A primeira toalha de Hipólita

Padrão

“Clio, o que há de errado?”

“Nada, Hipólita, tava só pensando…”

“Quer desistir? Sei que você tem gostado muito deste lugarzinho sem graça, deste planetinha praticamente inofensivo, mas temos que seguir em frente. Nosso trabalho… quero dizer, seu trabalho aqui terminou, ainda temos muitos mundos para visitar antes de… bem, de qualquer forma, depois que tivermos concluído tudo, você pode voltar aqui e ficar dando peixes aos golfinhos até o fim do universo.”

“Não é isso… é que tenho um pressentimento… como se algo horrível fosse acontecer a qualquer momento e nunca mais vou poder voltar aqui…”

“Escute, Clio, você talvez esteja cansada desta vida de repórter interplanetária, deve ter visitado quarenta e dois mil mundos por essa galáxia afora, mas eu estou confinada à Terra desde que nasci, e não posso perder a oportunidade de conhecer outras paragens. Ter conhecido e feito amizade com uma mulher extraterrestre, na arquibancada de um jogo de críquete, que por acaso está só de passagem neste planeta e que conhece uma maneira de me tirar daqui é uma tremenda improbabilidade!”

“Infinita paciência me deem os divinos designers de Magrathea! Minha cara Hipólita, não estou querendo cortar seu barato, só estou dizendo que estou preocupada.Toda mulher de Betelgeuse tem um oitavo sentido, sabe? Mas se houver qualquer grande tragédia vindo aí para assolar a Terra, não poderemos fazer nada, não é? Mas pode ser que eu esteja enganada… o que estou querendo dizer é: NÃO ENTRE EM PÂNICO! Prometo que você vai cair fora deste seu pitoresco planeta, ou não me chamo Clio Renault!”

“Você não se chama Clio Renault, minha amiga…”

“Não importa. Vamos às compras!”

“Hem?!”

“Se liga, Hipólita! Se quer viajar pela galáxia, tem que se preparar!”


“Vai lá, Hipólita, escolha uma.”

“Hum… gosto desta estampa com cachalotes… essa aqui com vasinhos de petúnia também me agrada…”

“Tanto faz, amiga, temos pouco tempo. Vamos logo ao caixa.”

“Ué, só vamos comprar isso?”

“Você vai precisar disso mais do que qualquer outra coisa nessa viagem. Bem, agora que já fomos na loja de roupa, mesa e banho, devo lhe entregar isto.”

“Ah, então esse é o famoso…”

“Manual do Caroneiro Interplanetário, 1ª Edição.”

“Hem? Pensei que se chamasse Guia…”

“Não trabalho mais pare eles agora. Recebi uma proposta irrecusável. O Manual é o futuro em termos de compêndios para viajantes, Hipólita! Eles têm uma proposta diferenciada, que vai revolucionar a maneira como os mochileiros aproveitam suas viagens interplanetárias.”

“Hum… para mim dá no mesmo, ainda sou iniciante…”

“Agora vem a parte divertida. Mostre-me sua orelha.”

“Ah, aquele tal de peixe-babel que você falou…”

“Errou de novo, amiga. Os pesquisadores do Manual descobriram algo muito mais surpreendente. Apresento-lhe o polvo-uhura!”

“Hem?”

“Parece um pequeno octópode arroxeado. Depois que é introduzido no ouvido, ele espalha seus finíssimos tentáculos pelo sistema nervoso do hospedeiro. E aí vem a melhor parte! Ele não apenas traduz automaticamente qualquer idioma de qualquer lugar da galáxia (como também faz o peixe-babel), mas cria ondas nervosas extracutâneas que reverberam nos cérebros de outras criaturas e as fazem achar que você pertence à espécie delas! Não é demais?!”

“Hem?! Quer dizer que, se eu usar esse peixe-uhura, uma pessoa de outra espécie, digamos, um vogon, vai me ver como uma vogon?”

“Exato! Além disso, e essa é a parte mais espetacular de todas, o polvo-uhura cria uma rede de ondas cerebrais, uma espécie de teia neuronial virtual através do espaço, que liga todos os usuários desse pequeno molusco. Essa rede angaria informações e conhecimentos que são transmitidas automaticamente para os mainframes na sede do Manual, e é aí que essa obra supera de longe o Guia, pois é constantemente alimentada por informações de pessoas que nem sabem que estão contribuindo!”

“Impressionante! E você, vai usar um desses bichinhos também?”

“Eu já uso um. Quando você me conheceu eu já usava.”

“É mesmo? Então… peraí, quer dizer que você não é assim?! Digo, sempre me perguntei quais eram as probabilidades de uma alienígena ser tão parecida com um ser humano…”

“Você é quase tão esperta quanto um rato, amiga!”

“Hem?”

“Pare de dizer ‘hem?’! Vamos nessa!”

“Puxa, Clio, nem acredito que você está fazendo esse favor por mim… você tem um coração de ouro, sabia?! Não sei nem como agradecer!”

“Que nada. É sempre bom ter companhia. Em nossa próxima parada você me paga uma dinamite pangaláctica. Agora segure sua toalha que vamos pegar uma carona…”

Eram os Deuses Astronautas?

Padrão

Provavelmente não. Mas é fácil pensar que sim. O olhar contemporâneo antropocêntrico, eurocêntrico, enfim, etnocêntrico, interpreta as manifestações de outras culturas e épocas segundo seus próprios parâmetros e experiências. Por isso, quando Erich von Däniken pergunta “eram os deuses astronautas?”, é preciso abordar a questão de forma crítica e despojada das pré-noções de quem se atreve a investigar esse tema.

A primeira vez que me deparei com Eram os Deuses Astronautas? foi com uma velha edição de capa verde do meu pai, e este me causou a impressão de que era uma obra impressionante, que revelava uma realidade perturbadora sobre nossos passado e origem. Não cheguei a ler o livro na época. Mas há poucos anos adquiri uma edição nova e, mais interessado do que nunca sobre qualquer tema relacionado a extraterrestres, li o livro rapidamente, sem sentir o impacto que normalmente os leitores dizem sentir.

Continue lendo

Uma foto em preto e branco

Padrão

Em 1983 e.c., o fotógrafo Luiz Morier flagrou uma cena que se tornaria célebre, embora retratasse uma situação muito constrangedora para os brasileiros. No meio do mato, à beira da estrada Grajaú-Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, policiais prendiam homens pobres, amarrando seus pescoços numa corda. A cena ecoava a época da escravidão no Brasil, pois os presos eram todos negros, enquanto o policial que apareceu na foto era branco.

Os ecos da escravidão ainda reverberam nos dias de hoje e deveriam ter há muito tempo sido superados pelos ideais modernos, mas ainda presenciamos as perseguições policiais que discriminam os suspeitos por seus traços físicos e a coação de populações rurais por fazendeiros abastados (com dinheiro e poder político).

A foto de Morier mostra a continuação histórica de uma relação social e econômica que, desde o Brasil escravista, não mudou significativamente. Os negros, que eram escravos no Brasil colônia, considerados inferiores tanto por sua condição quanto por sua “raça”, sofrem hoje um menosprezo residual muito forte, raramente conseguem realizar os sonhos de sucesso individualista de nossa sociedade e são um dos antimodelos de beleza, segundo uma estética que ainda tem como arquétipo o europeu branco e loiro.

No limite, os negros são forçados a se submeter à brutalidade. O ouvidor da polícia da Bahia Luiz Gonzaga Dantas, em matéria da Carta Capital, faz uma comparação pertinente:

Infelizmente, muitos policiais ainda se portam como verdadeiros capitães do mato dos tempos da escravidão. O negro, pobre e marginalizado, é sempre visto como suspeito e rotineiramente é vítima de abordagens truculentas.

Essa frase seria uma legenda perfeita para a foto de Morier.

Todos Negros

“Todos negros”, a cena captada por Morier

Racismo institucional

No campo, o racismo institucional se revela no desprezo às vidas de comunidades que tiram da terra sua subsistência. Pequenos agricultores são esmagados por latifundiários que se aproveitam de sua influência econômica e política para reivindicar a propriedade de imóveis que nunca ocuparam antes. E ai dos “pequenos” que ousarem desafiar os “grandes”.

No entanto, vivemos atualmente uma conjuntura sócio-política que, a meu ver, aponta para uma perspectiva mais otimista. A política de regularização de territórios quilombolas tem servido para contornar as dificuldades de se dar a populações rurais descendentes de escravos negros (seja daqueles que escaparam do cativeiro, seja dos que ficaram largados à própria sorte depois da Abolição) condições mínimas para viver dignamente.

Paradoxalmente, essa política tem trazido à tona a reação violenta dos grandes proprietários que ocupam as terras reivindicadas pelas comunidades (com o intermédio do INCRA). Essas terras normalmente compõem o território tradicionalmente ocupado pelos quilombos (e que foram esbulhadas) ou são terras necessárias para sua reprodução física, econômica, social e cultural.

As comunidades quilombolas são tão invisíveis que muitas vezes não se encontram registros documentais de sua existência, e só se pode valer de testemunhos orais para atestar a ocupação histórica de um determinado território por uma certa comunidade. Da parte dos latifundiários, por outro lado, documentos podem ser encomendados e servem para garantir a posse legal de tantas terras quantas puderem comprar (ou surrupiar).

Toda essa situação de violência, opressão e impunidade permaneceu velada por muitas décadas, e a “paz no campo” tem sido garantida por um descaso geral. Mas a política de regularização de territórios quilombolas assinala, como disse acima, um pouco de otimismo. Se, por um lado, as reivindicações das comunidades, que equivalem a desafiar o poder instituído, trazem as esperadas retaliações, por outro lado, a visibilidade que elas têm ganhado em toda a mídia pode servir como constrangimento para aqueles que oprimem. As ações destes também não deixam de ser amplamente denunciadas e nacionalmente veiculadas.

Alguns exemplos

Abaixo relaciono uns poucos exemplos (de um universo que abrange todo o Brasil) de situações de conflitos entre comunidades e “grandes” proprietários.

Em 2008, a comunidade quilombola de São Francisco do Paraguaçu, na Bahia, sofreu várias ameaças de fazendeiros descontentes com o processo de regularização do território da comunidade. Além de “visitarem” a comunidade com arma em punho e acompanhados de jagunços, os latifundiários conseguiram enviar policiais com uma intimação, autorizados a demolir roças.

O impacto emocional  foi tão grande que dois anciãos da comunidade, Maria das Dores de Jesus Correia, mais conhecida como Maria do Paraguaçu, e Altino da Cruz, faleceram alguns dias depois.

O exemplo da comunidade quilombola Família Silva, em Porto Alegre/RS, deixa bem explícito que muitos policiais ainda agem como guardiães da elite e de seus interesses. A comunidade negra urbana em questão é um incômodo para a sociedade branca no meio da qual vive, como diz essa matéria do Coletivo Catarse:

Negros e pobres, vivendo num bairro predominantemente de brancos e ricos, os quilombolas se dizem cansados de sofrer com as batidas policiais e denunciam a Brigada Militar por racismo institucional.

A agressão dos policiais nesta comunidade atingiu o ponto em que a privacidade e a integridade física dos quilombolas foram violadas. O repórter da matéria citada relata uma cena que parece saída de um drama fictício e que explicita as contradições de nossas representações de moral e justiça:

Enquanto produzíamos a reportagem, ouvimos o relato de uma conversa que aconteceu na noite do dia 25 de agosto. Apavorado com os homens armados dentro do quilombo, uma criança pede ao pai que chame a polícia para defendê-los. O pai responde que esses homens em sua casa são a polícia.

Um caso recentíssimo de ameaças causou polêmica em Sergipe. Não só os quilombolas foram ameaçados de morte por fazendeiros da elite, mas também o foi a deputada estadual Ana Lucia Menezes, do PT, que se pronunciou diante da OAB, de representantes do Sintese e da Igreja Católica. A deputada é conhecida por seu apoio às comunidades quilombolas, à Reforma Agrária e às questões ambientais.

Utopia

Um exemplo mais próximo de minha experiência são as ameaças sofridas pela comunidade quilombola de Boa Vista dos Negros, no município de Parelhas/RN. Cheguei a ouvir de um proprietário (conhecido por se apossar das terras da comunidade), muito idoso, que se ele tivesse mais dinheiro “tomava o resto das terras deles todinho e ainda mandava dar uma surra neles”. (Contei essa história no post Racismo no Rio Grande do Norte).

Ou seja, as coisas estão longe da situação utópica. A violência continua e a lei que teoricamente protege sem distinção a todos os cidadãos não alcança determinados âmbitos. Mas, com o tempo (talvez muito tempo ainda) e com mais visibilidade, é possível que o medo deixe de ser sentido pelos “pequenos” e contamine o coração dos “grandes”, que vão pensar duas vezes antes de reivindicar seus “direitos”.

Links

Paradoxos

Paradoxos
Padrão

Numa cena de Matrix, o Oráculo diz a Neo que ele não se preocupe com o vaso que vai quebrar. Num gesto de surpresa, “Que vaso?”, ela bate o braço e faz um vaso cair no chão. Paradoxos podem causar vertigens. Mas são ótimos exercícios mentais: “Eu sempre minto”. Se isso é verdade, então o que eu acabei de dizer é mentira. Se é mentira, então confirmo o que eu tinha dito, ou seja, era verdade. Mas, se era verdade…

Os paradoxos têm uma importância que transcende a mera diversão que proporcionam em discussões que nunca terminam. Eles servem para entedermos as limitações de nossa capacidade de compreender o universo e, assim, buscar a superação dessas limitações. Se Pinóquio, cujo nariz cresce cada vez que ele mente, dissesse “Meu nariz vai crescer agora“, o que aconteceria? Ele estaria mentindo, pois não havia dito nenhuma mentira antes, o que significa que seu nariz realmente cresceria, o que caracteriza sua afirmação como verdadeira.

Continue lendo