Mitose Neural 7 – MEIOSE

Padrão

Bem-vindos à primeira Meiose do podcast Mitose Neural!

No Mitose Neural, a Meiose é um conteúdo complementar a um episódio que rendeu muita conversa e discussão.

Neste episódio, Thiago Tecelão, Diego Misantropo e Dyego Wally aprofundam alguns dos temas discutidos no episódio Mitose Neural 7 – A Piada Mortal, como a relação neurótica entre Batman e Coringa e o poder imaginativo e mnemônico do Palhaço do Crime.

Outras opções para ouvir

OpDownOpZIPOpiT

Meiose referente ao episódio:

Contato – Diga-nos o que achou deste episódio!

Assine o feed

Baixe o arquivo em MP3 ou em ZIP

4 comentários sobre “Mitose Neural 7 – MEIOSE

  1. Senhores debatedores;
    Parabéns pelo excelente análise da Piada Mortal.
    Ouvi os dois podcasts e gostei de tudo.
    Gostaria de acrescentar algumas coisas ao respeito:
    1- O que há na panela da Sra. Coringa, não é camarão, é polvo ou talvez lula, comida de pobre que ela estava preparando para cozinhar no mísero habitáculo em que habitavam. (sim, já sei que depois vocês corrigiram)
    2- Este futuro Coringa, tem uma surpreendente semelhança com Stan Laurel, talvez uma licença poética do sublime Brian Bolland.
    3- Sim, começou como assistente de laboratório, e depois foi químico, que desenvolveu o veneno que mata de rir com assistência de Melvin, um primo dele, como se vê na graphic novel “O primeiro contacto com o Coringa”, onde Batman prende os caras que estavam com ele e não percebe a periculosidade do dito cujo:
    – Eu já vi você?
    – Não creio, provavelmente você se lembraria…
    – Quem é você?
    – Eu sou… ah… ah… …um pobre palhaço que estes caras seqüestraram.
    4- O policial sujo, com o charuto na boca, é Bullock, o braço direito de Gordon.
    5- Pirado mesmo. Isso se vê no rosto na hora que no chão aponta a pistola para o Batman. A cara do Batman demonstra que a casa caiu. Mas a pistola era de brinquedo e solta o cartaz de click, click, click.
    *******.
    O resto é história…
    Acompanho os quadrinhos de Batman, Superman etc. desde os anos 50, os coleciono em português, espanhol e inglês.
    Lembro que se disse numa delas que quando um criminoso quer assustar outros criminosos, conta histórias do Coringa.
    Em “Coringa – Advogado do diabo” Robin usa um spray no Coringa e o derruba com um chute na barriga. Depois disse ao Batman enquanto o Coringa fica no chão estrebuchando:
    –Eu odiaria usar isto num cachorro
    –Fique longe, Robin, eu cuido dele.
    Nesta graphic novel o coringa é condenado a Morte na cadeira elétrica por um crime que não cometeu.
    Uma interessante história para comentar, assim como a minissérie “De volta à Sanidade”, onde o Coringa achou que tinha matado o Batman e volta a ser normal até que…
    Bom. Tenho dito.
    Parabéns aos três debatedores.

      • Esqueci um detalhe: Em “O primeiro contacto com o Coringa”, Melvin chama o Coringa de primo Ja…
        E ele diz "shshshsh… esse nome não será mais usado"
        Acho uma referencia a Jack Napier, do primeiro filme com Nicholson. Na ultima cena vemos o túmulo de Melvin Reipan (Napier ao contrário).
        ****
        Em “Coringa – Advogado do diabo” , ele se jacta do que fez ao comissário e sua filha.
        Por isso discordo de que "A Piada Mortal" não seja canonica como alguns acham.
        Claro que é.
        Quando Robin disse a Oráculo que estão investigando sobre o Coringa em “Coringa – Advogado do diabo”, ela quase surta e desliga o sistema.
        É isso.
        E é claro, Thiago, que há muito mais para se dizer.
        Abraço.

Deixe uma resposta