Sexualidade alienígena – parte 2

Padrão

Os extraterrestres na ficção científica normalmente são inspirados nas experiências humanas no planeta Terra. Eles quase sempre são muito parecidos com seres humanos em muitas de suas características, inclusive em sua sexualidade (tanto no aspecto reprodutivo quanto nas manifestações de afeto e nas identidades de gênero), como vimos na primeira parte deste ensaio.

Porém, algumas concepções conseguem fugir em maior ou menor grau do dimorfismo sexual e das relações monogâmicas heterossexuais, descrevendo desde variações exóticas da sexualidade humana até processos reprodutivos totalmente diversos do Homo sapiens. Vejamos alguns exemplos interessantes, as limitações ou extrapolações a que se consegue chegar na concepção de alienígenas andróginos, hermafroditas ou assexuados

J’naii

J'naii

Comandante Riker, humano, se apaixona por Soren, da raça andrógina j’naii

Os j’naii, do universo de Jornada nas Estrelas (Star Trek), são uma espécie humanoide andrógina, cujos indivíduos não estão divididos em gêneros (masculino ou feminino), mas pertencem todos a um só gênero neutro, sem distinções físicas, comportamentais ou cosméticas relacionadas a uma identidade sexual.

Seu processo reprodutivo, no entanto, é sexuado e ocorre na associação entre dois indivíduos, cada um dos quais insemina um casulo com seu material genético, em meio a um longo e complexo ritual de cópula.

A identidade andrógina é uma ideia interessante para uma história de ficção científica e é bem alienígena para os padrões humanos. Seu processo reprodutivo também se diferencia, nos sentido em que os dois parceiros têm papéis considerados equivalentes, diferentemente dos humanos, cuja reprodução acontece no encontro de dois gametas complementares. Mas há um elemento pitoresco que denuncia a incapacidade de se imaginar uma espécie totalmente alienígana na ficção: em certo momento do episódio O Excluído (The Outcast, 17º episódio da 5ª temporada de Jornada Nas Estrelas: A Nova Geração), Riker pergunta a Soren quem conduz caso dois j’naii estejam dançando, e ela responde que é o par mais alto (o que ressoa o papel masculino, ou seja, no “insignificante” gesto da dança, não há igualdade entre os parceiros).

Os j’naii serviram mais para se contar uma história alegórica às avessas sobre a homofobia. No episódio supracitado, Soren, membro da espécie, se sente desconfortável com sua identidade andrógina e preferiria ser uma fêmea, o que a leva a um julgamento, qua a condena a um processo de readequação e frustra o romance que começara com o Comandante Riker.

Dracs

Jeriba

Jeriba, um drac na condição de gravidez assexuada, comportando-se como uma fêmea – antes, na condição de guerreiro, se comportava como um macho

No filme Inimigo Meu, Davidge se depara com um indivíduo de uma raça inimiga dos humanos, um drac. Talvez seja uma das espécies humanoides da ficção científica que mais se diferenciam dos humanos em termos de sexualidade, pois eles são hermafroditas e se reproduzem assexuadamente. Cada indivíduo dá à luz sem a participação de um parceiro, sem cópula. O mais interessante é que, quando estão em situação de guerra e sobrevivência, eles têm um comportamento “masculino”, mas, quando estão em processo de gestação, se comportam “femininamente”.

Dessa forma, há uma quebra das expectativas humanas quanto à identidade sexual. Em todas as sociedades humanas existe a noção da dualidade masculino/feminino e homem/mulher. Toda cultura estabelece certos parâmetros para essa diferenciação e institucionaliza técnicas e formas de se diferenciar os gêneros. Causa perplexidade, por exemplo, quando vemos uma pessoa andrógina ou vestida com roupas que não pertencem ao seu gênero. Estamos sempre numa tensão provocada pela preocupação em não confundir nossa identidade sexual com a do outro sexo. Qualquer “desvio” põe em dúvida a adequação de um indivíduo à “natureza” de seu sexo.

Os dracs rompem com essa forma de ver as coisas. Eles não têm identidade sexual, são apenas indivíduos dracs. Quando não estão gestantes, parecem pertencer ao gênero masculino, são fortes, resistentes e viris. Quando estão grávidos, são dóceis, frágeis e passam grande parte do tempo comendo. Como os peixes-palhaços da Terra, assumem um comportamento segundo as circunstâncias.

Além disso, a paternidade/maternidade, para eles, não possui a noção de progenitores no plural. Enquanto para os humanos o sexo/gênero de pai e/ou mãe é definido e tem um significado pré-determinado (em relação, por exemplo, aos papéis que exercem os adultos machos e fêmeas para com as crianças), os dracs só têm uma palavra para designar o indivíduo que deu à luz. Em inglês, Davidge se refere a Jeriba como parent de Zammis.

Entretanto, a divisão entre os dois tipos de comportamentos dos dracs cai novamente na mesma perspectiva humana, que tem dois modelos de identidade sexual estáticos, opostos e complementares. O comportamento das identidades sexuais humanas estão muito mais ligados a construções sociais do que a instintos naturais. Como não há essa divisão na sociedade drac, deveria haver menos diferenças entre o estado gestante e o estado não-gestante.

Antareanos

Cocoon

Uma antareana mostra a Jack, um humano, uma forma sublime e semi-incorpórea de prazer sexual

Os misterioros alienígenas do filme Cocoon não parecem apresentar dimorfismo sexual, mesmo que eles se disfarcem de humanos machos ou fêmeas. Quando estão sem os disfarces, aparecem como fomas humanoides nuas e sem sexo, o que deixa perplexo o humano Jack, que estava se sentindo apaixonado por “uma” das alienígenas, disfarçada na forma de uma bela humana.

Não fica claro nesta história qual é o meio de reprodução dos antareanos. No entanto, eles têm uma forma de trocar prazer, o que para Jack se aproxima bastante da ideia que os humanos têm de sexualidade (em seu aspecto erótico e não reprodutivo). Porém, esse prazer extrapola muito os limites da experiência humana de Jack, e parece alcançar níveis mais amplos do que a mera fisicalidade dos corpos.

Nesse contexto, a sexualidade é encarada como algo mais do que um meio para a reprodução, assim como acontece com a j’naii Soren no exemplo visto acima, que deseja se unir a Riker por amor. A troca de prazer e a união física (ou mais do que física) entre dois indivíduos aparece como uma forma de demonstrar abertismo e um sentimento fraterno-amoroso pelo outro, independentemente de este pertencer ou não à sua espécie.

Transmorfos

Odo e Kira

Odo, um transmorfo, em forma fluida e luminosa, troca carícias com sua companheira Kira, uma bajoriana

Os transmorfos, do universo de Jornada nas Estrelas, são uma raça extremamente exótica para os padrões humanos. Eles não têm uma forma “natural”, a não ser um estado líquido, e podem assumir qualquer forma dentro dos limites da matéria da qual são compostos e da densidade que podem empregar à sua composição. Odo, o principal transmorfo da série Jornada nas Estrelas: Deep Space Nine, assim como qualquer outro membro de sua espécie, pode assumir as formas de um rato, uma cadeira, uma gaivota, neblina, um homem ou qualquer outra coisa.

Não se sabe ao certo como é a reprodução dos transmorfos. Eles vivem, normalmente, ligados no que chamam de Grande Elo, em forma líquida em seu planeta-natal, imersos no que para nós parece um imenso mar, compartilhando os pensamentos e sentimentos de seus iguais. Quando estão distantes do Elo, muitas vezes em forma humanoide, podem se unir a outros transmorfos, promovendo esse mesmo compartilhamento mental.

Há muitos elementos que descrevem aquilo que poderia ser entendido como a sexualidade dos transmorfos, mas esses elementos se relacionam de forma confusa e controversa. No episódio Atrás das Linhas Inimigas (Behind the Lines, 6º episódio da 4ª temporada de Jornada nas Estrelas: Deep Space Nine),a líder dos transmorfos manipula Odo através de constantes elos que promove com ele, o que parece, para olhos humanos, estabelecer uma relação amorosa. Porém, em Quimera (Chimera, 14º episódio da 7ª temporada de Jornada nas Estrelas: Deep Space Nine), quando Odo encontra Laas, um transmorfo perdido que não conhecia outros membros de sua espécie, eles passam a promover o elo com frequência, mas Kira, namorada de Odo, compreende que não há motivos para sentir ciúmes.

O que nos leva a pensar que os transmorfos não têm uma sexualidade natural entre si, a não ser que eles considerem que o amor não deve ser exclusivo (como conjeturamos na primeira parte deste ensaio, ao descrever os na’vi). Mas, em Uma Simples Investigação (A Simple Investigation, 17º episódio da 5ª temporada de Jornada nas Estrelas: Deep Space Nine), Odo foi capaz de fazer sexo com uma mulher, provavelmente simulando os genitais humanos masculinos. Porém, embora seja relativamente fácil para ele imitar a forma humana, é estranho que ele consiga simular também o prazer físico. Ora, sua fisiologia interna não permite sequer que ele ingira líquidos ou sólidos, pois não tem necessidade de se alimentar.

Quando passa a conviver amorosamente com Kira, infere-se que eles mantêm atividades sexuais semelhantes. Odo foi capaz de se apaixonar por um ser muito diferente dele, com forma fixa, mas essa relação só funciona na maior parte do tempo em termos humanoides. No entanto, num dos momentos mais belos da saga de Deep Space Nine, Odo se transforma numa névoa dourada e, de certa forma, faz amor com Kira em termos não-humanoides, o que, além de extrapolar o padrão humano das trocas afetivo-sexuais, representa um avanço no sentido do amor que ultrapassa a superfície da forma e compreende a natureza isogenética da consciência.

Imagens

  • O Excluído (The Outcast, 17º episódio da 5ª temporada de Jornada nas Estrelas: A Nova Geração)
  • Inimigo Meu (Enemy Mine, filme de 1985, dirigigo por Wolfgang Petersen)
  • Cocoon (filme de 1985, dirigido por Ron Howard)
  • Quimera (Chimera, 14º episódio da 7ª temporada de Jornada nas Estrelas: Deep Space Nine)

Veja também

5 comentários sobre “Sexualidade alienígena – parte 2

  1. Lembro bem quando vi o filme do Drac. Era ainda pequeno e não tinha muita noção das coisas. No primeiro momento achei engraçado, mas lembro que também pensei que se um humano fosse daquele jeito seria muito bom, pois se eu estivesse preso numa ilha deserta, estaria com minha descendência garantida. Pensamentos de criança, mas levei a sério na época. Muito bom seu novo texto, Thiago.

      • Seria assim se os dracs morressem toda vez que dão à luz. Mas Jeriba Shigan só morreu porque teve complicações no parto. No livro "Inimigo Meu", que deu origem ao filme, fica mais claro que um drac pode ter mais de uma cria durante a vida. E seria completamente sem sentido biologicamente se o nascimento de um indivíduo implicasse na morte de outro, pois aí a população tenderia a se extinguir, a não ser que eles conseguissem manter cada um da espécie vivo até o nascimento de seu descendente.

Deixe uma resposta