Mitose Neural 5 – Street Fighter II

Padrão

Saudações! Bem-vindos a nossa espaçonave Mitose Neural! Neste episódio 5 do podcast da Teia Neuronial, Thiago Tecelão, Diego Misantropo e Werner Gnomo (Joy’s Tip) conversam sobre o jogo Street Fighter II, da Capcom, discorrendo sobre sua origem, seu impacto e repercussões no mundo dos video games e na cultura pop, bem como reflexões a respeito de estereótipos étnicos e nacionais.

Veja as opções de download no final do post.

Leia também

Links deste episódio

Antecedentes

Street Fighter II

Repercussões

Bonus links deste episódio

Contato – Diga-nos o que achou deste episódio!

Assine o feed

Baixe o arquivo em MP3 ou em ZIP

18 comentários sobre “Mitose Neural 5 – Street Fighter II

  1. opa pessoal,
    quem tira o olho do sagt é o pai do dan hibiki, chamado go hibiki. dá pra ver isso no street figther alpha 2. Gou aparece quando Dan ou Ryu é selecionado para lutar com sagat, ele aparece na mão de Sagat que antes de começar a luta ele o joga morto e o lado do tapaolho brilha. Ele tb teve os mesmos problemas que akuma e se deixou levar pelo "lado negro da força'. Tá cada vez melhor os podcasts, parabéns aí, parte técnica tb tá de primeira.

    • Acho que eu já tinha lido eu algum lugar sobre isso.

      O que eu sabia com certeza era que Sagat tinha matado o pai de Dan e este tem tentado se vingar. Por causa da motivação não nobre de Dan, o mestre dele (o mesmo de Ryu e Ken) o expulsou, e ele inventou seu próprio estilo de luta, o Saikyô.

      Ele também treinou (ou tentou treinar) Sakura e Blanka, mas aquela segue mais de perto o estilo de Ryu (de quem é fã) e o brasileiro definitivamente não aproveitou nada desse "treinamento" (ainda bem).

      Valeu pela força! 🙂

  2. Werner

    o estilo de Ken e Ryu é Ansatsuken, e é fictício (http://en.wikipedia.org/wiki/Ansatsuken). Eu disse que não era Shotokan.

    Tem outra coisa interessante, relacionada aos personagens jogáveis de SFII original:
    Ken, Guile -> EUA
    Ryu, E.Honda -> Japão
    e o resto:
    Blanka -> Brasil -> B
    Zangief -> Rússia -> R
    Dhalsim -> Índia -> I
    Chun-li -> China -> C

    A CAPCOM previu o BRIC! (antes da entrada da África do Sul e virar BRICS)

  3. Samuray

    Fala galera!
    Em primeiro lugar, não vou perder a oportunidade de parabenizar a iniciativa de vcs, o Podcast é uma proposta realmente interessante de informação.
    Merito do elenco, um trio de alto nivel, com sacadas inteligentes, muita
    informação e bom humor,receita certa para prender qualquer audiencia.

    O tema dos mais oportunos dispensa maiores comentarios…Street Fighter já faz parte da "BIOS" de todos que curtem games no mais franco e amplo sentido da palavra.
    Lembro do impacto como se fosse ontem… quando vi pela primeira vez Street Fighter II,na epoca que fliperama era sinonimo de vanguarda tecnologica de cunho puramente messianico,ehehe…enfim Street Fighter não foi um sucesso por acaso…os graficos estilosos, bem animados e detalhes sofisticados de uma paleta de cores generosa para epoca…o som, com canais de voz exclusivos e boa modulação FM sem distorções (a placa da capcom a lendaria CPS-1 possuia 2 chips para audio era composto por um microprocessador Z-80 de 8 bits da Zilog que hoje é usado como simples controlador de teclado para os PC atuais e o conhecido chip YM2151 da yamaha,este ultimo que fez muita gente gostar de musica e fez Historia)…a jogabilidade de primeira…Street Fighter II é "crasse A" , pura Lenda!.è o referencial "terra" de todos os games de luta da atualidade.

    O pequeno grande Gnomo falou sobre Yie Ar Kung Fu da Konami de forma muito oportuna…muito embora não tenha sido realmente o primeiro game que inspirou o estilo("Heavyweight Champ" -1976 da Sega e "karate Champ" -1984 da Technos, antecederam o game da Konami)falou com propriedade de um game realmente divertido e que marcou epoca…game este bem conhecido no MSX ,computador de 8 bits muito popular na decada de 90 no Brasil …impossivel não viver a Nostalgia…de carregar games usando gravador onde os games estavam gravados em fitas cassetes, situação absurda para a geração bluetooth de hoje em dia,ehehe…jogar exigia uma boa dose de paciencia…quando conheci o MSX em 1989, um datacorder(o gravador) era obrigatorio para a jogatina e nomes como Konami eram cultuados religiosamente,ehehe…Yie Ar Kung Fu I e II eram obrigatorios para qualquer gamer da epoca.
    Enfim…
    Parabéns a todos pela qualidade e viagem de alto nivel, com certeza esse Podcast promete.
    gde abraço!!

  4. Werner

    E aê, Samuray?!
    Yie Ar Kung Fu é considerado por muitos como o pai dos jogos de luta, não é opinião minha. Os outros dois citados por você são anteriores mas são muito diferentes do que se tem hoje em dia. O que eu citei possui: KO no meio, barras de life que diminuem para o centro da tela, lutadores de estilos diferentes e é bem menos obscuro que esses outros… (o de boxe que citou, por exemplo, além de ser só boxe nem manteve o estilo na continuação).
    Mas valeu pelas referências, com certeza fazem parte da história dos jogos de luta.

  5. Samuray

    Grande Gnomo!

    Sem duvida, velho amigo, e eu não disse o contrário.
    O estilo ganhou maturidade, linha e escopo com Yie Ar Kung Fu é um fato indiscutível. Concordo plenamente, fato que vc abordou com muita propriedade, diga-se de passagem. Minha afirmação foi apontar a origem inspiradora reforçando a mesma como questão histórica.
    Na época, eu tive a sorte e oportunidade de jogar dois destes games, Karate Champ no Apple II + (vale ressaltar, jogo bastante conhecido para a plataforma Apple, possuía até “voz”-rouca sintetizada, ehehe) e Yie Ar Kung Fu I e II para MSX. Apesar do contexto e ideias similares, são games com características realmente bem distintas em vários aspectos; jogabilidade, gráficos, musica… enfim, são reconhecidamente de gerações diferentes, muito embora o cerne seja o mesmo.
    Naqueles tempos, tudo era muito difícil, não existia internet, o Brasil vivia uma hiperinflação de mais de 30% ao mês, e existia uma opressora reserva de mercado para produtos de informática e eletrônicos. Os microcomputadores como eram chamados eram sucatas clonadas… talvez por isso, por aqui, parte da historia desses arcades mais antigos tenham ficado no limbo… enfim, nem tudo eram flores, eheh… os fliperamas eram centros culturais de alta tecnologia de entretenimento e vanguarda, eheh… e o Atari era o "diluidor universal" da época… enfim, aí já é outra estória.

    Gde abraço!

    • A História só se enriquece com suas contribuições, Samuray. Embora a inspiração mais imediata seja o Yie Ar Kung Fu, é interessante fazer essa genealogia, que com certeza vai encontrar os elementos ancestrais que levaram ao modelo paradigmático do Street Fighter.

      Valeu pelo inestimável adendo.

  6. Léo (Troscoman)

    Opa. Demorei mas vim ouvir o podcast. o/

    Parabéns pra moçada, muita informação nova. Curti demais.
    Lembrei das maquinas de rodoviária, tinha uma perto de casa, em q vc podia girar com o Zangief e intercalar o giro (aquele com os braços abertos) com um pulo pra cima. Fazia-se isso sucessivamente até sair da tela, continuava a fazer isso, ele sumia em cima e aparecia em baixo, mas ai já estava em "outra tela" e o inimigo não podia mais atingi-lo.
    Depois de várias e várias telas, vc ia até o inimigo e o pegava com o "pilão". Pronto, um pilão com muitas telas de altura para bater a cabeça do coitado.
    Perfect instantâneo. XD

  7. Primeira vez que ouço o podcast de vocês e posso dizer que foi muito bacana.
    Divertido e esclarecedor ao mesmo tempo. Não sei se é esse o objetivo principal do trabalho, mas agradou bastante.
    Acho que vocês poderiam se aventurar em Mortal Kombat II também, ou mesmo na saga inteira da Franquia, dá bons debates.

    Um abraço e sucesso pra vocês!

Deixe uma resposta