídos. Na revolução dos bichos, são os teimosos que podem acabar com a ditadura dos porcos.

Professor

Padrão

Como seres humanos, dependemos por natureza da presença de outros de nossa espécie para realizarmos nosso potencial mínimo, básico. Sem a presença de adultos, as crianças não aprendem a falar e dificilmente conseguirão andar. Sem a intervenção da cultura, personificada nesses adultos, o indivíduo não aprende noções e regras básicas para o convívio social. Sem esse aprendizado, o Homo não se torna sapiens.

Assim, a função de professores e educadores (e da Pedagogia) é fundamental para o desenvolvimento de indivíduos e de uma sociedade ética e democrática. Somente com um sistema (formal ou não) educacional de qualidade e igualitário é que podemos ter a difusão do conhecimento.

Cada um de nós foi acolhido no seio da humanidade ao nascer, foi alimentado com leite, afeto e palavras . Cada um de nós tem o potencial para se tornar um professor, um difusor daquilo que recebemos, dando alguma orientação às gerações seguintes.

A função daqueles que se dedicam profissionalmente à Educação não é apenas ensinar e orientar, mas desenvolver a ciência Pedagogia e explicitar sua importância, servindo de exemplo não só para educandos, mas para aqueles que já o foram e que podem atuar cotidianamente como professores e educadores em situações pontuais. Afinal, conhecimento todos nós temos, mas a arte da Didática é dominada por poucos.

Coleção de sinapses 8

Padrão

Nesta semana contribuí com um abaixo-assinado contra o trabalho escravo e outro a favor da manutenção da política de regularização de territórios quilombolas. Li sobre cientistas que contribuíram para desfazer a imagem das lulas gigantes como monstros, enquanto a Editora Abril se mostrou um monstro ao demitir um de seus renomados funcionários que fez a besteira de exercer sua liberdade de expressão.

Vi um ovo projetar um pinto numa releitura imagética da natureza e li sobre uma triste tentativa do estado do Arizona de levar uma releitura empobrecida da história americana para as escolas. Vi também uma releitura escultural da fictícia morada de Bilbo Bolseiro e um leitura cultural e histórico do papel dos negros, da escravidão e da Abolição no Brasil, enquanto ouvia uma conversa sobre a ficção científica de Douglas Adams, que aborda a cultura, a história, a vida, o universo e tudo mais.

Abaixo-assinado pela aprovação da PEC do Trabalho Escravo -PECcravo do Trabalho E

O trabalho escravo foi abolido oficialmente no dia 13 de maio de 1888, mas não o foi de fato. É preciso que o Estado exerça o princípio contido na Lei Áurea, de acabar efetivamente com qualquer situação de alienação dos indivíduos humanos de sua própria integridade e liberdade.

Quilombolas-STF – PetitionOnline

A política de regularização de territórios quilombolas promovida pelo Estado brasileiro tem falhas conceituais e processuais. Mas ela é necessária para que a Reforma Agrária do país seja completa. Há muita gente vivendo há muito tempo em terras sobre as quais não consegue exercer o direito de propriedade, devido à situação marginalizada e à opressão de quem se utiliza de poder político, econômico e social para esbulhar e se apossar do que acha que pode ser seu. Penso que há muito o que mudar na referida política, mas acho que isso deve ser feito sem que os trabalhos já iniciados seja prejudicados e mais gente continue vendo seus direitos humanos negados.

Colossal Squid Is No Monster, Study Finds – LiveScience

A lula gigante provavelmente inspirou o mítico monstro Kraken, do imaginário escandinavo. Mas, se observarmos bem a natureza, muitos dos maiores animais não são caçadores e são os mais dóceis (contanto, claro, que os deixemos em paz). Elefantes, baleias, girafas, hipopótamos; na pré-história, braquiossauros, tricerátopes, mamenquissauros… até porque quanto maior é o animal, mais lento ele é.  Bbiólogos estão descobrindo que as lulas gigantes não são predadores ferozes, mas esperam pela presa para agarrá-la.

Jornalista é demitido da National Geographic por criticar Veja no Twitter – PortalImprensa

Felipe Milanez utilizou sua conta de Twitter pessoal para criticar o racismo e a manipulação de informações da revista Veja. Mas, mesmo tendo tido um papel importante para a consolidação da National Geographic no Brasil, foi demitido. É claro que uma empresa quer que seus empregados zelem pelo nome e a reputação de seus patrões. Mas… ora bolas, a Veja tem uma péssima reputação na visão de muitos jornalistas. A Nat Geo é uma ótima revista, talvez por veicular informações que não tocam tanto em assuntos políticos, que é um dos pontos fracos do Brasil.

Chicken and the Egg – Tim O’Brien

Uma ilustração bonita e original, uma metáfora entre natureza e tecnologia. O que veio primeiro, o ovo, o projetor ou a galinha? Essa imagem, aliás, me remeteu ao estilo de Luigi Serafini, em seu extravagante e surreal livro Codex Seraphinianus.

Estado do Arizona proíbe matérias sobre minorias étnicas nas escolas – G1 Mundo

Os Estados Unidos talvez sejam o país que mais contribui para a visão ocidental (compartilhada pela cultura brasileira também) de que o branco-caucasiano-europeu-dolicocéfalo é o humano normal, sendo os outros povos e etnias considerados variações menos perfeitas e que precisam abandonar a primitividade e adotar o American Way of Life, mais evoluído, mais avançado, mais humano… Negar a diversidade humana é uma forma de negar uma das características mais fundamentais de nossa espécie, e negar a contribuição de múltiplas origens da história dos EUA é dividir desigualmente o prêmio da construção do Império Norte-americano. Agora o Arizona quer ensinar às crianças a se definir como exclusivamente euro-descendentes, negando sua mestiçagem (biológica ou não, mas cultural certamente) e até esquecendo que seu atual presidente é um autodeclarado mestiço.

My Hand Made Hobbit Hole – Bag End from Lord of the Rings – Madshobbithole’s Blog

Uma muito bonita adaptação artesanal da casa de Bilbo Bolseiro (protagonista de O Hobbit, de J. R. R. Tolkien), escavada dentro de uma colina. A morada de Bilbo já é para os humanos medianos uma miniatura, e essa miniatura da miniatura nos remete ao fascínio pelas representações diminuídas da realidade “normal”. É como se , ao nos imaginarmos naquele cenário miniaturizado, simulássemos o desejo de ser pequenos, ou seja, de voltar a ser crianças. O mais interessante, no entanto, é que isso tudo está me inspirando para escrever um texto mais longo sobre o tema… aguardem.

O Negro No Brasil Pós-Abolição – Conversa de Bar

13 de Maio – Conversa de Bar

13 de Maio – Dia Nacional de Luta Contra o Racismo – Conversa de Bar

Eduardo Prado fez em seu blog Conversa de Bar um pequeno dossiê sobre o racismo e a Abolição da escravidão, ensejado pelo 13 de maio. Como já discorri acima, a escravidão é um processo incacabado. Além disso, a Abolição é um fato controverso de nossa história, pois aboliu a condição de escravos dos africanos e seus descendentes, mas não houve nenhuma ação do Estado para que esses recém-libertos passassem a viver como gente livre. Daí toda uma série de desigualdades que se perpetua até hoje.

Nerdcast 209 – Douglas Adams – A Vida, o Universo e Tudo Mais – Jovem Nerd

A “trilogia de 5 livros” O Guia do Mochileiro das Galáxias, de Douglas Adams, é uma ótima fonte de diversão inteligente, humor intelectual ou qualquer coisa parecida. Um belo exemplo do refinado humor britânico, aplicado à ficção científica e às histórias de aventura espacial. Neste episódio do Nerdcast, os locutores faze um apanhado dos de alguns dos aspectos mais interessantes da obra de Adams. Mas eu sugiro veementemente que o ouvinte leia pelo menos o primeiro livro da “trilogia” antes de escutar o episódio. E se prepare para sair com sua toalha no dia 25 deste mês. A propósito… NÃO ENTRE EM PÂNICO!

Coleção de sinapses 6

Padrão

Essa semana não identificamos a raça de duas caveiras, mas identificamos a mesma imagem fotografada e desenhada ao mesmo tempo. Vimos que ao mesmo tempo também ocorre a censura e a revolta da liberdade de expressão. Uma música revoltosa e apocalíptica do Therion foi apreciada, bem como o Theremin e seu gracioso som, feérico como a música de Enya.

A Força de uma galáxia distante apareceu num lugar inesperado, e descobrimos marcas alienígenas em toalhas (Douglas Adams tem algo a ver com isso?), bem como relatos de extraterrestres no interior do Mato Grosso do Sul. E do interior do Rio Grande do Norte, um violeiro autodidata ancião demonstra habilidade no improviso em verso e violão, enquanto vemos um debate sobre educação em casa versus a educação formal na Escola.

Camiseta Igualdade – RedBug Camisetas

Apesar dos estudos do racismo científico afirmarem que é possível identificar a “raça” de uma pessoa pelas medidas do crânio, com a miscigenação generalizada na face da Terra não dá mais para dizer com tanta certeza se alguém é “negro” ou “branco” só pela caveira.  O sorriso esquelético  por trás de pele e músculo é o mesmo.

Hotlink – Nerdson não vai à Escola

Informações muito importantes sobre ética na internet, mais especificamente sobre os hotlinks, ou seja, o uso de material hospedado fora de seu próprio domínio. Essa foi uma das razões para eu ter escolhido uma hospedagem sem limites de armazenamento, para que eu não precisasse nunca “puxar” imagens de outros sites, clandestinamente, “comendo” a bandwidth alheia.

Arthur (Rick Wakeman) – YouTube

Os teclados de Rick Wakeman visitam Camelot nesse clássico dos anos 70. Conheci essa música há alguns anos através de um vinil do meu pai. Uma canção épica, de descoberta e nostalgia de um tempo de transição entre a antiguidade pagã e o cristianismo medieval. Emocionante.

Lápis vs câmera – Assuntos Criativos

Montagens criativas de Ben Heine, em que a realidade da fotografia se encontra com a surrealidade do desenho.

Tratado do Lobo da Estepe: Só para Loucos (Herman Hesse) – Rubedo

Um belo texto literário sobre autoconhcimento, sobre os antagonismos íntimos entre superego e id, entre razão e instinto, entre a ordem e o caos. Minha Inês tem esse livro me recomendou muito. Ainda não conheço quase nada de Herman Hesse, mas fiquei empolgado.

100 posters sobre liberdade de expressão – Design on the Rocks

Desenhos criativos (alguns nem tanto) sobre o conflito entre liberdade de expressão e censura. Às vezes a repressão cria condições para o surgimento de obras muito criativas, que tematizam a própria censura, como é o caso de muitas das canções de Chico Buarque.
"Censura" e "Esta boca é minha"

To Mega Therion (Therion) – YouTube

Uma música apocalíptica, escatológica, que lembra um desmoronar espetacular do mundo pelas forças da natureza.

Theremin, A Música Etérea dos Deuses – Negative Zero

Randy George’s Theremin Music Channel – YouTube

Informações sobre esse intrigante instrumento musical inventado na Rússia, que faz o instrumentista parecer o maestro de uma orquestra invisível. Confiram também o segundo link, com vídeos de Randy George tocando o Theremin.

Porutogaro-gô: O desafio do idioma de Camões para velhinhos japoneses – CartaCapital

Uma crônica pitoresca sobre os encontros brasileiros entre o Português e o Nihon-go (ou o Porutogaru-go e o Japonês). Nessa história, a gente percebe que o que interessa não é dominar um idioma, mas aprender a se comunicar.

Tea House Moon (Enya) – YouTube

Singela e doce. Lembra gotas de mel caindo. Deveria se  chamar “Honey House Moon”.

“May the Force be with you” – Twitpic

É aí que averiguamos que Guerra nas Estrelas realmente se tornou parte do repertório cultural do Ocidente, quase uma mitologia marginal.

Conjunto Toalhas Crop Circles – Nerdstore

Um produto para nerds, entusiastas de Ufologia e malucos em geral. Fiquei com vontade de comprar, mas R$ 39,90 por 2 toalhas… Mas que é criativa e bonita, isso é. E me faz recordar de quando eu viajava pelo espaço visitando outros planetas…

The Heroes of Hesiod: A Monster Slayers Adventure – Dungeons & Dragons

Fiquei com vontade de traduzir esse livrinho para jogar com meu neto-enteado. Mas talvez seja só uma desculpa para eu voltar a jogar RPG…

O ET de Corguinho – Estadão

São muito intrigantes os relatos de pessoas semianalfabetas que se encaixam com dados ufológicos e com as teorias sobre a manifestação da consciência em outras dimensões, como a Conscienciologia, da qual sou estudioso. Talvez esses ETs não estejam fisicamente por aí, mas extrafisicamente, e seja através do parapsiquismo (percepção extrassensorial) dos personagens dessa história que eles são vistos.

Pais contratam ‘palhaço do mal’ para aterrorizar crianças por uma semana – G1 Planeta Bizarro

Minha ideia é levar um pouco de vida e gargalhada para as crianças. [Dominic Deville, “palhaço do mal”]

Só pode ser piada. Acho que tem criança que até pode gostar da brincadeira, mas depois que algumas delas desenvolverem coulrofobia eu quero ver se esse palhaço continua com esse estranho ofício.

Chico Mote Improvisando na Casa da Amizade – YouTube

Eis meu sogro, membro da Academia de Trovas do Rio Grande do Norte, improvisando em cima de motes sugeridos por José Lucas de Barros. E olhem que Chico Mota já está com 85 anos, não estava acompanhado (quando os violeiros estão em dupla, um pode pensar nos versos enquanto o outro toca) e já tinha bebido algumas. Eu não faria isso nem sóbrio e nem com um parceiro…

A propósito, abri um blog sobre Chico Mota (http://violadechicomota.blogspot.com/) para compilar informações sobre esse renomado violeiro, sobre quem não há quase nada na internet.

Napëpë – Yanomami Ask Their Blood Back – YouTube

Trechos de um filme sobre o conflito cultural entre a indústria farmacêutica e os Ianomâmis, que tiveram amostras de sangue coletadas há alguns anos e acreditam que uma pessoa falecida só pode descansar em paz se não houver mais nenhum pedaço de seu corpo vivo. Eles demandam a devolução das amostras.

Entrevista especial com Cleber Nunes – A educação em casa como um direito básico – O PEnsador Selvagem!

Entrevista especial com Rudá Ricci – O homeschooling é uma afronta ao projeto coletivo de sociedade – O Pensador Selvagem!

Um debate complicado. Se por um lado a escola traz muitos problemas de compatibilidade entre os valores dos pais e os da instituição de ensino, por outro lado a vida moderna dificulta muito a dedicação dos pais para assumir a formação de suas crianças. Acho que o ideal, na atual conjuntura, é procurar equilibrar as duas coisas. Os pais podem e devem participar do desenvolvimento cognitivo dos filhos, mas a maioria não tem tempo para fazer isso da forma mais adequada, e a escola poderia suprir essa necessidade. Porém, é sempre preciso conhecer bem onde você está colocando seu filho para ser educado.